Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

No meio dos advogados

Alckmin confirma debate com OAB; Lula ainda não respondeu

O candidato a presidente da República Geraldo Alckmin aceitou o convite do presidente nacional da OAB, Roberto Busato, para participar de um debate no Conselho Federal da entidade. O evento será na sede da OAB Nacional, em Brasília, no próximo dia 17, às 15h.

O mesmo convite foi formulado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tentará a reeleição, mas até o momento não houve resposta. O segundo turno da eleição presidencial acontecerá no próximo dia 29.

O presidente Lula não participou de nenhum debate promovido pelas redes de televisão, antes do primeiro turno das eleições 2006. No último programa, feito no Rio de Janeiro, pela Rede Globo, a emissora foi avisada pelo Palácio do Planalto, pouco mais de três horas antes do início do debate, de que o presidente não compareceria. Lula preferiu participar do seu último comício em São Bernardo do Campo.

Os três candidatos presentes Geraldo Alckmin (PSDB), Heloísa Helena (PSOL) e Cristovam Buarque (PDT) criticaram a ausência do presidente.

Palavra da OAB

Roberto Busato considerou que o fato de a população ter se dividido entre duas candidaturas e levado a eleição presidencial para segundo turno é sinal que o debate precisa ser aprofundado. A entidade ainda divulgou nota afirmando que o possível debate entre os dois candidatos, servirá para expor as idéias e compromissos de Lula e Alckmin.

Leia a nota

"A cidadania brasileira está de parabéns. O resultado parcial das eleições de 1º de outubro, estabelecendo segundo turno na disputa para a Presidência da República, mostrou-se, acima de tudo, fator de tranqüilidade social, permitindo que o país amadureça sua opção e avalie com critério e sem paixões programa e perfil dos candidatos e respectivos partidos e alianças.

Eleição não é guerra, nem instrumento de divisão da sociedade - e muito menos pretexto para acirrar luta de classes. Pelo contrário, é oportunidade de fortalecimento das instituições democráticas, de reavaliação de rumos, renovação de lideranças e de propostas.

Para que dela se tire melhor proveito, é preciso que se realize em ambiente de serenidade, espírito cívico e reflexão.

Quando o país se mostra dividido entre duas candidaturas, é sinal de que o debate precisa ser aprofundado, para que haja mais nitidez em torno de cada proposta e de cada conduta.

Com o objetivo de colaborar nesse processo, o Conselho Federal da OAB - tribuna histórica da sociedade civil - convidou os dois candidatos para que, separadamente, compareçam perante seu plenário, em Brasília, para que exponham e debatam suas idéias e compromissos fundamentais.

O Conselho Federal da OAB espera dos candidatos - expoentes da política brasileira - que renovem compromisso com a elevação das práticas públicas, a reforma política, o primado da ética e da compostura e, sobretudo, com a paz social."

Visite o blog Consultor Jurídico nas Eleições 2006.


Revista Consultor Jurídico, 2 de outubro de 2006, 17h42

Comentários de leitores

3 comentários

Roberto Busato criticou o presidente porque tev...

Victor (Estudante de Direito - Criminal)

Roberto Busato criticou o presidente porque teve motivos, assim como a população brasileira também tem. Ficou indignado, revoltado, falou em impedimento. Não podemos subtrair-lhe a razão. Ele está certo, e defender a sanção cabível contra o presidente não é, definitivamente, apoiar o Alckmin, mesmo porque não é apenas ele que quer isso, e sim todos os outros ex-candidatos que concorriam ao pleito.

Ademais, em que condição a OAB estaria promoven...

sousa (Economista)

Ademais, em que condição a OAB estaria promovendo este debate? Qual o seu objetivo? Esta instituição não deveria estar voltada para os interesses de sua categoria? E os concursos para admissão aos seus quadros, visto que se mantêm através de tributos. E as prestações de contas ao TCU? Esta convocação para o debate tem mais cheiro de postura intimidatoria, do tipo “mais tarde nos lhes poderemos ser útil – nossa representação no congresso e bastante significativa”. E assim se fortalecerem mais corporativamente. Se o Geraldo Alckmin comparecer para esta panacéia ficará queimado para com as outras categorias de classe que não tem o status da agremiação de advogados. Sousa

A programação de debate com os dois candidatos ...

orpag (Advogado Autônomo)

A programação de debate com os dois candidatos à Presidência da República, no segundo turno das eleições, proposta pelo Conselho Federal da OAB, fica prejudicada na arrancada e perde credibilidade. Motivo: as inúmeras entrevistas do seu presidente, Roberto Busato, que mais pareciam propaganda do candidato Alckmin. Falar inúmeras vezes em impeachment, em cassação, em assistencialismo durante a campanha eleitoral do primeiro turno, deixou claro de que lado está o presidente da OAB. No entanto, embora represente oficialmente a entidade, não representa obrigatoriamente a todas as idéias dos integrantes das subseções estaduais. Quer dizer, ele não pode falar o que quiser pensando que está falando por todos. Principalmente quando vimos na campanha eleitoral sua parcialidade e ausência de neutralidade entre os dois principais candidatos. Se for para cassar, para aplicar o impeachment, não pode um presidente de entidade como é o Conselho Federal da OAB, ficar lançando farpas e apregoando a todo o momento que o Presidente Lula pode ser cassado, pode vir a sofrer processo de impeachment. Isto ajuda e ajudou a criar instabilidades para o Brasil. Fica parecendo aquele ditado popular que diz que cachorro que muito late não morde. As atitudes demonstradas pelo presidente do Conselho Federal da OAB, em minha opinião, deixaram a desejar com seu comportamento parcial durante a campanha eleitoral do primeiro turno. Orlando Pagnussatti, advogado, satti@brturbo.com.br

Comentários encerrados em 10/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.