Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Venceu o prazo

Prescreve punibilidade de Luiz Estevão por desacato a servidor

Está extinta a punibilidade do empresário Luiz Estevão, ex-senador, por desacato a funcionário público no exercício de suas funções. Motivo: prescreveu a aplicação da pena. A decisão é da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

Luiz Estevão foi denunciado pelo Ministério Público Federal por que ofendeu o oficial de justiça Paulo Sérgio D’Ávila no exercício de suas atribuições. A denúncia foi rejeitada pela 12ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal e Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Os desembargadores entenderam que não houve intenção de menosprezar ou diminuir o funcionário por que Luiz Estevão “encontrava-se exaltado com a suposta ilegalidade do ato”.

O Ministério Público Federal recorreu ao STJ. O relator do caso, ministro Gilson Dipp, declarou extinta a punibilidade do réu pela prescrição, pois foi ultrapassado o prazo de quatro anos desde o recebimento da denúncia. Assim, julgou prejudicada a análise do mérito do Recurso Especial. A decisão foi unânime.

REsp 813.944

Revista Consultor Jurídico, 12 de setembro de 2006, 11h40

Comentários de leitores

2 comentários

Se prescreveu, prescreveu, o que é uma pena e m...

Francisco C Pinheiro Rodrigues (Advogado Autônomo)

Se prescreveu, prescreveu, o que é uma pena e mostra a má-qualidade de nossa legislação. Todavia, o argumento de que desacatos proferidos em estado de exaltação "não valem" é um absurdo. Se formos esperar que só em estado bem calmo, tranquilo, as pessoas ofendam funcionários no exercício regular da função, é melhor riscar esse crime do Código Penal. Afinal, as pessoas têm que se dominar. Do contrário, o funcionário insultado teria também o direito de não ser processado caso desse umas boas "bolachadas" na cara do citando ou intimado, quando este agisse com maus modos. O oficial de justiça teria o direito de alegar que "estava nervoso". A complacência, por vezes, é justificada na área penal, mas não é o caso em exame.

Pois é.

Luismar (Bacharel)

Pois é.

Comentários encerrados em 20/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.