Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Senalaw 2006

Departamentos jurídicos das empresas estão fortalecidos

Por 

Os departamentos jurídicos de empresas que anteriormente preferiam terceirizar seus serviços, hoje preferem investir nos setores internos com gente capacitada para gerenciar os negócios. A opinião é da consultora Anna Luiza Boranga, coordenadora do Senalaw — Seminário Nacional de Administração de Escritórios de Advocacia e Jurídicos, que, de olho nesta nova tendência, organizou palestra sobre o assunto no evento.

A Senalaw acontece entre os dias 17 e 19 de maio no Centro de Convenções Frei Caneca. Na mesma data e local, haverá a terceira edição da Fenalaw — Feira Nacional de Serviços e Suprimentos Jurídicos.

Para Anna Luiza, mesmo com a forte onda de terceirização há uma necessidade desse fortalecimento dos setores jurídicos internos porque esses departamentos proporcionam uma maior integração entre o advogado e a empresa.

A tendência de se fortalecer o departamento jurídico interno da empresa é confirmada pelo diretor jurídico da Companhia Vale do Rio Doce, Pedro Freitas. “O departamento jurídico interno tem a vantagem de ter dedicação exclusiva a apenas um cliente e por isso ele se torna um especialista nos negócios e nos diversos fatores que estão envolvidos na atividade da empresa.”

Como o advogado do departamento jurídico tem a possibilidade de conhecer bem os objetivos e os desafios da empresa, seus serviços passam a serem usados como uma consultoria de prevenção de novos conflitos. “O advogado passa a ser consultado sobre os riscos e sobre os caminhos a serem tomados nos negócios,”afirma Freitas. Isso não quer dizer que escritórios de advocacia deixarão de ser contratados, na opinião do diretor jurídico da CVRD, “ pode se terceirizar o contencioso da empresa, mas o departamento jurídico participa da formulação estratégica da solução dos problemas.”

Essa tendência que tem passado a acontecer no Brasil não é nada mais do que o reflexo mundial. “ Além de atender a demanda interna, os departamentos jurídicos precisam se interar dos negócios internacionais e do ambiente composto por diversas legislações e contratos complexos de fornecimento.”

Na palestra sobre o assunto, além do diretor jurídico da Vale, também estarão presentes representantes de companhias como Wal-Mart, Bosch e Nokia.

A Fenalaw e o Senalaw 2006 são promovidos pelo Ceae — Centro de Estudos de Administração de Escritórios de Advocacia, com patrocínio da OAB Federal, de São Paulo e de vários Estados, Aasp — Associação dos Advogados de São Paulo, Cesa — Centro de Estudo da Sociedade de Advogados e CRA — Conselho Regional de Administração de São Paulo. O evento também recebe o apoio internacional da Lexis Nexis Martindale-Hubbell, além do site Consultor Jurídico e revistas Marcasur e Mercado e Negócios.

Inscrições e informações no site Fenalaw. Inscrições com Luiz Guilherme Cardoso de Mello, pelo telefone (11) 3078-2397 ou e-mail luizguilherme@eventlaw.com.br.

Confira quais são as palestras programadas:

Como detectar e prevenir fraudes, protegendo informação e dados do cliente. Richard J. Nigon, presidente da ALA Association of Legal Administrators dos Estados Unidos (tradução simultânea)

Fusão, incorporação ou associação: como os escritórios americanos trabalham? O que está em voga no momento. David Constantine, ex-presidente da ALA Association of Legal Administrators (tradução simultânea)

As tendências que afetarão os seus negócios: perspectivas econômicas e políticas para a prestação de serviços jurídicos no Brasil e no exterior Luiz Gonzaga Belluzo — professor da Unicamp e fundador da Faculdades Campinas

Qualidade de vida: desenvolvendo habilidades para aprimorar o desempenho de sua equipe. Nuno Cobra — autor do livro A Semente da Vitória

Estratégia de crescimento de um dos maiores escritórios de advocacia do mundo. Stephen Hood — Office Managing Partner de Clifford Chance

Novo perfil do departamento jurídico como setor estratégico da empresa: gestão de advogados externos e critérios utilizados para seleção de terceiros. Pedro Freitas (Companhia Vale do Rio Doce); Cláudio Vianna (Robert Bosch); Wilson Mello Neto (Wal-Mart) e Alessandra Del Debbio (Nokia)

Planejando a sucessão: como promover a profissionalização, transição e continuidade de um escritório de advocacia de sucesso — Demarest e Almeida Advogados Altamiro Boscoli

Processo de Internacionalização das empresas brasileiras: como escolher e estruturar os apoios jurídicos no exterior. Antonio Siqueira — diretor Jurídico da Natura Cosméticos

O papel dos advogados nos mercados emergentes: China, India, México, Leste Europeu — como ajudar seus clientes em mercados competitivos Bertrand de Solere (Avvad, Osorio, Fernandes, Mariz e Moreira Lima Advogados) (França); Alejandro Segura, (British Gas Group) (México); Eduardo Rosa (D´Andréa Vera Advogados) (Índia) e Christopher T. Bruneau, Vice President da East-West Financial Services Ltd. (China)

Veirano: um lugar legal — pela segunda vez consecutiva, presente na pesquisa da Revista Exame como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar.Ronaldo Veirano, sócio fundador de Veirano & Advogados Associados.

 é repórter do jornal DCI.

Revista Consultor Jurídico, 12 de maio de 2006, 7h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.