Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vítimas do desmoronamento

STJ bloqueia bens da Sersan, construtora do edifício Palace II

A Sersan — Sociedade de Terraplenagem Construção Civil e Agropecuária, empresa responsável pela construção do edifício Palace II, do Rio de Janeiro, está proibida de vender qualquer um de seus bens imóveis ou móveis. O objetivo da medida é garantir que a empresa conserve fundos para indenizar as vítimas do desmoronamento do prédio.

A decisão é da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que confirmou a posição adotada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. A Turma seguiu o voto do relator, ministro Aldir Passarinho Junior.

A questão chegou ao STJ em um pedido de Mandado de Segurança apresentado pela defesa da construtora. Na apelação, os advogados consideraram “teratológica” a decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que tornou os bens indisponíveis.

A defesa afirmou que foram feridos o direito de defesa e o princípio do contraditório durante o curso da Ação Civil Pública e reclamou do excesso na ordem que, para a defesa, impõe “medida desnecessariamente gravosa”.

O relator, ministro Aldir Passarinho Junior, não identificou qualquer monstruosidade ou teratologia na decisão do tribunal, “senão questões jurídicas decididas desfavoravelmente aos recorrentes, perfeitamente enfrentáveis pelo meio adequado”.

Para o ministro, o meio jurídico apropriado para contestar tal decisão seria a Medida Cautelar, porque a matéria pede o reexame dos fatos, “o que não tem espaço na órbita restrita do Mandado de Segurança”, explicou.

O Palace II desabou em fevereiro de 1998, provocando a morte de oito pessoas e deixando várias desabrigadas. Os bens do deputado Sérgio Naya, dono das construtoras Sersan e Matersan, já foram bloqueados pela Justiça do Rio para garantir o pagamento das indenizações. Várias vítimas conseguiram receber o dinheiro. Outras, no entanto, ainda aguardam a venda de imóveis do ex-deputado.

RMS 11.489

Visite o blog Consultor Jurídico nas Eleições 2006.

Revista Consultor Jurídico, 4 de outubro de 2006, 17h30

Comentários de leitores

2 comentários

O que o judiciário tem feito ( desde o ínicio )...

A.G. Moreira (Consultor)

O que o judiciário tem feito ( desde o ínicio ) com o Sr. Sérgio Naya ( SERSAN ) , é o sufuciente, para não se acreditar na justiça do Brasil .

O que o judiciário tem feito ( desde o ínicio )...

A.G. Moreira (Consultor)

O que o judiciário tem feito ( desde o ínicio ) com o Sr. Sérgio Naya ( SERSAN ) , é o sufuciente, para não se acreditar na justiça do Brasil .

Comentários encerrados em 12/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.