Consultor Jurídico

Recomendações do PCC

Veja mantém na internet gravações do PCC com alusão a Genoíno

Por 

O Tribunal de Justiça de São Paulo cassou a decisão que obrigava a revista Veja a retirar as alusões ao ex-presidente do PT, José Genoíno, feitas em uma série de reportagens sobre a suposta ligação entre o partido e a organização criminosa PCC.

A decisão é da 4ª Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo. A Editora Abril foi representada pelos advogados Lourival J. Santos e Alexandre Fidalgo. Cabe recurso.

Na segunda-feira (4/9), a juíza Camila de Jesus Gonçalves Pacífico, da 1ª Vara Cível de Pinheiros, São Paulo, concedeu a liminar para que a Abril e a revista Veja alterassem o conteúdo de reportagem sobre Genoíno. A reportagem foi publicada na edição número 39 da revista. Ela aborda a ação movida pelo Ministério Público de São Paulo contra 25 pessoas acusadas de envolvimento com o PCC e a existência de escutas telefônicas com conversas de supostos integrantes do PCC.

A revista Veja ainda reproduz um diálogo telefônico em que um suposto integrante da facção criminosa recomenda que todos os familiares, amigos e conhecidos de presos ligados ao PCC a votar no petista José Genoíno, candidato ao governo de São Paulo nas eleições de 2002. Genoíno é candidato a deputado federal nas eleições de outubro deste ano.

A juíza considerou que não há elementos concretos que provem a existência de elo entre o PT e o PCC. Ela concedeu parcialmente a tutela antecipada e mandou retirar da internet o conteúdo editado da conversa. A juíza ordenou que fossem retiradas também da internet os trechos da gravação da conversa dos supostos criminosos em que o petista é mencionado.

O Tribunal de Justiça modificou o entendimento. A 1ª Vara Cível de Pinheiros já está sendo notificada sobre a decisão.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 6 de setembro de 2006, 19h14

Comentários de leitores

10 comentários

S.r Richard Smith, ao que parece a bandidagem ...

araujocavalcanti (Advogado Autônomo - Família)

S.r Richard Smith, ao que parece a bandidagem muda apenas de nome, dependendo do escalão ou patamar na qual se encontre. Certamente,seria normalíssimo, que houvesse um conluio subreptício no intuito de dar continuidade aos interesses, de todos os envolvidos, não importando se da camada de cima, de baixo, igrejas e demais afins.... Para compoletar o seu ciclo no tocante a meditar, torna-se imperioso, orar e jejuar... Parabéns pelo artigo!

Olha, eu diria que, caso o cidadão, "suposto" d...

Humberto (Outros)

Olha, eu diria que, caso o cidadão, "suposto" de pertencer ao PCC (cria do PSDB Estadual e Federal - que muitos esquecem de mencionar, sabe-se-lá por quê)recomendou o voto ao petista, talvez seja por prever o que aconteceria com o cidadão-não-presidiário, caso Alckmin fosse reeleito.Mas nenhum governo fez mais pelos presos do que Alckmin. Mais presídios. E mais estudantes semi-analfabetos e brasileiros rejeitados do Plano Real para ocupá-las.

A ligação formal entre o PCC e o PT provavelmen...

Richard Smith (Consultor)

A ligação formal entre o PCC e o PT provavelmente nem exista. O que é interessante é saber o porque do interesse da facção criminosa na eleição de políticos do PT para cargos amjoritários, isso sim. Será que é porque este governo e os seus apoiadores (igreja, etc.) são verdadeiras "mães" para a bandidagem? Vamos meditar um pouco?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.