Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Briga da notícia

Justiça recebe queixa-crime de jornalista contra Veja

XXXIX -

Os boatos na imprensa voltaram-se, então, contra a pessoa do querelante, que recebera chamadas telefônicas de amigos, que diziam ter informações da polícia federal, advertindo que ocorreriam até diligências de busca e apreensão em sua residência. Desnecessário mencionar a angústia e os abalos psicológicos sofridos pelo querelante e por seus familiares. Mesmo porque a última “Operação Gutenberg” de que se tem notícia num Brasil de triste memória fora aquela que tentara ocultar a realidade do assassinato de VLADIMIR HERZOG.

XL -

Em novembro de 2004, a revista Veja retomara o tema através da nota “MURCHOU”. Nela, noticiava-se que a tal operação policial havia “subido no telhado”. Note-se que a decisão judicial que indeferira a quebra do sigilo telefônico do querelante data de 26 de outubro daquele ano ...

XLI -

Tudo está a demonstrar que os responsáveis pela publicação da revista Veja sempre tiveram pleno e total conhecimento de tudo quanto se passava nos bastidores cavernosos da repressão ao livre direito de informar, inclusive do despacho denegatório da pretensão policial, eis que as notas, repita-se, guardam PERFEITA SINCRONIA TEMPORAL com a investigação ...

Mas não fora só isso !

XLII -

No início do ano de 2005, Márcio Aith, editor-executivo da revista Veja, mencionara expressamente o nome do querelante em reportagem chamada “O Dia da Caça”. Na matéria, citara um e-mail de cuja autoria fora atribuída ao querelante e, no mesmo texto, assegurara que a própria polícia federal teria sua autoria como incerta.

XLIII -

Tudo culminara com a reportagem veiculada na edição no 1905 (ano 38 – no 20), de 18/5/2005, da revista Veja, intitulada “A USINA DE ESPIONAGEM DA KROLL”, em que no subtítulo “Reportagens Sob Suspeita”, fizeram-se as seguintes alusões à pessoa do querelante:

O relatório da Polícia Federal, obtido por VEJA, descreve como a Kroll teria feito uso da imprensa para conseguir a publicação de reportagens de seu interesse e de pelo menos um de seus clientes – a Brasil Telecom, de Daniel Dantas. Por meio de escuta autorizada judicialmente, a PF flagrou o espião português Tiago Verdial, que prestava serviços para a Kroll, vangloriando-se de ter conseguido publicar, na revista Istoé Dinheiro, da Editora Três, uma matéria favorável à empresa de investigação. Em diálogo travado com a mãe, Anne Marie, Verdial diz ter sido “responsável” pela produção de uma matéria de capa na mesma revista sobre a falência da companhia italiana Parmalat. Intitulada “O Diário Secreto da Parmalat”, a reportagem, publicada em maio do ano passado, descreve as ligações da empresa de laticínios com a Telecom Itália, adversária de Dantas no setor de telefonia. “Matéria todinha feita pela gente. Saiu na capa da Istoé Dinheiro”, diz Verdial. O relatório da Polícia Federal lista ainda outras três reportagens publicadas pela Istoé Dinheiro, sempre com um tom favorável a Dantas e à Kroll, de acordo com a PF. Diz um dos trechos do documento: “Da mesma maneira, coincidência ou não, logo após a prisão de Tiago Verdial, IstoÉ Dinheiro em reportagem noticiada na capa, divulgou outra matéria e uma entrevista realizada com Jules Kroll, criador da agência Kroll, o qual dá sua versão sobre os fatos, apontando contradições no então chamado caso Kroll”, descreve o relatório. A Polícia Federal também chama atenção para o fato de que “o autor de todas as citadas matérias, dentre outras com mesmo direcionamento, é Leonardo Attuch, jornalista da IstoÉ Dinheiro”. E completa: “Há indícios de que Leonardo Attuch favorecia a quadrilha investigada no procedimento criminal, elaborando matérias que vão ao encontro dos interesses da organização criminosa”. Attuch afirma que nenhuma de suas reportagens foi contestada por quaisquer das partes envolvidas e que um pedido de quebra de sigilo telefônico, feito pela PF à Justiça, foi negado sob a justificativa de que não existiam indícios de crime contra ele.

Revista Consultor Jurídico, 11 de outubro de 2006, 21h02

Comentários de leitores

7 comentários

Engraçado. Quando a Veja, no começo do Governo...

www.professormanuel.blogspot.com (Bacharel)

Engraçado. Quando a Veja, no começo do Governo, elogiava o desempenho de Lula, os lulistas estavam felizes e eu querendo cancelar minha assinatura...

Ôps, "pertence" com cedilha é apenas mais um er...

Richard Smith (Consultor)

Ôps, "pertence" com cedilha é apenas mais um erro de digitação, queiram desculpar-me.

Discordo! Para a queima dos heréticos e, prin...

Richard Smith (Consultor)

Discordo! Para a queima dos heréticos e, principalmente do Excomungado, há que se utilizar o melhor combustível possível a fim de que se alcançe o fim pretendido com eficácia e sem tardança.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.