Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime e castigo

Hildebrando Pascoal é condenado a 18 anos de prisão

O deputado federal cassado Hildebrando Pascoal foi condenado a 18 anos e seis meses de prisão pelo assassinato de Sebastião Crispim da Silva, ocorrido em setembro de 1997, no Acre. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (29/11) pela Justiça Federal no Distrito Federal.

Os procuradores da República José Robalinho Cavalcanti, Gustavo Pessanha Velloso e Vladimir Aras irão recorrer junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região para pedir o aumento da pena.

O juiz federal José Airton de Aguiar Portela, da 12ª Vara Criminal, impôs condenação de 17 anos pelo crime de homicídio triplamente qualificado e um ano e meio por impedir, através de violência, o regular funcionamento da Comissão do Conselho de Defesa da Pessoa Humana (CDDPH). O júri popular acatou integralmente as teses da acusação e considerou Hildebrando o mandante do crime.

A vítima, Sebastião Crispim, que fazia parte do bando de Hildebrando, procurou as autoridades acreanas e iria depor à CDDPH, do Ministério da Justiça. Crispim passaria informações sobre os crimes cometidos pelo chamado Esquadrão da Morte, especificamente sobre o assassinato de Agilson Firmino dos Santos, o Baiano, e de Wilder Firmino, seu filho adolescente, ambos mortos por Hildebrando.

Outras seis pessoas do grupo de Hildebrando já foram condenadas pela Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 29 de novembro de 2006, 21h49

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.