Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime passional

Polícia conclui inquérito da morte de Ubiratan e culpa namorada

A Polícia Civil de São Paulo concluiu nesta sexta-feira (13/10) o inquérito sobre a morte do deputado estadual e coronel da Polícia Militar Ubiratan Guimarães, assassinado com um tiro no abdômen, no dia 9 de setembro. Para os policiais do DHPP — Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, a namorada da vítima, Carla Cepollina, é a única responsável pelo crime.

Ela foi indiciada no dia 27 do mês passado por homicídio duplamente qualificado por motivo fútil (ciúme) sem possibilidade de defesa da vítima. Na ocasião, apesar do indiciamento, a Polícia e o Ministério Público disseram que Carla colaborou com as investigações, por isso não pediram sua prisão preventiva. As informações são da Folha Online.

Com a conclusão do inquérito, o Ministério Público deve apresentar denúncia contra a advogada nos próximos 15 dias. Carla nega envolvimento no assassinato.

Um dos pontos que pesa contra Carla é o fato de ela ter entregue à Polícia roupas diferentes das que usou no dia do crime, conforme apontou laudo do IC — Instituto de Criminalística. A perícia se baseou nas imagens captadas pelo circuito interno de câmeras do prédio onde mora, que mostra Carla vestindo roupas claras. Policiais do DHPP afirmaram que a advogada entregou uma blusa escura.

A blusa supostamente usada no dia do crime foi pega pela Polícia em uma das buscas à casa de Carla, dentro de um balde com água. Ainda segundo laudo do IC, outra muda de roupa, uma calça de veludo verde escuro que Carla vestia no dia do crime, tem manchas de sangue. No início do mês, ao ser questionado sobre o resultado do laudo, o advogado de Carla, Antônio Carlos de Carvalho Pinto, disse que iria questionar os métodos empregados pela perícia.

O crime

Comandante da operação conhecida como massacre do Carandiru, que resultou na morte de 111 presos em 1992, Ubiratan foi baleado em seu apartamento, nos Jardins (zona oeste de São Paulo). O corpo foi encontrado enrolado em uma toalha. Segundo a Polícia, o coronel foi morto com um tiro de uma de suas armas — um revólver calibre 38 que não foi encontrado no local do crime.

Revista Consultor Jurídico, 13 de outubro de 2006, 15h56

Comentários de leitores

3 comentários

RICA,culta e cruel

JOTA (Corretor de Imóveis)

RICA,culta e cruel

Já vi de tudo por ai, essa é denais. Argumen...

Simão, Wilson (Outros)

Já vi de tudo por ai, essa é denais. Argumentum Ad Antiquitatem Argumentum Ad Baculum / Apelo Para Força Argumentum Ad Crumenam Argumentum Ad Hominem Argumentum Ad Ignorantiam Argumentum Ad Lazarum Argumentum Ad Logicam Argumentum Ad Misericordiam Argumentum Ad Nauseam Argumentum Ad Novitatem Argumentum Ad Numerum Argumentum Ad Populum Argumentum Ad Verecundiam Nossos profissionais estão de parabens. Wilson

Policiais,? Promotores? Reporteres? Ad...

Selmo Santos (Outros)

Policiais,? Promotores? Reporteres? Advogados? Sociedade? 111 Mortos no Carandiru? Mortos? presos? quem matou os 111? foi somente 111? cade o IP, a denuncia e a sentenca contra o Coronel? Quem matou o coronel? Foi a Drª Carla Cepollina? Resp. Nao! Foi os espiritos dos mortos que ele ordenou invadirem o complexo do Carandiru! Acreditem! risos...essa nossa policia tem hora que vira uma verdadeira BRINCADEIRA de CRIANCA! Vejam outra versao, a namorada (Carla) do Coronel saiu do aptº, a outra entrou e o pau comeu, as duas estavam sendo traidas certo? por que a advogada mataria ele? Ciumes? E a outra (Renata - Delegada) sabe atirar melhor que a advogada o que acham? A Carla deve ser absolvida e a policia (nesse caso)deve ser periciada, acerca do seu procedimento investigativo, o que acham? Tese conclusiva. 1º Ou foram os espiritos dos mortos no lamentavel episodio do carandiru! 2º Ou fora a Delegada Renata, penso assim, e o melhor de tudo que a lei nao pode punir a liberdade de pensamento. Selmo Santos

Comentários encerrados em 21/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.