Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Compromisso em dia

Governo paulista promete dar lista de civis mortos para o MP

O secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho, afirmou que vai fornecer a lista de civis mortos para o Ministério Público. A afirmação foi feita durante reunião com a OAB paulista.

A seccional pretendia também receber a lista, mas o pedido não foi aceito pelo secretário. Segundo o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D’Urso, Saulo disse que a divulgação da lista à OAB ficará a cargo do MP.

“A OAB-SP entende que a divulgação da lista seria útil ao estado e de interesse da cidadania. Contudo, diante da medida do Ministério Público estadual que deu prazo de 72 horas para receber a lista de mortos, o secretário diz que entregará a lista no prazo de três dias e caberá ao MP a decisão de divulgar ou não”, disse D’Urso. “A OAB-SP pretende fazer gestões junto ao MP para essa divulgação aconteça. A Comissão de Direitos Humanos acompanhará todos as investigações dela decorrentes.”

Na segunda-feira (22/5), o Ministério Público de São Paulo instaurou procedimento para apurar a eventual prática de abuso de poder cometido por policiais civis e militares entre os dias 13 e 18 de maio. Nesse período, a Polícia de São Paulo atuou na repressão da violência desencadeada por supostos membros da facção criminosa Primeiro Comando da Capital em todo o estado de São Paulo. Na ocasião, 97 civis morreram.

No procedimento, o MP paulista solicitou a cópia de Boletins de Ocorrência das mortes ocorridas entre os dias 13 a 19 de maio, no prazo máximo de 72 horas; lista de mortos no prazo de cinco dias, cópias das portarias de instauração de inquéritos policiais relativos aos fatos e cópia de todos os laudos periciais relativos às mortes ocorridas no período, no prazo de cinco dias.

Revista Consultor Jurídico, 23 de maio de 2006, 21h07

Comentários de leitores

1 comentário

Saldo parcial da "vingança" estatal: - Cente...

Comentarista (Outros)

Saldo parcial da "vingança" estatal: - Centenas de mortos (vários deles ainda não identificados); - Pelo que se sabe, NENHUM criminoso que praticou atentados contra a polícia foi morto ou preso; - Exemplo de um dos mortos: Um trabalhador (motorista de ônibus com carteira assinada), SEM ANTECEDENTE CRIMINAIS, que foi buscar sua noiva em um ponto de ônibus (morto com "apenas" seis tiros pelas costas); - Como o trabalhador acima, dezenas dos mortos NÃO POSSUIAM ANTECEDENTES CRIMINAIS (como se isso justificasse as execuções sumárias...); - E os honestos cidadãos que "clamaram" por vingança e pelas execuções sumárias? - Pois bem...muitos deles continuam sonegando seus impostos (com a desculpa de que são "mal empregados pelo governo"), corrompendo agentes públicos, "molhando a mão" de policiais para não ser multado, indo jantar na Daslu (ou sonhando com isso), etc, etc e tal; - É, literalmente, a vingança da "minoria branca", nas sábias palavras do Governador Cláudio Lembo (embora tardias...); - Talvez a vida do inocente civil morto seja menos valiosa que a do policial covardemente assassinado pelo criminoso; - Talvez a dor da mãe do policial morto seja maior (ou mais intensa) que a ador da mãe do motorista de ônibus que foi assassinado pelas costas sem saber o por quê; - Talvez a nossa polícia tenha apenas continuado a mirar no seu alvo preferido, ou seja, o povo...; - E os bandidos? - Ah!...O Marcola, após a implacável "ação" da polícia, dava entrevistas ao vivo - via celular - para emissoras de televisão...; - Isso tudo, obviamente, após "negociar" com o governo o final dos atentados e das rebeliões; De tudo isso, ao menos uma certeza podemos ter: Durante muito tempo, nós - brasileiros - ainda continuaremos sendo escarnecidos perante o resto do mundo civilizado (e tratados pior que os animais de estimação dos habitantes do dito "primeiro mundo", como de fato ocorre hoje...), pois todos sabem que cada povo tem o governo que merece.

Comentários encerrados em 31/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.