Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lula é reeleito

Lula é reeleito com 20 milhões de votos de vantagem

Com mais de 58 milhões de votos, a maior votação recebida por um candidato em eleições no país, Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, está reeleito presidente do Brasil. Lula obteve 61% dos votos, contra 39% de Geraldo Alckmin.

Com 37 milhões de votos, o candidato da coligação encabeçada por PSDB-PFL obteve agora menos votos do que no primeiro turno. Em 1º de outubro, Alckmin foi votado por 41,64% ou quase 40 milhões dos eleitores.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral anunciou a vitória de Lula, logo após as 19h, quando a curva da apuração mostrou-se irreversível. Ele acompanhava o resultado das apurações nos estados com seus colegas, em torno de uma mesa de salgadinhos, na sala da Presidência do tribunal, quando foi informado por sua assessoria que os resultados sairam antes do esperado.

Pelas primeiras projeções, só se saberia o desfecho da disputa depois das 22h. As 19h18, quando faltavam 16 milhões de votos para serem apurados, Lula já havia estabelecido uma vantagem de 20 milhões. “As máquinas nos surpreenderam mais uma vez”, admitiu o ministro, comemorando a eficiência do sistema eletrônico de votação e apuração.

Às 20h22 o candidato tucano Geraldo Alckmin ligou para Lula para reconhecer sua vitória. Minutos depois, em um hotel em São Paulo, acompanhado de varios ministros, Lula fez seu primeiro pronunciamento como presidente reeleito. "Queremos governar para todos os brasileiros, mas os pobres sempre vão ter prioridade no meu governo", disse o presidente. "A solução está no crescimento econômico e na distribuição de renda, coisa que já começamos a fazer no nosso primeiro mandato".

Antes de encerrar, Lula lembrou-se de uma promessa feita durante a campanha de que num segundo mandato estaria mais aberto à imprensa e permitiu que os jornalistas fizessem perguntas.

Revista Consultor Jurídico, 29 de outubro de 2006, 19h28

Comentários de leitores

64 comentários

Caro Richard... Amir Sader...Amir Sader...não ...

Saeta (Administrador)

Caro Richard... Amir Sader...Amir Sader...não é aquele jornalista da C.C. que escreve sobre amenidades, enaltecendo o governo e criticando o antecessor? Ora, ele é apenas mais um dos "crédulos" de plantão...

ESPOLIADO não amigo Victor! Segundo o senho...

Richard Smith (Consultor)

ESPOLIADO não amigo Victor! Segundo o senhor doutor professor emir sader, é "EXPOLIADO", hein? Vamos logo nos adaptando, hein?! Um abração. p.s. Quantos "professores" de poucas letras andam pululando por aí, hein?!

Caro Professor Manuel, o senhor perde tempo e g...

Saeta (Administrador)

Caro Professor Manuel, o senhor perde tempo e gasta palavras jogando-as ao léo. Os petralhas nunca admitirão que seu ídolo ( de barro ou material orgânico parecido) seja culpado das inúmeras mazelas que o governo cometeu. Segundo eles, a culpada é a parteira que atendeu a mãe de FHC ou de Collor que por terem-nos trazido ao mundo causaram os exemplos que eles deixaram ao "presidente" de hoje. Veja que eles tentam inocentar os malfeitores políticos petistas, acusando outros de terem feito igual, ou seja, náo são os únicos ladróes da pátria. Ora, se antes os roubos e desvios eram cometidos, a intenção, com a eleição dos donos da ética deste país, seria exatamente para que as mesmas coisas não voltassem a ocorrer. Mas, qual...Neste governo apareceram os mensaleiros, as cpi`s fajutas, a renúncia de mensaleiros para novamente voltarem ao local do crime com novas eleições, houve até o procurador que em um gesto de indignação chamou a camarilha que se apossou do governo de "quadrilha" em flagrante ofensa aos pobres quadrilheiros reais, que, pelo menos quando assaltam, correm riscos e expõe-se à reação da vítima. Já essa quadrilha ( não apenas petralhas, é claro....) náo corre riscos, pois basta-lhes uma caneta e a leniência de um povo omisso que sequer reage à ofensa de ser espoliado.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/11/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.