Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Multa rescisória

Palmeiras é condenado a pagar R$ 1,4 milhão a jogador

O Palmeiras foi condenado a pagar R$ 1,4 milhão de multa rescisória para o volante Wendell Alves de Santana. A decisão é da 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (São Paulo). Cabe recurso.

O TRT paulista negou o recurso do Palmeiras. A relatora do caso, juíza Jane Granzoto Torres da Silva, considerou que a Lei Pelé estabelece a hipótese de rescisão do contrato de trabalho quando os salários não são pagos, inclusive liberando o atleta de qualquer vínculo com o clube.

“Embora o artigo 30, da Lei 9.615/98 [Lei Pelé] obrigue a formalização do contrato de trabalho do atleta profissional por prazo determinado, os princípios gerais informadores do Direito do Trabalho também se aplicam a referida modalidade especial, dentre eles o da continuidade do pacto laboral”, afirmou a juíza. A decisão do TRT paulista foi unânime.

Processo 021.09.2005.0280200-9

Saiba como buscar eficiência e rentabilidade para seu escritório no Seminário Os Rumos da Advocacia para 2007.

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2006, 14h01

Comentários de leitores

3 comentários

JB - MG. Tudo em nome desta maldita lei pelé, ...

JB (Outros)

JB - MG. Tudo em nome desta maldita lei pelé, este sujeito quando de sua passagem de Ministro dos esportes conseguiu abolir os jogadores e colocar os clubes no tronco, sintam-se os efeitos.

Concordo plenamente Allmirante. Salvo melhor ju...

Embira (Advogado Autônomo - Civil)

Concordo plenamente Allmirante. Salvo melhor juízo, as causas entre jogadores de futebol e seus clubes não deveriam ser decididas pela Justiça do Trabalho. Em primeiro lugar, os clubes são associações civis. Se fossem empresas comerciais, ainda faria sentido. O projeto da Lei Pelé foi escamoteado pela bancada da bola, no Congresso. O que se pratica nos clubes não é contratação trabalhista, mas, uma série de negócios simulados (muitas vezes, grandes negócios), negociatas e muita picaretagem. Os clubes servem de vitrine para realização de vendas de jogadores para clubes do exterior. Na hipótese de algum jogador, partícipe desses negócios, sentir-se prejudicado, deveria postular seus direitos na justiça comum.

Esta causa nada tem de trabalhista, mas sim de ...

allmirante (Advogado Autônomo)

Esta causa nada tem de trabalhista, mas sim de capitalista!!

Comentários encerrados em 15/11/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.