Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falta de tempo

Júri de acusado de atear fogo em casal de namorados é suspenso

Por 

Foi adiado o julgamento do lutador de caratê Mardone Gonçalves de Lima, acusado de atear fogo no casal de namorados Rafael Tiago Sartori e Caroline Bonomi em maio de 2005. O crime aconteceu na zona leste de São Paulo. O motivo do adiamento foi a desistência da defensora pública que representa Mardone, Fernanda Vlaglasherstr Birke, que alegou não ter tido tempo suficiente para estudar o processo.

O julgamento estava marcado para esta quinta-feira (19/10), às 13 horas, no 1º Tribunal do Júri da Capital. O júri é presidido pela juíza Claudia Marina Maimone Spagnuolo Binns.

O réu vai responder pelos crimes de duplo homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, emprego de fogo e meio cruel e mediante recurso que impossibilitou a defesa das vítimas) e por roubo.

O crime aconteceu em maio de 2005, na zona leste da capital. Mardone teve um relacionamento com Keli Fernanda Sartori, irmã de Rafael, e, inconformado com a separação, passou a ameaçar a família dela.

No dia do crime, o lutador foi até a casa da ex-namorada, localizada na cidade de Mauá, na grande São Paulo. A intenção era seqüestrar a filha, de 3 anos, pela quarta vez. A menina é fruto de um relacionamento de três anos entre o lutador e Keli, marcado por ciúmes, violência e ameaças.

Quando chegou à casa da ex-namorada, o acusado, acompanhado de um amigo — identificado como Paulo — encontrou no local apenas Rafael, irmão de Keli, e a namorada do ex-cunhado, Caroline Bonomi. Mardone e Paulo amarram o casal, colocando-o no carro do pai de Rafael e saindo atrás de Keli e da menina. No meio do caminho, a dupla parou o veículo na Rua Guacumã, Vila Califórnia e retirou as vítimas.

Segundo Mardone contou à polícia, foi o amigo quem jogou gasolina e ateou fogo em Rafael e Carolina, que morreram com 100% dos corpos queimados. Além de seqüestrar o casal, Mardone e seu comparsa roubaram telefones celulares, dinheiro, cartões bancários, entre outros pertences das vítimas.

Notícia atualizada com nova informação às 18h.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 18 de outubro de 2006, 17h42

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.