Consultor Jurídico

Mãos de bisturi

Cirurgião plástico acusado de esquartejar paciente não obtém HC

O cirurgião plástico Farah Jorge Farah, acusado de matar e esquartejar sua paciente e ex-namorada Maria do Carmo Alves, vai continuar respondendo por fraude processual. O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido de Habeas Corpus para excluir o crime do processo a que o médico responde no 2º Tribunal do Júri de São Paulo.

Para a defesa, a imputação do crime de fraude processual é inaceitável “porque sua hipótese típica, ainda que se entenda serem completamente desvinculados o caput do artigo 347 do seu parágrafo único, obriga, para a formulação dessa imputação, a existência de substrato factual apto a gerar um juízo de probabilidade positiva quanto à intenção de causar efeito em processo, ou procedimento de qualquer natureza”.

A defesa pedia, em caráter liminar, que a Ação Penal fosse suspensa até o julgamento do mérito da questão do HC. Os advogados alegaram que a decisão da 5º Turma do Superior Tribunal de Justiça de imputar ao réu crime processual é ilegal.

Ao apreciar a liminar, o ministro Gilmar Mendes afirmou que o caso envolve análise aprimorada de elementos relacionados à prática de homicídio qualificado, conforme incisos I e IV, do parágrafo 2º do artigo 121 do Código Penal. Segundo o ministro, não há motivos para concessão da liminar, “tendo em vista a plausibilidade dos argumentos expendidos no ato decisório impugnado, assim como para conferir máxima efetividade ao principio constitucional que garante a competência e a soberania dos veredictos do Tribunal do Júri, conforme inciso XXXVIII, do artigo 5º da Constituição Federal”.

HC 88.733




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 29 de maio de 2006, 21h22

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/06/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.