Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ofensas na TV

Lula pede direito de resposta a Eymael e Alckmin

A coligação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva encaminhou ao Tribunal Superior Eleitoral cinco Representações por suposta ofensa e difamação à imagem do presidenciável petista nesta quarta-feira (13/9).

Dentre as Representações protocoladas, quatro são contra o candidato à presidência pelo PSDC, José Maria Eymael, e uma contra a coligação de Geraldo Alckmin.

Em duas Representações contra Eymael, a coligação alega que a propaganda eleitoral do candidato no dia 12 de setembro teve a seguinte gravação: "Esta eleição é disputada por duas vertentes: uma, composta pelos desinformados, os excluídos, chantageados pelo Bolsa Família e aterrorizados pela ameaça mentirosa de perder a única coisa que está recebendo".

Por isso, a coligação pede para suspender a veiculação da propaganda e ainda quer direito de resposta, conforme prevê o artigo 14 da Resolução do TSE 22.142/06. O relator das representações é o ministro Marcelo Ribeiro.

Em outras duas representações, de relatoria do ministro Marcelo Ribeiro, a coligação de Lula sustenta ter sido veiculada propaganda eleitoral irregular, de caráter degradante e ofensivo ao candidato Lula, no programa eleitoral do presidenciável Eymael, do dia 12 de setembro.

Contra a coligação de Alckmin, a coligação de Lula diz que o adversário veiculou, no dia 12 de setembro, na modalidade bloco em rede nacional, programa eleitoral em desconformidade com a lei, com duração de quatro minutos e 40 segundos.

Segundo a representação, a propaganda também ofende o presidente, ao exibir mensagens como: "Lula não cumpriu e agora diz que a saúde está perto da perfeição, Lula na TV diz que fez obras que não existem; Lula abandonou nossas estradas, o brasileiro nunca pagou tanto imposto como agora, a nossa carga tributária é a mais alta da história, Lula fala que está construindo metrô em Recife, Salvador, Belo Horizonte e Fortaleza, mas o metrô está longe de entrar em operação porque Lula demorou a liberar o dinheiro."

A coligação de Lula pede que a propaganda seja suspensa e quer direito de resposta. O relator é o ministro Carlos Alberto Menezes Direito.

RPs 1.138; 1.140; 1.139; 1.141; 1142

Revista Consultor Jurídico, 13 de setembro de 2006, 21h44

Comentários de leitores

2 comentários

Além de "sensível", soa muito estranho essa dec...

Comentarista (Outros)

Além de "sensível", soa muito estranho essa decisão do Lulinha em pedir direito de resposta a Eymael e Alckmin. É que, para quem está praticamente reeleito ainda no primeiro turno, "queimar vela nova com defunto velho" não faz nenhum sentido.

O Lulla anda muito sensível...

Luiz Augusto Mendes (Delegado de Polícia Estadual)

O Lulla anda muito sensível...

Comentários encerrados em 21/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.