Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime organizado

Megarrebelião contabiliza 100 ataques e 52 mortos em São Paulo

Já passam de 100 os ataques em série iniciados na sexta-feira (12/5) que causaram a morte de 52 pessoas e ferimentos em outras 55. Entre os mortos estão 35 policiais civis, militares, integrantes de guardas metropolitanas e agentes de segurança de penitenciária; 3 civis e 14 suspeitos. Entre os feridos há 24 policiais militares; 5 policiais civis; 7 guardas metropolitanos; 2 agentes penitenciários; 8 cidadãos e 6 suspeitos. Os ataques são atribuídos ao PCC - Primeiro Comando da Capital.

Além dos ataques a bases militares, o PCC deflagrou uma megarrebelião nos presídios e centros de detenção do Estado de São Paulo. Por volta das 16 horas havia 50 penitenciárias e centros controlados por detentos e outras 9 cadeias públicas com motins. Os rebelados fizeram mais de 100 reféns e retiveram parentes que entraram nas unidades para a visita de sábado. As informações são da Agência Estado.

Na manhã deste domingo, no último balanço dos ataques a instalações policiais, a Secretaria de Segurança informava que os criminosos agiram em todo o Estado. Das 100 ocorrências registradas desde sexta-feira, 42 foram na cidade de São Paulo, 17 nos municípios da Grande São Paulo, 10 no litoral e 31 no interior.

Na Grande São Paulo, o domingo começou com um ataque em Caieiras, onde uma base da Guarda Civil Metropolitana foi alvo de disparos. Por volta das 9h30, quatro pessoas que estavam em um Astra deram 10 tiros contra a base, localizada na Estrada do Juá, no bairro de Laranjeiras. Não houve feridos.

Nas unidades prisionais do Estado, a megarrebelião chegou a envolver 67 unidades ao mesmo tempo. No último balanço, divulgado por volta das 16 horas deste domingo, a Secretaria de Administração Penitenciária informava que 59 penitenciárias, centros de detenção e cadeias públicas estavam em poder dos detentos, enquanto 17 haviam encerrado os motins (veja a lista abaixo).

Por volta das 14 horas, a unidade de Ribeirão Preto voltou à normalidade. Nove pessoas eram feitas reféns pelos presos e, segundo a polícia, cinco ficaram feridas. Em Araraquara, os presos se renderam após a entrada dos policiais da Tropa de Choque, por volta das 14h30. Houve feridos, mas a secretaria não tinha o número.

Ajuda Federal

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, ofereceu ajuda ao governador se São Paulo Cláudio Lembo (PFL), principalmente da Polícia Federal, para apurar a série de ações comandadas pelo PCC desde a sexta-feira. De acordo com a assessoria de comunicação de Bastos, o ministro estava em São Paulo, acompanhando a situação e, no início da tarde do sábado, conversou com Lembo. O Ministério da Justiça chegou a articular um grupo de elite de agentes penitenciários de outros estados para auxiliar São Paulo. Lembo agradeceu a oferta, mas dispensou a ajuda.

Entre as medidas planejadas pelo governo do estado, noticiou a rádio CBN, está a de pedir à justiça autorização para gravar as conversas entre presos e seus advogados, entendendo que é desta forma que os chefes do crime organizado repassam às suas quadrilhas orientações como as que redundaram na matança e nas rebeliões deste final de semana. Essa idéia, originalmente, foi defendida pelo secretário de Assuntos Penitenciários, Nagashi Furukawa.

Acompanhe a situação das penitenciárias e centros de detenção no início da tarde deste domingo

Rebeliões em andamento

Penitenciária II de Pirajuí (capacidade para 852 presos - população 1245) - 10 reféns

CDP de Mogi das Cruzes (cap. 768 - pop. 889) - 6 reféns

Penitenciária de Lucélia (cap. 792 - pop. 1217) - 10 reféns

Penitenciária I de Potim (cap. 768 - pop. 1057) - 8 reféns

Penitenciária II de Itirapina (cap. 852 - pop. 1407) - 12 reféns

CDP de Diadema (cap. 576 - pop. 511) - 11 reféns

Penitenciária I de Franco da Rocha (cap. 852 - pop. 1344) - 2 reféns

Penitenciária de Irapuru (cap. 768 - pop. 964) - 5 reféns

CDP I Osasco (cap. 768 - pop. 1410) - 2 reféns

Penitenciária Feminina de Campinas (cap. 540 - pop. 583) - Não há informações sobre reféns

Penitenciária I de Hortolândia (cap. 750 - pop. 1077) - 5 reféns

CDP PIII de Hortolândia (cap. 750 - pop. 1289) - 12 reféns

Penitenciária II de Itapetininga (cap. 804 - pop. 1167) - Não há informações sobre reféns

Penitenciária I de Mirandópolis (cap. 804 - pop. 1159) - 2 reféns

Penitenciária II de Mirandópolis (cap. 804 - pop. 1176) - 12 reféns

Penitenciária de Junqueirópolis (cap. 792 - pop. 1214) - 15 reféns

CDP de São Bernardo do Campo (cap. 768 - pop. 1520) - Não há informações sobre reféns

Penitenciária II de Franco da Rocha (cap. 852 - pop. 1211) - 7 reféns

CDP II Osasco (cap. 768 - pop. 1194) - Não há reféns

Penitenciária de Martinópolis (cap. 792 - pop. 1171) - 12 reféns

Penitenciária II de Guarulhos (Adriano Marrey) (cap. 1200 - pop. 1830) - 4 reféns

CDP I Belém (cap. 768 - pop. 1381) - Não há reféns

CDP de São José dos Campos (cap. 512 - pop. 1182) - 2 reféns

Penitenciária II de Potim (cap. 768 - pop. 1054) - 4 reféns

Penitenciária I de São Vicente (cap. 330 - pop. 469) - Não há reféns

Penitenciária I de Pirajuí (cap. 850 - pop. 1116) - 10 reféns

Penitenciária de Assis (cap. 750 - pop. 1064) - 13 reféns

Penitenciária de Pacaembu (cap. 792 - pop. 1205) - Não há reféns

CDP de Parelheiros (cap. 765 - pop. 1145) - 4 reféns

Penitenciária Feminina da Capital (cap. 410 - pop. 677) - Não há informações sobre reféns

Penitenciária Feminina Sant´Ana (cap. 1600 - pop. 1308) - Não há informações sobre reféns

Penitenciária de Getulina (cap. 792 - pop. 1244) - 18 reféns

Penitenciária de Marília (cap. 750 - pop. 1063) - 6 reféns

Penitenciária de Álvaro de Carvalho (cap. 792 - pop. 1242) - Não há reféns

CDP de Bauru (cap. 768 - pop. 1242) - 1 refém

CDP de Piracicaba (cap. 512 - pop. 1053) - 1 refém

CDP de Americana (cap. 576 - pop. 935) - 5 reféns

Penitenciária II de Hortolândia (cap. 804 - pop. 1215) - 1 refém

Penitenciária de Casa Branca (cap. 852 - pop. 1419) - 2 reféns

Penitenciária I de Tremembé (cap. 750 - pop. 1119) - 2 reféns

CDP de Praia Grande (cap. 512 - pop. 1265) - 3 reféns

CDP de São Vicente (cap. 768 - pop. 1465) - 3 reféns

Penitenciária II de São Vicente (cap. 750 - pop. 1130) - 7 reféns

Penitenciária I de Reginópolis (cap. 768 - pop. 1160) - 2 reféns

Penitenciária II de Reginópolis (cap. 768 - pop. 1114) - 5 reféns

CDP de Ribeirão Preto (cap. 768 - pop. 1077) - Não há reféns

CDP de Franco da Rocha (cap. 864 - pop. 1138) - 8 reféns

CDP I de Pinheiros (cap. 520 - pop. 731) - 3 reféns

Penitenciária de Pracinha (cap. 520 - pop. 960) - 2 reféns

CDP de SJRio Preto (cap. 760 - pop. 1113) - 4 reféns

Cadeia Pública de São Carlos

Cadeia Pública Ituverava

Cadeia Pública de Itápolis

Cadeia Pública de Jandira

Cadeia Pública de Leme

Cadeia Pública de Orlândia

Cadeia Pública de Porto Ferreira

Cadeia Pública Piracicaba

Cadeia Pública Tambaú

Rebeliões encerradas

Penitenciária de Araraquara (cap. 750 - pop. 1034) - 8 reféns - encerrada em 14/5 às 14h05

Penitenciária I de Avaré (cap. 520 - pop. 154) - início: 16h30 (12/5) - 13 reféns - encerrada em 13/5, às 13 horas

Penitenciária de Iaras (cap. 792 - pop. 435) - início: 16h30 (12/5) - 12 reféns - encerrada em 13/5, às 14 horas

Penitenciária de Ribeirão Preto (cap. 792 - pop. 1102) - 9 reféns - encerrada em 13/5, às 13h15

CDP de Suzano (cap. 768 - pop. 1175) - 12 reféns - encerrada em 14/5, às 10h30

Penitenciária I de Lavínia (cap. 768 - pop. 1142) - 1 refém - encerrada em 14/5, às 11h30

Penitenciária de Marabá Paulista (cap. 792 - pop. 1171) - 3 reféns - encerrada em 14/5, às 11 horas

Penitenciária I de Guareí (cap. 768 - pop. 879) - 8 reféns - encerrada em 13/5, às 19 horas

CDP de Campinas (cap. 768 - pop. 1078) - Não há informações sobre reféns - encerrada em 14/5, às 9h30

Penitenciária de Riolândia (cap. 792 - pop. 1059) - 8 reféns - encerrada em 14/5, às 12h30

Penitenciária de Presidente Prudente - (cap. 630 - pop. 773) - 6 reféns - encerrada em 13/5, às 18 horas

Penitenciária II de Avaré (cap. 852 - pop. 1146) - 1 refém - encerrada em 13/5, às 15h20

Penitenciária I de Serra Azul (cap. 768 - pop. 1063) - 1 refém - encerrada em 13/5, às 18h50

Penitenciária de Flórida Paulista (cap. 768 - pop. 1142) - Não havia reféns - encerrada em 14/5, às 11 horas

Penitenciária de Paraguaçu Paulista (cap. 768 - pop. 1075) - 3 reféns - encerrada em 14/5, às 13 horas

Penitenciária III de Lavínia - (cap. 768 - pop. 949) - 3 reféns - encerrada em 14/5, às 13 horas

Penitenciária II de Lavínia (cap. 768 - pop. 800) - 5 reféns - encerrada em 14/5, às 13h35

Revista Consultor Jurídico, 14 de maio de 2006, 12h15

Comentários de leitores

16 comentários

Exclusivo: Polícia sugere TOQUE DE RECOLHER à p...

Comentarista (Outros)

Exclusivo: Polícia sugere TOQUE DE RECOLHER à partir das 20:00 horas de hoje em SP. Sugestão jocosa: O primeiro a ser recolhido poderia ser o próprio governador, de preferência no RDD e junto do Marcola, o qual poderia lhe ensinar como "governar" alguma coisa. Pergunta que não ofende: Por onde andará o picolézinho de chuchu? E a "excelência administrativa" e o "choque de gestão" do PSDB/PFL?

SP, governado (?) pelo PSDB/PFL, está ficando f...

Comentarista (Outros)

SP, governado (?) pelo PSDB/PFL, está ficando famoso: - O PCC domina o Estado; - Mais de 150 ataques no final de semana; - Mais de 90 mortos; - Dezenas de ônibus (mais de 80) incendiados; - Dezenas de agências bancárias atacadas; - Delegacias Policiais metralhadas; - Agências dos Correios e do Metrô destruídas; - Viaturas Policiais metralhadas; - Etc. E os governantes?!? Pois bem, vamos lá: - O Governador do Estado, do PFL, RECUSA a ajuda do governo federal, dizendo que está "tudo sob controle"; - Enquanto a violência explodia, o governador de SP "inaugurava" obras; - A violência em SP já é notícia até na imprensa do Iraque; - O picolézinho de chuchu simplesmente "desapareceu"; - Há notícias de que o GOVERNO (?) de SP já teria enviado EMISSÁRIOS para negociar com os representantes do PCC; - Os ignorantes de plantão, como sempre, pregam o "estado de exceção", com a volta dos asquerosos golpistas que até hoje enojam nossa história. Se antes sentíamos vergonha de ser brasileiros, hoje sentimos nojo.

Se formos pesquisar quem são os criminosos que ...

Dalben (Advogado Autônomo)

Se formos pesquisar quem são os criminosos que estão intentando sobreditos ataques, veremos que todos ou, no mínimo, a maioria, estão fora dos presídios por alguma decisão judicial. É incrível como os juizes estão se especializando em procurar (ou criar) brechas na lei para livrar soltos condenados de alta periculosidade. Tenho dito que os criminosos já nem mais precisam de bons advogados para defendê-los, posto que os juizes estão lá para isso. Com tantos bons advogados em Brasília (se não forem bons, ao menos tem o poder da caneta), vide, Marco Aurléio; Nelson Jobim, de triste lembrança; Eros Grau, etc.), os marginais podem ficar tranquilos. Nada irá acontecer a eles. E ai do policial que se atrever a dar voz de prisão à alguns desses bandidos. Corre até o risco de ser dispensado da polícia. É preciso parar de atacar sempre os mais fracos (no caso, os policiais que arriscam suas vidas na ruas). Vamos chamar os juizes a prestarem contas de seus atos. Porque tantos criminosos estao sendo beneficiados diariamente com decisoes estúpidas e sem nenhum rigor legal. Essa história de que é o preço da democracia é falsa. Não podemos ser escravos da Constituição. As leis são feitas para servir a sociedade e não o contrário. No meu modo de ver, 95% da responsabilidade por mais esta barbarie cabe ao judiciário, que com decisões, no mínimo estranhas, colocam nas ruas marginais que atentam contra a segurança da população. Vamos parar de tachar sempre a policia de incompetente. Cabe ao judiciário dar explicaçoes concretas sobre a facilidade com que marginais de suma periculoidade ganham a liberdade. E não venham com a história de que contratam bons advogados. Com a palavra, o Judiciário.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.