Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Papéis trocados

Antonio Meyer critica visita do ministro da Fazenda ao STF

Por 

“O ministro da Fazenda tem de gerir e cortar gastos para que possamos pagar menos impostos, não ir ao Supremo Tribunal Federal fazer pressão para tentar beneficiar o governo em julgamentos.” A crítica foi feita pelo presidente do Cesa Antonio Correa Meyer ao ministro Guido Mantega, que na segunda-feira (4/9) fez uma visita ao STF para “expressar preocupação” com a possível exclusão do ICMS na base de cálculo da Cofins.

Presidente da entidade que reúne os principais escritórios do país e conselheiro da OAB, Meyer avalia que o ato é uma ingerência indevida do Poder Executivo no Judiciário. “Deve haver mais respeito às instituições. O governo já é defendido no processo pela Advocacia-Geral da União.”

A visita de Mantega à ministra Ellen Gracie, presidente do Supremo, foi motivada pela indicação de que o tribunal deve considerar inconstitucional a inclusão do ICMS na base de cálculo da Cofins. Seis ministros já votaram nesse sentido. Estima-se que a decisão custará R$ 12 bilhões anuais para os cofres federais.

Até agora, o entendimento de seis dos sete ministros que votaram é o de que faturamento é tudo aquilo resultante da venda de mercadorias ou prestação de serviços. Logo, imposto não é faturamento e não pode entrar no cálculo da Cofins. Faltam os votos de quatro ministros.

“Não é justo ou razoável que um ministro de Estado tente influenciar os ministros do STF para que revejam suas posições depois que o placar está desfavorável ao governo”, sustenta Meyer. O advogado diz, contudo, que acredita na independência do Judiciário e que o Supremo não cederá a pressões.

Placar parcial

Antonio Correa Meyer afirma que o entendimento parcial do STF está de acordo com o conceito de faturamento entendido pela corte e expressado em decisão anterior que julgou inconstitucional a inclusão das receitas financeiras das empresas na base de cálculo da Cofins.

Seis dos sete ministros que já votaram na questão entendem que O ICMS não deve integrar a base de cálculo da Cofins. Apenas Eros Grau votou pela manutenção do imposto. Votaram a favor da exclusão os ministros Marco Aurélio, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Carlos Ayres Britto, Cezar Peluso e Sepúlveda Pertence. Ainda faltam votar os ministros Gilmar Mendes (que pediu vista da ação), Celso de Mello, Ellen Gracie e Joaquim Barbosa.

 é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 5 de setembro de 2006, 21h54

Comentários de leitores

14 comentários

Não entendi ainda a chorada do Sr. Meyer, reafi...

Fábio (Advogado Autônomo)

Não entendi ainda a chorada do Sr. Meyer, reafirmo, as Grandes Empresas se utilizam dos mesmos métodos reprováveis para lhes garantir decisões judiciais favoráveis, notadamente em causas contra os consumidores. O Sr. Meyer sabe disso.

"Seria o mesmo que eu, como advogado de uma emp...

Victor (Estudante de Direito - Criminal)

"Seria o mesmo que eu, como advogado de uma empresa, aceitasse que o dono da empresa ou o seu Diretor Financeiro procurasse diretamente o Juiz para "demontrar a preocupação" da empresa quanto ao resultado do julgamento. Se isso ocorresse, estaria caracteriza a "falta de confiança" do cliente no advogado, obrigando-o a renunciar ao mandato." Pena que não se pode dispensar a defesa da AGU.

O Pior é que eu li que a União nunca arrecadou ...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

O Pior é que eu li que a União nunca arrecadou tanto dinheiro com tributos. E não tem investimento no país. Isso é mais inacreditável ainda.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.