Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

PCC na linha

Imprensa pode ser responsabilizada por causar dano à sociedade

Por 

Independentemente da veracidade da entrevista divulgada pela Rede Bandeirantes com o suposto líder da facção criminosa Primeiro Comando da Capital, Marcos Willians Herba Camacho, o Marcola, o veículo que a divulgou pode ser responsabilizada pelo dano causado à sociedade. A opinião é do advogado Paulo Esteves.

A emissora transmitiu no noticioso Jornal da Noite, uma suposta entrevista com Marcola, feita pelo jornalista Roberto Cabrini pelo telefone, na noite de quarta-feira (17/5). Na entrevista, uma voz apresentada como sendo a do líder do PCC assume que os ataques contra estações de metrô e ônibus foram comandados pela organização. “O que foi visto, foi feito”, diz. O líder explica que a onda de ataques foi necessária porque eles não conseguiram, por meio legais, obter que fossem respeitados os direitos dos presos garantidos na lei.

“A gente está preparado para muito mais”, diz o líder criminoso. Ele afirma que o comando só parou os ataques porque conseguiram chamar a atenção necessária. Quando perguntado por Cabrini se teve algum tipo de acordo com o governo, Marcola responde: “Da minha parte, não”.

Desde sábado (13/5), Marcola está preso no presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes, no Regime Disciplinar Diferenciado, em condições que, observadas as normas disciplinares, seria impossível dar uma entrevista ou mesmo falar pelo celular.

Para Esteves, a imprensa pode ser responsabilizada por prejudicar a paz social, divulgando informações que podem causar comoção na população. “Além do prejuízo financeiro, a emissora pode até ser retirada do ar.” O advogado explica que, se ficar comprovado que a entrevista não passou de uma farsa, a rede de televisão pode ser responsabilizada penalmente também.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (18/5), a Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo afirmou que a entrevista é falsa. Diz também que tomará medidas para responsabilizar, civil e criminalmente, os autores. A secretaria afirma que a Polícia Civil já instaurou inquérito policial para apurar se houve apologia ao crime ou ao criminoso.

Em entrevista no Palácio dos Bandeirantes, o governador Cláudio Lembo (PFL), negou que o entrevistado pela emissora fosse o líder criminoso. Lembrou garantiu que Marcola está "totalmente isolado".

Leia a íntegra da nota da Secretaria de Administração Penitenciária

A Secretaria da Administração Penitenciária repudia a forma criminosa e irresponsável que as emissoras de televisão Rede Record e Rede Bandeirantes colocaram no ar falsas gravações com líderes de facções criminosas e informa que tomará todas as medidas necessárias para responsabilizar, civil e criminalmente, os autores.

A veiculação de conversas com integrantes de facções criminosas serve tão-somente para inflamar o ânimo sensacionalista assustando a sociedade e prejudicando as investigações realizadas pelas autoridades competentes.

A SAP informa que a Polícia Civil de São Paulo já instaurou inquérito policial para apurar o delito de apologia de crime ou criminoso.

A SAP lembra o precedente lamentável de outra emissora de televisão, análogo a estes, que após divulgação de falsa entrevista com integrantes de facção, houve condenação.

Neste caso, o Ministério das Comunicações está tomando conhecimento do que fizeram as Redes Record e Bandeirantes para idêntica providência.

Assessoria de Imprensa - SAP


 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 18 de maio de 2006, 16h36

Comentários de leitores

20 comentários

Não é questão de ser farsa ou não. Tambem não é...

Caos (Consultor)

Não é questão de ser farsa ou não. Tambem não é questão da imprensa ser livre ou não. Nem questão do governo ser culpado ou não. De fata a questão é como se evita transformar o problema que é para alguns resolverem em uma solução. A questão levantada pelo advogado apenas revela a impunidade que a tudo permite, tanto a advogados, quanto a parlamentares e a outros. Para mim seria surpresa não haver alguem dançando alegtre pela manutenção da impunidade. Tal qual vimos a algum tempo no caso da venalidade explicita que ocorre no congresso. De verdade, estamos perdendo a liberdade pelo excesso de liberdade - tudo vem a ser apenas coisas de responsabilidades esquecidas. Não é isso?

O triste é isso, a população tem que ser pega d...

Jornalistaverdade (Estudante de Direito)

O triste é isso, a população tem que ser pega de surpresa, quando um órgão de imprensa busca a mostrar o outro lado da moeda esta fasendo apologia ao crime, mas os politicos e a policia pode mentir a vontade e nós temo s que acreditar. Uma pena que só alguns conseguem estas proezas, aqui em Minas a imprensa é toda do Governador niguem pode falar a verdade. No interior não tem saude, a currupção corre a solto e a imprensa esta conivente, omissa.

Se a tal entrevista com o MARCOLA for mesmo uma...

Gilson Raslan (Advogado Autônomo - Criminal)

Se a tal entrevista com o MARCOLA for mesmo uma farsa, o Jornalista Cabrini deve ser punido exemplarmente, inclusive com a suspensão do exercício do jornalismo. Todavia, se for verdadeira, o Cabrini merece uma condecoração do povo brasileiro, por ter mostrado ao país que, mesmo depois de tudo que o PCC fez contra a população paulista, sob o comando de MARCOLA, o chefe da criminalidade continuou se comunicando com o mundo exterior.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.