Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Imóvel penhorado

Bem de sócio pode ser penhorado para saldar dívida trabalhista

Sócio pode ter bens penhorados para saldar dívida trabalhista da empresa. O entendimento foi reafirmado pela 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho.

A Turma manteve a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (Pará e Amapá), que mandou penhorar o imóvel de um dos sócios de uma empresa em Belém, para pagamento de indenização trabalhista. O relator do processo foi o ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho.

Para receber a indenização determinada pela Justiça do Trabalho, a ex-empregada pediu a penhora do imóvel onde funciona a sede da empresa em que trabalhava. O oficial de Justiça verificou que o bem estava em nome de um dos sócios, expediu notificação sobre a penhora e o nomeou como depositário fiel.

A empresa entrou com recurso para anular a penhora. Alegou que o proprietário do bem não fazia parte do processo principal, além de figurar apenas como locador. O TRT reconheceu a legalidade e a responsabilidade do sócio pelos débitos da empresa. Com isso, o processo retornou à primeira instância para execução da penhora. O imóvel foi a leilão e vendido por R$ 190 mil.

O proprietário ajuizou recurso para invalidar a arrematação. O relator do processo não acolheu o pedido. Considerou que “o Recurso de Revista somente é admissível com base na ocorrência de violação literal e direta de dispositivo constitucional, o que não ocorrera no caso”.

RR-670/2005-014-08-00.8

Confira as técnicas de gerenciamento e marketing usadas pelos escritórios que se destacam no mercado e pelos departamentos jurídicos de sucesso no seminário Gerenciamento e Marketing: Escritórios de Advocacia e Departamentos Jurídicos, promovido pela ConJur.

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2007, 0h02

Comentários de leitores

2 comentários

Sugiro que observe atentamente o conteúdo da ma...

Sri Mhaza Aum (Advogado Assalariado)

Sugiro que observe atentamente o conteúdo da matéria, para que se perceba que "a ex-empregada pediu a penhora do imóvel onde funciona a sede da empresa em que trabalhava" e que o" oficial de Justiça verificou que o bem estava em nome de um dos sócios". A criatividade jurídica engendra construções que, por vêzes, acabam prejudicando o direito de quem deveria tê-lo reconhecido. Este é apenas um caso. Observem que o próprio TST, julgando outro caso da mesma espécie, decidiu de forma diferente. Vejam o RR 20/2003-004-10-40.7, para prepararem seus embargos de divergência, se cabíveis.

Esta é outra anomalia. A empresa tem capital re...

allmirante (Advogado Autônomo)

Esta é outra anomalia. A empresa tem capital registrado. O empregado é da empresa, nmão da pessoa física. No entanto, para a justiça do Mussolini, o negócio é expropriar de quem tem, para pagar a festa geral.

Comentários encerrados em 20/04/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.