Consultor Jurídico

Comentários de leitores

12 comentários

Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Du...

Lally (Advogado Autônomo)

Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 Dursoé12 www.dursodenovooabsp.com.br

Eduardo Elias, professor universitário e crimin...

Eduardo Elias (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

Eduardo Elias, professor universitário e criminalista: Se as Corregedorias destas instituições não fossem corporativistas, agindo como os tribunais devem agir; se as Corregedorias não se postassem de forma autoritária, simplesmente ignorando os reclamos que espolcam aqui e acolá; se os membros de tais instituições ATENDESSEM às citações para suas defesas nos procedimentos da OAB, com a prepotência de quem simplesmente IGNORA e NÃO QUER DAR A MÍNIMA, não se teria esta idéia, errada, de exceção. Exceção seria se não fosse dada a oportunidade de defesa e palavra. Esta é dada mas é ignorada, pois estes se sentem mais reais do que o próprio rei, ignorando os chamados e minimizando o instrumento de desagravo. É simples entender: não atenderam, guarda similitude com a revelia e/ou preclusão. Seria o mesmo, a seguir esta desculpinha, que alguém revel entender que viesse édito contrário como Tribunal de Exceção. Chega a ser patético. Que guardassem o dever do respeito aos advogados, na mesma forma que exigem para si.

A OABnunca este tão certa e em seu estado norma...

Fábio Manzano (Advogado Autônomo - Família)

A OABnunca este tão certa e em seu estado normal de sanidade, pois, há tempo que defendo que a OAB tinha que tomar uma posicão dura como essa, pois, a Magistratura e o Parquet terão que entender que ou nos trata com o devido respeito ou terá o nome de seus membros em outras listas. Fico feliz de ter um presidente da OAB que bate no peito, arregaca as mangas e defende a nossa Classe, aliás, como nunca antes feito por nenhum dos preseidente anteriores, hoje, me sinto forte e respeitado ao entrar numa sala de Audiência, pois HOJE SOMOS RESPEITADOS E "RESPEITO É BOM E EU GOSTO"

A Lei que implementou o Estatuto dos Advogados ...

Émerson Fernandes de Carvalho (Advogado Sócio de Escritório)

A Lei que implementou o Estatuto dos Advogados é clara no dever de se dar publicidade aos atos de desagravo as ofenças às prerrogativas dos Advogados. E aqueles que dessa forma agem sempre se confiaram na sombra do anonimato, para perpetrar os seus atos. A decisão da OAB/SP é corajosa e deve contar com amplo apoio da categoria e da sociedade, pois, "sem advogado não há Justiça; e sem Justiça não há Democracia"

Caros Senhores, Inegável a existência dos ex...

glauco (Advogado Autônomo - Criminal)

Caros Senhores, Inegável a existência dos exageros perpetrados aos advogados, contudo, o DESAGRAVO é o instrumento da classe destinado a proteger nossas prerrogativas. Longe de ser uma lista de inimigos!!! Se atos dessa natureza são praticados na sua maioria pelos Srs.Magistrados, algo realmente deve estar fora dos eixos.

Bem como devo ser um dos futuros figurantes des...

Ricardo Lou (Serventuário)

Bem como devo ser um dos futuros figurantes desta malgrada lista, acho que vou poder me utilizar do serviço jurídico da APAMAGIS. Todos têm direitos, mas todos também se esquecem que têm deveres. E se cada um soubesse exatamente suas obrigações e direitos, oxalá, o mundo seria menos agressivo.

A causa perde força quando o meio de protesto ...

Armando do Prado (Professor)

A causa perde força quando o meio de protesto usa a intolerância como arma para atingir os arrogantes e atrevidos. Imagino se promotores, delegados e juízes fizerem o mesmo em relação aos advogados, o mundo desabará.

Senhores Subscritores do Manifesto contra a OAB...

Edson Luiz Silvestrin Filho (Advogado Autônomo - Criminal)

Senhores Subscritores do Manifesto contra a OAB: Por favor, prestem bem atenção: 1 - Quem falou em lista de inimigos não foia OAB e sim o próprio site Conjur, numa infeliz (mais uma) idéia da jornalista; 2 - O Estatuto da OAB impõe quando concedido o desagravo a sua publicação no Diário Oficial e em jornal de grande circulaçãp; 3 - Dos milhares de juizes, promotores e delgados de polícia, apenas alguns poucos foram alcançados pelo desagravo, demonstrando que em todas as instituiçõpes sempre poucos devem ser advertidos; 4 - Não há briga entre instituições; 5 - Leiam o artigo do corajoso e competente Dr. Mário de Oliveira Filço publicado neste site

Parabéns à OAB/SP pela iniciativa altaneira, re...

Sebastião Clemente de Rezende (Advogado Autônomo)

Parabéns à OAB/SP pela iniciativa altaneira, republicana, independente, corajosa e justa em defesa dos inscritos que nada mais fazem do que cumprir seu dever em seu nobre trabalho na defesa do cliente, quando, então, por vezes são desrespeitados em seus direitos e prerrogativas por, exatamente, aqueles que mais tinham o dever de conhece-los e reconhece-los. FORÇA OAB/SP!!!!!!!!!! Espero que a nossa AOB/RJ parta, também, para a iniciativa dos nobres colegas paulistas, sempre que houver uma injustiça que deva ser coibida e denunciada.

Reitero minha opinião de ontem: "As corregedor...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

Reitero minha opinião de ontem: "As corregedorias internas desses órgãos que hoje se defendem, arquivam, em sua maioria, as denúncias da OAB/SP, sem ao menos fornecer cóia da decisão. O procedimento adotado pela OAB é absolutamente legal e transparente. A medida de desagravo público nunca foi contestada. Somente agora com a coragem dos homens, soldados dessa Seccional, as associações de classe começaram a se manifestar. Incrível mesmo é sentir que há evidente mudança de comportamento na conduta das autoridades públicas com relação à advocacia.Mudança no respeito. Parabéns pelo resgate do respeito à dignidade da classe, fruto da luta diária de milhares de advogados paulistas." Em outras palavras, essas associações de classe deveriam tomar providências, também, atinentes a arquivamento de representações, tudo em sigilo, abridondo-se as portas À POPULAÇÃO, com a mesma transparência que nossa OAB/SP tem demonstrado. PARABÉNS OAB/SP, NÃO SE DEIXE INTIMIDAR. FORÇA OAB NACIONAL. CORAGEM ! UNIDOS, SOMOS 500.000 ADVOGADOS, VENCEREMOS A PREPOTÊNCIA, A ARROGÂNCIA E DESPERZO DE ALGUMAS AUTORIDADES PÚBLICAS. A ADVOCACIA É ESSENCIAL À JUSTIÇA. NOSSA CARTEIRA ROSA SE FARÁ VALER NAS CORTES E FORA DELA. CHEGA DE ABUSO ! Otavio Augusto Rossi Vieira, 39 advogado criminal em São Paulo.

Vão sofrer a vergonha de perder a ação e o inco...

João Bosco Ferrara (Outros)

Vão sofrer a vergonha de perder a ação e o inconformismo passará a humilhação.

Parabéns a Ordem dos Advogados do Brasil Secção...

Cícero José da Silva (Advogado Autônomo - Criminal)

Parabéns a Ordem dos Advogados do Brasil Secção São Paulo pela criação do tão atacado cadastro dos que violam as prerrogativas. Aliás, os esclarecimentos prestados pela Secção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil, são dispensáveis, pois todos aqueles que no mínimo fizeram uma simples leitura da Lei 8.906/94, que, diga-se de passagem, é realmente uma lei federal, e não simples portarias como as que são criadas diuturnamente para dificultar o exercício da advocacia, são sabedores de que a elaboração, e a divulgação do aludido cadastro não possui nenhuma ilegalidade. No tocante às possíveis ações que porventura venham a ser propostas, faz parte do risco de uma entidade que tem o dever de agir em defesa da classe dos advogados e não pecar por omissão, pois o que não se pode admitir é o desrespeito às prerrogativas, sem que ninguém tente fazer absolutamente nada. Cabe ressaltar que o sonho de quem viola as prerrogativas, não é apenas a propositura de ações perante o judiciário, mas sim a destruição, a eliminação da Ordem dos Advogados do Brasil, que tem sido ao longo de sua história uma verdadeira pedra no sapato dos que desrespeitam não os direitos dos advogados, mas os de seus constituintes, como ocorreu durante o regime de exceção que se instalou em nosso País no ano de 1964. Sonha também o que viola as prerrogativas, que não mais existam advogados, para lutar pelo direito da mais ampla defesa, e que tudo passe a ser resolvido sem a figura daquele que o incomoda, exigindo que a lei seja cumprida, pois afinal de constas do alto de sua arrogância imagina que por estar na condição de autoridade não deva admitir a existência de lei alguma. No mais, acreditar que haveria um corporativismo por parte do Poder Judiciário, que pelo fato de alguns de seus integrantes terem seus nomes no cadastro dos que violam as prerrogativas dos advogados, e conseqüentemente ocorreriam punições contra a OAB e toda a advocacia, é admitir a falência do estado democrático de direito e das instituições, e nesse caso somente nos restaria uma saída, ou seja, o aeroporto internacional mais próximo, não para se desfrutar de uma simples viagem, mas sim, para procurar o asilo político até mesmo em algum País que esteja em guerra. Com relação às inúmeras manifestações contra a lista dos que violam as prerrogativas, dentro do espírito democrático, ouso discordar do posicionamento dos ilustres leitores da revista Consultor Jurídico, e aproveito a oportunidade para convidá-los a acompanharem as atividades diárias dos advogados, para que possam constatar o total desrespeito as prerrogativas profissionais que, diga-se de passagem, não são dos advogados, mas sim, daqueles que precisam de um defensor com o mínimo de amparo legal. A cada dia o advogado passa a ser desrespeitado, humilhado em quase todas as repartições públicas, e somente é tratado com respeito quando alguém por qualquer motivo necessita dos seus serviços. No dia 07/11/2006, ao sair de uma audiência de uma vara criminal do Fórum Mário Guimarães, uma colega totalmente constrangida, passou a relatar que foi ofendida por uma promotora de justiça, que além das suas atribuições como fiscal da lei, acredita também possuir o poder de fiscalizar o posicionamento de todos dentro da sala de audiências, e por julgar que a advogada estaria sentada no local que não lhe era destinado, aos berros passou a exigir que a mesma mudasse de lugar. Também foi possível constatar o constrangimento de uma outra advogada, que simplesmente por ter dirigido um cumprimento de “boa tarde” a seu cliente que chegava algemado e devidamente escoltado, foi admoestada de forma grosseira por um escrevente que do alto de sua arrogância se julga pertencer a uma classe superior. Está claro e cristalino, que aqueles que desrespeitam as prerrogativas acabam sendo agraciados com promoções, pois infelizmente não existe uma lei que trate tão grave ato como crime, e os políticos, muitos dos quais oriundos da advocacia, a exemplo de alguns causídicos que quando se tornam servidores públicos nada fazem em defesa de seus antigos colegas. Tornou-se comum, até mesmo àqueles que estão devidamente inscritos nos quadros da OAB, mas por ostentarem um título qualquer no funcionalismo público, passarem a desrespeitar seus antigos colegas. A destruição da nobre classe iniciou-se com a proliferação das faculdades de direito, e com certeza o tiro de misericórdia está acontecendo a cada dia com o desrespeito as prerrogativas dos advogados. Finalizando, cabe uma simples indagação, se um advogado ostentar alguma condenação, ou até mesmo um simples registro nos arquivos policiais, por ter cometido o delito de desacato, mesmo que no exercício da profissão, em sendo aprovado em concurso público para pertencer aos quadros da Magistratura, Ministério Público, ou até mesmo da Polícia, poderá tomar posse? Acredito que não, pois sua conduta não seria compatível com os interesses das classes acima mencionadas. Então com toda a razão a OAB não pode permitir que aquele que desrespeitou as nossas prerrogativas, venha um dia pertencer aos nossos quadros, não para nos chamar de colegas, mas sim para ostentar em seus cartões e anúncios, que exerceu cargos de grande importância no serviço público, pois pela advocacia nunca teve respeito, porque o que importa para essas pessoas é o título que ostentou, e a carteira de advogado é um mero e necessário documento, que o credencia a advogar e nada mais.

Comentar

Comentários encerrados em 19/11/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.