Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crise aérea

OAB do Rio defende demissão imediata de ministro da Defesa

O presidente da OAB do Rio de Janeiro, Octávio Gomes, defendeu nesta sexta-feira (1º/11) a imediata demissão do ministro da Defesa, Waldir Pires, por causa da crise enfrentada pelo transporte aéreo nacional na última semana.

“A crise do tráfego aéreo no Brasil tem se agravado a cada dia, com prejuízos incalculáveis a milhares de cidadãos, e o ministro da Defesa tem dado demonstração de absoluta incompetência para resolvê-la, razão pela qual a sociedade clama por sua substituição por alguém com aptidão para solucionar o problema”, disse o presidente da OAB fluminense.

Para Octávio Gomes, a greve dos controladores de tráfego aéreo no país, fato que tem provocado atrasos constantes em vôos nos principais aeroportos, é apenas mais um dado nessa crise que se iniciou com o acidente fatal da Gol.

Ele afirmou, ainda, que o governo precisa indicar para o Ministério da Defesa alguém que tenha condições de gerir a defesa nacional, mas também o transporte aéreo, responsável por milhares de passageiros entre as principais cidades brasileiras. “Precisa ser alguém que tenha atitude, que não fique em cima do muro, contemporizando, e resolva democraticamente a situação”.

“A greve branca dos controladores de vôos, para a qual o Ministério da Defesa parece não ter qualquer solução imediata, está extrapolando e o principal culpado é Waldir Pires, a quem está vinculado o Comando da Aeronáutica”.

Os controladores do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta 1), de Brasília, iniciaram a operação-padrão no dia 27de outubro, reduzindo o número de aeronaves vigiadas por controlador.

A categoria decidiu que não iria mais trabalhar acima de sua capacidade após a queda do avião da Gol em Mato Grosso, que resultou na morte dos 154 pessoas, em 29 de setembro, e no afastamento de oito controladores do Cindacta 1.

A operação-padrão também é uma reação da categoria à suspeita de que a conduta de um funcionário do Cindacta 1 teria contribuído para o acidente.

Revista Consultor Jurídico, 1 de novembro de 2006, 18h30

Comentários de leitores

16 comentários

Enquanto o controle aéreo for tratado como caso...

Lenita Naves (Procurador da Fazenda Nacional)

Enquanto o controle aéreo for tratado como caso de SEGURANÇA NACIONAL - resquicio da ditadura e o controle civil estiver sob controle dos militares e mais, se o Governo continuar a contingenciar verbas para esse setor vamor ficar à mercê dessa enorme confusão.Tráfego aéreo de aeronaves civiis é uma coisa, controle de espaço aéreo é outra. Infelizmente estão confundindo as duas, embora haja no Brasil várias instituições responsábeis, como ANAC, INFRAERO,CINDACTA,MINISTÉRIO DA DEFESA, etc..etc..o que gera maior confusão ainda. Melhor seria racionalizar o setor, diminuindo as entidades responsáveis, o que geraria economia, e separando o que civil do que é militar.

Sinseramente, isto é oportunismo político. Uma ...

Kaka (Consultor)

Sinseramente, isto é oportunismo político. Uma tentativa de linchamento do Ministro da justiça. Este problema é antigo e nada justifica esta ação coorporativa neste momento.

A imediata demisão do Ministro da Defesa é, sem...

Wanderley Gonçalves Carneiro (Advogado Autônomo)

A imediata demisão do Ministro da Defesa é, sem dúvida, salutar e saneadora. A OAB, está no caminho correto. Os controladores querem é fundar um sindicato, filiado ao PT, a fim de boicotar o controle do espaço aereo, colocando em risco concreto a sua segurança, em desprestigio para o Brasil no exterior. O controle deve continuar sendo feito por militares e disciplinados e para os indiciplinados, a cadeia, e expulsão das fileiras. o militar que deseja se filiar a sindicatos, ou partido político deve "pedir baixa" e procurar uma profissão civil, guiça, de ferramenteiro que pode um dia ser presidente da republica, mesmo sendo analfabeto.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/11/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.