Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nepotismo pré-nupcial

Servidora que casou com juiz do TRT não pode ficar no cargo

A servidora comissionada Maria José Dourado Dantas, do Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região (Maranhão), não pode retornar ao trabalho do qual foi afastada por prática de nepotismo. Nesta segunda-feira (6/11), o ministro Gilmar Mendes negou liminar pedida no Mandado de Segurança impetrado pela servidora no Supremo Tribunal Federal.

De acordo com os autos, a servidora foi nomeada pelo presidente do TRT maranhense três dias antes de se casar com ela. O Conselho Nacional de Justiça considerou que, “embora a relação de noivado não seja propriamente de parentesco, a nomeação da noiva para exercer cargo em comissão, por indicação do juiz nubente, mostra-se equivalente ao exercício do cargo por parente”, configurando-se como nepotismo, vedada pela Resolução 7/05 do conselho. A exoneração foi determinada por decisão administrativa do CNJ.

No Supremo, a defesa da servidora alega que a situação não se configura como nepotismo, pois Maria José já ocupava cargo em comissão antes de seu casamento com juiz do TRT. Além disso, ela alega que mantinha vínculo com a administração pública, já que sua aposentadoria foi considerada ilegal pelo Tribunal de Contas da União. Assim, de acordo com a advogada de servidora, a situação de Maria José está configurada na exceção prevista pelo Enunciado Administrativo 1/06, do CNJ, e pelo artigo 10 da Lei 9.421/96.

Os argumentos não foram acolhidos pelo ministro Gilmar Mendes. Para ele, está configurado o disposto na letra “c” do artigo 2º, da Resolução 7/05 do CNJ. Essa norma prevê exceções à configuração de nepotismo, mas somente se ocorrer “situação que não caracterize ajuste prévio para burlar a proibição geral de prática de nepotismo”. O ministro entendeu que a decisão do CNJ de que o noivado, mesmo não se caracterizando como parentesco, constituir proibição à nomeação para cargo comissionado, “conferiria maior efetividade aos princípios da impessoalidade e da moralidade” à Resolução 7/05 do CNJ.

MS 26.215

Saiba como buscar eficiência e rentabilidade para seu escritório no Seminário Os Rumos da Advocacia para 2007.

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

6 comentários

O nobre ministro, não deveria estar em seus mel...

Wanderley Gonçalves Carneiro (Advogado Autônomo)

O nobre ministro, não deveria estar em seus melhores dias. ora! se a nubente já era funcionária, não importa a categoria e se casa, obviamente não há nepotismo. Nepotismo nas verdadeira expressão do texto, é quando a autoridade assume o cargo e começa a nomear parentes, de forma indiscriminada. É isso ai. " data vênia".

que bobagem! isso leva a relações informais. e ...

Caos (Consultor)

que bobagem! isso leva a relações informais. e relações informais teriam mais direitos que relações formais. ou será que o namoro tambem será considerado nepotismo? que loucura!

Concordo plenamente com o Ministro. É hora de d...

Willson (Bacharel)

Concordo plenamente com o Ministro. É hora de dar um basta no "jeitinho brasileiro" Lei é lei, e vale para todos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/11/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.