Consultor Jurídico

Comentários de leitores

7 comentários

Com todo o respeito que me merecem, todos, perg...

A.C.Dinamarco (Advogado Autônomo)

Com todo o respeito que me merecem, todos, pergunto : neste país se faz Justiça ? A ilustre cometeu-(ou é acusada de cometer), crimes no exercício da Advocacia ou se aproveitando dela ? Era Advogada ou estava Advogada ? acdinamarco@adv.oabsp.org.br

Diante do Princípio Constitucional da Presunção...

Maurício Silva Pereira (Advogado Autônomo)

Diante do Princípio Constitucional da Presunção de Inocência não se pôde, antes da sentença condenatória transitada em julgado, afirmar-se categoricamente que a advogada é ligada ao crime organizado. Advogar para criminosos não é crime. Todos têm o direito sagrado e constitucional de defender-se e o advogado é essencial à justiça. Somente os processos instaurados na esfera criminal e disciplinar é que trarão a certeza sobre a participação efetiva da profissional nos delitos que lhes são imputados. Enquanto não chegarem a termo as prerrogativas que ostenta são da advocacia e não de sua pessoa. Devem ser respeitadas, afinal vivemos em um Estado Democrático de Direito. Caso não haja acomodações condignas para o cumprimento da prisão especial, impõe-se a prisão domiciliar, assim entende o STF. Isto independe se advogava para o MARCOLA, OU SANGUESSUGAS, OU MENSALEIROS, OU AINDA, SIMPLESMENTE, PARA O JOÃO NINGUÉM. MAURÍCIO SILVA PEREIRA ADVOGADO CRIMINALISTA MACAPÁ-AP mauriciopereira.adv@hotmail.com

Haja quartel! Ela foi presa no exercício da fu...

Fftr (Funcionário público)

Haja quartel! Ela foi presa no exercício da função? Ao que me consta corrupção não esta no rol de deveres do advogado.

Corrigindo: "nem o Exército nem a PM teriam qua...

Luismar (Bacharel)

Corrigindo: "nem o Exército nem a PM teriam qualquer relação com essa questão da prisão provisória".

No caso, cabe uma interpretação histórica porqu...

Luismar (Bacharel)

No caso, cabe uma interpretação histórica porque deve ter havido alguma razão para a lei falar em "sala de Estado Maior" na época em que foi editada. Essa razão pode não subsistir no presente porque, aparentemente, nem o Exército nem a PM não têm qualquer relação com essa questão da prisão provisória. Em princípio, as dependências de Estado Maior das forças militares e policiais militares servem para os assuntos e funções relativos a cada corporação.

Gostaria parabenizar o brilhante resultado alça...

Edson Luiz Silvestrin Filho (Advogado Autônomo - Criminal)

Gostaria parabenizar o brilhante resultado alçando em favor da causídica, fazendo prevalecer o estatuído na Lei Federal 8906/94. Que esta corrente jurisprudencial prevaleça não só no estado de São Paulo como aos demais da nossa federação, em favor de todos os advogados do Brasil. O excelente trabalho desenvolvido pelo advogado Mário de Oliveira Filho somente consolida os anseios da advocacia bandeirante.

Pessoal do Conjur: vamos lá ! A tese é respe...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

Pessoal do Conjur: vamos lá ! A tese é respeitante ao aprisionamento em Sala de Estado Maior e não prisão especial em sentido amplo, quanto aos Advogados. A tese do STF é justamente essa, ou seja, pode até haver cela especial, mas advogado ( não o bacharel em direito) tem direito a Sala ( leia-se quarto com acomodações de militar, sem grades). É somente ler o acórdão. Por isso, por favor, não confudam prisão especial com Sala de Estado Maior porque deu um trabalho imenso ( quase dois anos) demonstrar essa diferença para o judiciário, até quando uma Luz do Direito, o Ministro Celso de Mello compreendeu a tese. Que tal vcs compreenderem também; Aline ! muda essa manchete, minha adorada amiga. Otavio Augusto Rossi Vieira, 39 advogado criminal em São Paulo otavioaugustoadv@terra.com.br

Comentar

Comentários encerrados em 3/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.