Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cidade limpa

TJ paulista volta a analisar retirada de outdoors da cidade

Por 

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo deve retomar, nesta quarta-feira (25/4), o julgamento das liminares obtidas por anunciantes, proprietários e empresas de publicidade contra a Lei paulistana nº 14.223. A norma, que está em vigor desde 1º de janeiro deste ano, proíbe propaganda em mídia exterior como outdoors e painéis eletrônicos e permite que a prefeitura implante o programa Cidade limpa.

A Procuradoria-Geral do Município alega que a publicidade externa feita de forma desordenada acarreta lesão à ordem e à economia públicas. De acordo com a PGM, a concessão de liminares acabou por gerar um quadro de total insegurança jurídica ao permitir que algumas empresas continuassem com suas propagandas e impedir o poder público de multar os infratores.

A prefeitura pede a suspensão de 55 medidas cautelares, inclusive as de segundo grau, que suspenderam os efeitos da lei e impediram a retirada dos anúncios. As empresas e anunciantes também recorreram para reverter a suspensão as liminares conquistadas em primeira instância, mas que foram revogadas, até o exame de mérito, pelo presidente do tribunal.

Celso Limongi concedeu efeito suspensivo para liminares de primeira instância, mas se negou a tomar a mesma posição nos casos apreciados pelas Câmaras de Direito Público. Ele afirmou que a presidência do tribunal não poderia se sobrepor a uma decisão de turma julgadora e justificou que estava amparado no artigo 512 de Código de Processo Civil.

“Concedendo efeito ativo aos agravos de instrumento, a suspensão político-administrativa atingiria de modo insustentável as mencionadas decisões desta corte, motivo pelo qual falece competência a esta presidência para a almejada suspensão”, ressaltou Limongi.

O julgamento foi suspenso a duas semanas depois do voto do desembargador Roberto Stucchi a favor da prefeitura. “É hora de oxigenar de ter ousadia. A suspensão dos efeitos não é interferência jurisdicional é uma decisão político-administrativa”, defendeu.

Para Stucchi, estender a medida às decisões de segunda instância criaria uniformidade na posição da Justiça paulista. O desembargador Walter Guilherme pediu adiamento e foi seguido por Oscarlino Moller.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 24 de abril de 2007, 9h43

Comentários de leitores

4 comentários

Esperem e confiem na mensagem efetuada abaixo p...

Manente (Advogado Autônomo)

Esperem e confiem na mensagem efetuada abaixo por este comentarista: Isto trata-se de uma MERA JOGADA, na PRÓXIMA LEGISLATURA, tudo voltará ao NORMAL e as empresas que prestam este tipo de serviço novamente irão faturarem absurdos. PARA QUEM QUER MONTAR UM NEGÓCIO, AI VAI A DICA. MAS PREPAREM-SE, POIS A CONCORRÊNCIA SERÁ MUITO GRANDE.

Parabéns ao Prefeito e à Câmara de Vereadores p...

Ruberval, de Apiacás, MT (Engenheiro)

Parabéns ao Prefeito e à Câmara de Vereadores pela iniciativa, quiçá, impar neste país. Estive em SP e notei também a diferença, diga-se, para melhor.

Parabéns ao Prefeito paulista. Além de poluir o...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

Parabéns ao Prefeito paulista. Além de poluir o sistema ambiental da cidade, a maioria das propagandas veiculadas são de péssimo gosto. Cidade limpa já, abaixo o consumismo obrigatório. Otavio Augusto Rossi Vieira, 40 advogado crimianal em Sao Paulo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.