Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Regime de trabalho

Justiça comum julga horas extras em ação contra município

A Justiça comum estadual é competente para julgar ação contra exclusão de horas extras incorporadas aos vencimentos de servidor. O entendimento é do ministro Arnaldo Esteves Lima, do Superior Tribunal de Justiça, que declarou ser de competência do Tribunal de Justiça de São Paulo julgar o Mandado de Segurança ajuizado pela servidora Maria Isabel Linhares Arcângelo contra ato do prefeito do município de Presidente Venceslau, São Paulo.

O pedido inicial foi encaminhado à Justiça comum. Em primeira instância, o pedido da servidora foi rejeitado. Em apelação, o Tribunal de Justiça declarou a incompetência absoluta da Justiça comum para processar e julgar a ação. O fundamento foi o de que as horas extras pleiteadas remontam à vigência do regime celetista.

Remetidos os autos à Justiça do Trabalho, foi suscitado o conflito de competência. O argumento foi o de que o ato impugnado ocorreu na vigência do regime estatutário.

O relator destacou que o ato questionado não envolve matéria trabalhista. Segundo o ele, não obstante a incorporação das horas extras tenha ocorrido na vigência do regime celetista, o direito à sua manutenção foi garantido pela Lei Complementar 1/92 (artigo 18, VI), que instituiu o regime jurídico único dos servidores públicos municipais.

“Destarte, deve ser aplicada a regra geral segundo a qual, em Mandado de Segurança, a competência, tanto do foro como do juízo, é fixada conforme a hierarquia da autoridade legitimada a praticar a conduta, comissiva ou omissiva, que possa resultar em lesão ao direito subjetivo da parte. Assim, tratando-se de impugnação a ato de prefeito municipal que suprimiu as horas extras dos vencimentos da impetrante, é competente a justiça comum estadual”, afirmou o ministro.

Superior Tribunal de Justiça

Leia integra da decisão

CONFLITO DE COMPETÊNCIA 65.595 - SP (2006/0142991-3)

RELATOR: MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA

AUTOR: MARIA ISABEL LINHARES ARCÂNGELO

ADVOGADO: BRUNO THIAGO L ARCÂNGELO E OUTRO

RÉU: PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE VENCESLAU

ADVOGADO: ANTÔNIO CARLOS RODRIGUES DE CARVALHO

SUSCITANTE: JUÍZO DA VARA DO TRABALHO DE PRESIDENTE

VENCESLAU, SÃO PAULO

SUSCITADO: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

DECISÃO

Trata-se de conflito negativo de competência instaurado entre o Juízo da Vara do Trabalho de Presidente Venceslau/SP, ora suscitante, e o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, ora suscitado, com fundamento no art. 105, I, "d", da Constituição Federal.

O presente conflito versa sobre a competência para processar e julgar mandado de segurança impetrado contra ato do Prefeito do Município de Presidente Venceslau/PS, consistente na exclusão de horas extras incorporadas aos vencimentos da impetrante.

O pedido inicial foi encaminhado à Justiça comum, que, em primeira instância, denegou a ordem pleiteada. Em apelação, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo declarou a incompetência absoluta da Justiça comum estadual para processar e julgar o feito, ao argumento de que as horas extras pleiteadas remontam à vigência do regime celetista (fls. 507/511).

Remetidos os autos à Justiça do Trabalho, foi suscitado o presente conflito de competência, sustentando-se que o ato impugnado foi praticado na vigência do regime estatutário (fls. 637/643).

O Ministério Público Federal, às fls. 650/652, opina pela competência da Justiça comum estadual.

É o relatório.

Com o advento da Emenda Constitucional nº 45, que alterou o art. 114 da Constituição da República, a Justiça do Trabalho passou a ser competente para apreciar Mandado de Segurança quando o ato questionado envolver matéria sujeita à sua jurisdição,

conforme segue:

Art. 114. Compete à Justiça do Trabalho processar e julgar: IV os mandados de segurança, habeas corpus e habeas data, quando o ato questionado envolver matéria sujeita à sua jurisdição.

Referida norma deve ser aplicada de imediato, tendo em vista o seu cunho eminentemente processual, aproveitados os atos anteriormente praticados, segundo o princípio de direito intertemporal tempus regit actum, que norteia a aplicação das regras processuais. No caso presente, todavia, o ato questionado não envolve matéria trabalhista.

Com efeito, não obstante a incorporação das horas extras tenha ocorrido na vigência do regime celetista, o direito à sua manutenção foi garantido pela LC 1/92 (art. 18, VI), que instituiu o regime jurídico único dos servidores públicos municipais.

Destarte, deve ser aplicada a regra geral segundo a qual, em mandado de segurança, a competência, tanto do foro como do juízo, é fixada conforme a hierarquia da autoridade

Documento: 2735402 - Despacho — Decisão — Site certificado: DJ:

17/11/2006 Página 1 de 2. Superior Tribunal de Justiça legitimada a praticar a conduta, comissiva ou omissiva, que possa resultar em lesão ao direito subjetivo da parte.

Assim, tratando-se de impugnação a ato de Prefeito Municipal que suprimiu as horas extras dos vencimentos da impetrante, é competente a Justiça comum estadual.

Ressalta-se, por fim, que o Supremo Tribunal Federal, por meio de seu Plenário, referendou, em 5/4/2006, decisão do Ministro Nelson Jobim, que, no julgamento de Medida Cautelar em Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 3.395, concedeu liminar ad referendum ,

suspendendo toda e qualquer interpretação dada ao art. 114, I, da Constituição Federal, na redação dada pela Emenda Constitucional 45/2004, que inclua na competência da Justiça do Trabalho a apreciação de causas que sejam instauradas entre o Poder Público e seus servidores, a ele vinculados por típica relação de ordem estatutária ou de caráter jurídico-administrativo (DJ 4/2/2005).

Ante o exposto, com fundamento no art. 120, parágrafo único, do Código de Processo Civil, conheço do conflito para declarar competente o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o suscitado.

Intimem-se.

Comunique-se.

Cientifique-se o Ministério Público Federal e, após, encaminhem-se os autos ao Juízo competente.

MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA

Relator

Revista Consultor Jurídico, 24 de novembro de 2006, 13h27

Comentários de leitores

1 comentário

Passei em 1 lugar no concurso publico nesta pre...

wan (Outros)

Passei em 1 lugar no concurso publico nesta prefeitura ahá 2,5 anos. O concurso foi prorrogado por mais 2 anos.Tem uma profissional da minha área, contratada por uma associação ligada à prefeitura, trabalhando atualmente, mas eles alegam que o trabalho dela é burocrático. Conversei pessoalmente com o administrador da prefeitura e ele me pediu um pouco mais de calma, pois eles estariam fazendo reunião para decidir quais os próximos profissionais chamariam. O interessante é que para o meu cargo, só havia uma vaga, eu passei em primeiro lugar...acredito que o salario desta categoria (Nutricionista) deveria estar fazendo parte do orçamento. Gostaria que vocês comentassem sobre esta situação. Posso solicitar ao ministério público que faça uma representação??? grata, Wânia

Comentários encerrados em 02/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.