Consultor Jurídico

Operação Anaconda

Agente da PF César Herman não consegue liberdade

O agente da Polícia Federal César Herman Rodriguez, condenado por participar do esquema de venda de sentenças descoberto pela Operação Anaconda, não conseguiu liminar para ficar em liberdade até o julgamento contra os recursos que apresentou nas instâncias ordinárias. O pedido foi negado pelo ministro Raphael de Barros Monteiro, presidente do Superior Tribunal de Justiça.

Segundo o ministro Barros Monteiro, a defesa do agente da PF não conseguiu demonstrar a necessidade da concessão da liminar. “A jurisprudência dessa Corte cristalizou-se no sentido de que ‘a interposição de recurso, sem efeito suspensivo, contra decisão condenatória não obsta a expedição de mandado de prisão’ (Súmula 267/STJ)”, afirmou.

O presidente do STJ solicitou informações ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região e, em seguida, determinou vista ao Ministério Público Federal para parecer. O mérito do pedido de Habeas Corpus será julgado pela 5ª Turma do STJ e o relator da questão será o ministro Gilson Dipp.

Operação Anaconda

A Operação Anaconda, deflagrada pelo Ministério Público e pela Polícia Federal para investigar uma quadrilha acusada de vender sentenças judiciais, foi motivada por uma denúncia recebida em Alagoas. A Justiça de Maceió autorizou escutas para apurar esquema com a participação de policiais e juízes no suposto esquema. A gravação de conversas telefônicas permitiu identificar organização criminosa com base em São Paulo e ramificações no Pará, Alagoas e Rio Grande do Sul.

Em 13 de outubro de 2003, o MPF ofereceu quatro denúncias ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo, contra juízes, advogados, empresários e policiais (na ativa e um aposentado). Foram expedidos 15 mandados de busca e apreensão. Em 19 de dezembro do mesmo ano, o TRF-3 aceitou as denúncias do MP e afastou os juízes Ali e Casem Mazloum e manteve a prisão do juiz João Carlos da Rocha Mattos. Até então, a operação já havia produzido 16 denúncias, 11 delas recebidas pela Justiça.

Foram denunciados João Carlos da Rocha Mattos (juiz federal), Casem Mazloum (juiz federal), Ali Mazloum (juiz federal), José Augusto Bellini (delegado da Polícia Federal), César Herman Rodriguez (agente da PF), Jorge Luiz Bezerra da Silva (delegado aposentado da PF e advogado), Norma Cunha (ex-mulher de Rocha Mattos), Carlos Alberto da Costa Silva (advogado), Affonso Passarelli Filho (advogado), Wagner Rocha (empresário), Sérgio Chiamarelli Júnior (empresário) e Dirceu Bertin (corregedor da PF). Este último, o único absolvido.

HC 60.366




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de junho de 2006, 17h30

Comentários de leitores

2 comentários

Gostaria de que este respeitado órgão operador ...

HERMAN (Outros)

Gostaria de que este respeitado órgão operador de notícias, indicasse o processo em que fui condenado por venda de sentença. Estas notícias mendazes fizeram e fazem parte de uma tática orquestrada por membros do MPF para condenarem as pessoas antecipadamente na opinião pública, e, com a máxima vênia, este site não deve cooperar. Indique apenas uma, repita-se, apenas uma sentença vendida. cesarherman@uol.com.br

Em tempo: Toda a Operação Anaconda foi plane...

DPF Adriano (Delegado de Polícia Federal)

Em tempo: Toda a Operação Anaconda foi planejada, coordenada e executada pelo Departamento de Polícia Federal. No contexto da Op. Anaconda, o MPF atuou em sede judicial se posicionando em relação às Representações declinadas pelas Autoridades Policiais Federais no que pertine á materialização de diligências investigativas. Po óbvio, a posteriori, em sede de persecutio criminis in juditio o MPF atuou diligentemente. Com efeito, não há de se dizer que a operação foi "deflagrada pelo ministério público..." A operação foi policial e policiais foram todos os seus esforços!

Comentários encerrados em 20/06/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.