Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Filme antigo

Conheça o relatório da CPI do Sistema Prisional

Por 

Problemas e deficiências no sistema prisional postos a nu pelas rebeliões comandadas pela facção criminosa do Primeiro Comando da Capital são velhos conhecidos de quem cuida da segurança pública. A Comissão Parlamentar de Inquérito do Sistema Prisional concluiu em seu relatório final, datado de 1996, que o Sistema Prisional do estado de São Paulo "não cumpre, ou, no máximo, cumpre de forma extremamente precária, sua função explícita de reeducar o infrator que se encontra sob sua custódia."

O relatório afirma que "o sistema punitivo e repressivo expressa uma situação de descontrole por parte das autoridades responsáveis, seja a nível das Secretarias de Governo, seja a nível do Sistema Judiciário propiciando a perpetuação de uma lógica interna nos estabelecimentos, que penaliza tanto funcionários como presos, ainda que estes participem e reproduzam esta lógica desumana e violenta".

Há dez anos, parlamentares alertaram que "o sistema encontra-se com sinais claros de colapso. A superlotação carcerária já é cerca de 100% de sua capacidade e se espera uma entrada no sistema de mais de 100 mil novos detentos, o que inviabilizaria a média prazo toda ação prisional. Como agravante e com conseqüências diretas na qualidade do sistema e nas manifestações mais contundentes de sua crise, como no caso das rebeliões, a CPI constatou que o Estado descumpre constante e reiteradamente a lei, de forma direta ou através de seus representantes, funcionários, diretores, autoridades, juizes e outros."

Conheça a íntegra do decano relatório, que elencava inclusive os dispositivos legais e constitucionais mais violados no sistema penal paulista, e que ainda permanecem constantes da vida penitenciária dez anos depois.

RELATÓRIO FINAL DA COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO DO SISTEMA PRISIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

FALHAS DA POLÍTICA PENITENCIÁRIA DO ESTADO

Introdução

A CPI- Comissão Parlamentar de Inquérito do Sistema Prisional concluiu no relatório final em 1996, que "o Sistema Prisional do Estado de São Paulo, não cumpre, ou, no máximo, cumpre de forma extremamente precária, sua função explícita de reeducar o infrator que se encontra sob sua custódia."

A Comissão também chegou a definir que no sistema prevalece a lógica punitiva e não educativa com vistas a ressocialização dos presos, chamados por um eufemismo cruel de “reeducando”.

Outras conclusões elencadas no relatório final:

"O sistema punitivo e repressivo, expressa uma situação de descontrole por parte das autoridades responsáveis, seja a nível das Secretarias de Governo, seja a nível do Sistema Judiciário propiciando a perpetuação de uma lógica interna nos estabelecimentos, que penaliza tanto funcionários como presos, ainda que estes participem e reproduzam esta lógica desumana e violenta.

O sistema encontra-se com sinais claros de colapso. A superlotação carcerária já é cerca de 100% de sua capacidade e se espera uma entrada no sistema de mais de 100 mil novos detentos, o que inviabilizaria a média prazo toda ação prisional.

Como agravante e com conseqüências diretas na qualidade do sistema e nas manifestações mais contundentes de sua crise, como no caso das rebeliões, a CPI constatou que o Estado descumpre constante e reiteradamente a lei, de forma direta ou através de seus representantes, funcionários, diretores, autoridades, juizes e outros."

Foram elencados os dispositivos legais e constitucionais mais violados:

Artigo 5°, item III da Constituição Federal - “ Ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante.]

item XII - “ É inviolável o sigilo da correspondência”

item XL VIII - “ A pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a natureza do delito (...)”

item XLIX - “ É assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral”

item LXII - “A prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicadas imediatamente aos juiz competente e à família do preso ou à pessoa por ele indicada”.

Artigo 143 da Constituição do Estado de São Paulo dispõe: “ A legislação penitenciária estadual assegurará o respeito às regras mínimas da Organização das Nações Unidas para o tratamento de reclusos, a defesa técnica nas infrações disciplinares (...)”

Lei de Execução Penal , Lei n.º 7210 de 1984- descumprimento de vários artigos, entre eles o artigo 10 e 11, que trata de dever do Estado em prestar assistência ao preso “objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade”, sendo esta assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e religiosa. Descumpre também o artigo 80, parágrafo único alínea b, que determina o mínimo de espaço aceitável para que um preso sobreviva numa cela como sendo o de 12 m². Igualmente não é cumprido o artigo 66 , n° VII que estabelece que o Juiz Corregedor deve inspecionar mensalmente os estabelecimentos penais, assim como determina o mesmo para o Ministério Público.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 20 de maio de 2006, 22h52

Comentários de leitores

1 comentário

hoje estava pesquisando e encontrei esta materi...

sol (Funcionário público)

hoje estava pesquisando e encontrei esta materia, é de 2006, mas gostaria de informar que no sistema penitenciario não mudou muita coisa, gostaria de informar que a CPI deveria verificar que existe outros profissionais dentro de um estabalecimento penitenciario, ou seja, não são chamados nem ao menos pelos seus cargos e sim de apoio com jornada de trabalho exaustiva, são perseguidos por diretores e pior existem alguns agentes em desvio de função ocupando esses lugares que seria de oficiais, não fazendo o serviço com o mesmo empenho e o que pior ganhando um salario 3x maior que esse escriturario, que dependendo do setor que trabalho tem contado com preso c/ vista de preso e corre o mesmo risco, mas acho que somos invisiveis para o estado, tando que o quadro funcional nunca é preeenchido pq o salario é lastimavel, trabalhamos demais, sem nenhuma condição,e pior e pegar trem lotado e escutar que funcionario publico é corrupto e vagabundo, pois trabalho tanto e sou honesta, mas o que ofende mesmo e saber que muitos diretores de CDPs e presidios agem de forma desonrosa e permanece a fio em seus cargos( desegnados pois não são concursados para exercer tal função) deveria haver concurso da mesma forma que é para delegado em cada vez que volto de ferias me da um dezespero e o secretario da SAP e seus adjuntos permanecem em seus gabinetes como se tudo estive a mil maravilhas e enquanto isso nosso colegas condinuam morrendo.

Comentários encerrados em 28/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.