Consultor Jurídico

Parceria em questão

Ecad não pode agir como sócio de empresa, diz desembargador

O preço de uma obra musical, intelectual e artística deve ser fixado de acordo com o seu próprio valor e não pela capacidade econômica do comprador. O entendimento é da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que mandou o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) manter o contrato de autorização para execução pública de obras musicais, lítero-musicais e de fonogramas, assinado com a TV Globo, em junho de 2000.

Para o relator, desembargador Cláudio de Mello Tavares, a fixação do valor em 2,5% do faturamento bruto da emissora para que possa executar as obras é abusiva. "Há de se reconhecer que a fixação pelo Ecad do preço em percentual da receita bruta de cada emissora contratante constitui abuso dos direitos que lhe confere o parágrafo único do artigo 98, da Lei 9.610/98, em total infringência aos princípios da isonomia, da boa-fé e do equilíbrio econômico do contrato", afirmou.

Segundo a decisão, o procedimento adotado pelo Ecad afronta o parágrafo 4º do artigo 173 da Constituição Federal, bem como os artigos 421 e 422 do Código Civil. Além disso, o Ecad não apresentou qualquer razão plausível para demonstrar que o preço praticado anteriormente não correspondia a um valor justo.

Para o relator, ao determinar o percentual de 2,5% da receita da TV Globo, o Ecad está agindo como sócio da empresa. O órgão “está agindo não como um fornecedor de produto ou como uma entidade destinada a viabilizar a gestão coletiva de arrecadação e distribuição de direitos autorais e conexos, mas como um sócio da empresa, ou mesmo com mais direitos do que este, pois a retirada e/ou os lucros de cada sócio de uma empresa levam em consideração, também, as despesas da emissora", afirmou.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 23 de abril de 2007, 18h46

Comentários de leitores

1 comentário

E pior, na distribuiçao desvaloriza as obras pe...

prosecutor (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

E pior, na distribuiçao desvaloriza as obras pelas quais exige o pagamento de percentual sobre o faturamento bruto. Ainda se fosse o valor destinado aos autores, entretanto, a parte do leão fica com o ECAD (e mais as associações que o compõem), enquanto os autores recebem um trocado, quando recebem! O ECAD é ótimo arrecadador e péssimo distribuidor. Daí porque os vários projetos de lei para extinguí-lo. Ao menos os autores teriam a oportunidade de negociar por quanto quiserem suas obras e não por preço absurdo fixado pelo ECAD, do qual recebem mínima parte enquanto o ECAD engorda suas burras!

Comentários encerrados em 01/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.