Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ofensa ao presidente

TSE proíbe reapresentação de programa de Geraldo Alckmin

O programa do candidato à Presidência Geraldo Alckmin, apresentado na última sexta-feira (1/9), não pode ser reexibido. A decisão é do ministro Marcelo Ribeiro, do Tribunal Superior Eleitoral, que deu liminar para a coligação A Força do Povo, do presidente Lula.

A coligação de Lula alegou que a propaganda de Alckmin exibiu cenas externas, trucagem e montagem que visavam ofender o candidato à reeleição, além de utilizar imagens de propriedade de terceiros em desrespeito aos direitos autorais.

A mensagem veiculada pela coligação de Alckmin dizia: “mensalão, Waldomiro, caixa 2 no PT, corrupção nas estatais, dólar na cueca, máfia das ambulâncias. O Brasil vive a maior crise de corrupção da história. E você ainda acredita no Lula?”.

No mérito, que ainda será julgado pelo plenário do TSE, a coligação pede direito de resposta e aplicação da pena prevista no parágrafo único do artigo 32 da Resolução 22.261 do TSE. O dispositivo estabelece que é vedado, nas propagandas eleitorais gratuitas, o uso de trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de alguma forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido político ou coligação.

Aos infratores, a lei prevê a perda do tempo equivalente ao dobro do usado na prática do ilícito, no período do horário gratuito subseqüente, dobrada a cada reincidência. Para o ministro Marcelo Ribeiro, as referências constantes a mensalão, Waldomiro, Caixa 2 no PT, dólar na cueca, corrupção nas estatais, máfia das ambulâncias, são fatos, públicos e notórios, insistentemente veiculados na mídia, o que não deve ensejar direito de resposta.

Mas como a propaganda impugnada afirma que “o Brasil vive a maior crise de corrupção da sua história”, o ministro entendeu que houve um juízo ofensivo e que afeta a credibilidade do atual presidente da República. Por isso, o ministro deferiu a liminar até o julgamento do mérito da questão.

RP 1.074

Revista Consultor Jurídico, 4 de setembro de 2006, 19h56

Comentários de leitores

2 comentários

Estranho é o PT teimar em queimar vela nova par...

Comentarista (Outros)

Estranho é o PT teimar em queimar vela nova para defunto velho, pois todos sabem que, quanto mais a "oposição" bate e o picolézinho de chuchu fala, mais o Lulinha cresce nas pesquisas eleitorais... Essa é, sem dúvida, a campanha mais insossa da história da nossa republiqueta das bananas, pois a reeleição do atual presidente será fácil demais. Isso tudo é deprimente!

Ofensa, onde e quando?. Fatos alardeados na mid...

Bira (Industrial)

Ofensa, onde e quando?. Fatos alardeados na midia escrita e televisiva são o que, mundo da disney?. Estranho....

Comentários encerrados em 12/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.