Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Jogo de empurra

Quem pode soltar Champinha é a lei, não o laudo, diz perito

Por 

Empurrar para a medicina a responsabilidade pela possível soltura de Roberto Aparecido Alves Cardoso, o Champinha, é querer tapar uma brecha legal. A afirmação é do psiquiatra forense Breno Montanari Ramos, um dos responsáveis pelo laudo que diz ser possível recolocar Champinha em convívio com a sociedade.

Champinha é apontado como o líder de uma quadrilha e mentor do seqüestro, estupro e assassinato do casal de namorados Liana Friedenbach e Felipe Caffé, em outubro de 2003, em Embu-Guaçu (SP). Na época do crime, Champinha tinha 16 anos e por ser menor, foi recolhido a uma unidade da Febem em São Paulo. Pela lei, ele pode ficar recluso no máximo três anos. Sua soltura está prevista para acontecer em novembro próximo, o que causa apreensão na sociedade.

“Não é o laudo que vai justificar a liberdade do Champinha, mas sim o Estatuto da Criança e do Adolescente, que prevê o máximo de três anos de internação. Querem transferir para a medicina um problema que é puramente jurídico. Até alguns anos, o laudo não era nenhuma exigência. Hoje, o documento não precisa necessariamente fazer parte do processo. Mesmo assim, insistem em culpar a psiquiatria por uma brecha 100% jurídica”, diz o psiquiatra.

“O único elemento que poderia ser usado para justificar judicialmente a prisão ou a soltura do paciente é se o documento constatasse que Champinha não é um criminoso imputável, o que não ocorre” afirmou Montanari à revista Consultor Jurídico.

Champinha sofre de um distúrbio psiquiátrico conhecido como retardamento mental. A característica não justifica a internação de alguém num manicômio judiciário. O que poderia justificar a internação no manicômio judicial seria um transtorno de conduta, presente em psicopatas, “o que não é o caso do Champinha. Ele não comete atos repetitivos. Dizem que ele matou um andarilho quando tinha 10 anos de idade. O fato não é comprovado. Depois, só foi cometer um novo crime aos 16. Essa não é a característica de um assassino em série”, explica o psiquiatra.

Por conta da polêmica em torno do laudo, a equipe responsável entregou nesta sexta-feira (28/7) o documento para a Câmara Técnica de Saúde Mental do Conselho Regional de Medicina. “Se há dúvida sobre a validade do diagnóstico, que se apure. Mas não há nenhum problema. São 40 páginas escritas com preciosismo”, finaliza.

Crime

No dia 31 de outubro de 2003, uma sexta-feira, os namorados Liana Friedenbach, de 16 anos, e Felipe Silva Caffé, de 19, saíram para acampar sem que seus pais soubessem. Ela disse à família que viajaria com alguns amigos. Os pais da garota desconfiaram que algo havia acontecido quando Liana não voltou para casa no domingo, 2 de novembro.

Avisada do sumiço do casal, a polícia descobriu que os jovens haviam sido vistos em Embu-Guaçu (SP). Depois de mais de uma semana de buscas, a polícia localizou os corpos dos dois, a partir de informações de um menor preso. Identificado como Champinha, o menor admitiu ter participado do crime. Felipe foi morto com um tiro na nuca e seu corpo estava num córrego. Antes de ser morta com 15 facadas, Liana ficou quatro dias em poder dos criminosos que a submeteram a abuso sexual repetidas vezes.

Três dos culpados já foram condenados pelo Tribunal do Júri de Embu pelo seqüestro e morte do casal de namorados. Antônio Caetano da Silva pegou 124 anos por auxílio no seqüestro do casal e no estupro da menor assassinada. Agnaldo Pires, acusado de estupro da jovem, foi condenado a 47 anos e três meses de prisão. Antônio Matias de Barros foi condenado a sete anos e nove dias pela acusação de seqüestro, porte de arma e favorecimento pessoal. Pelo atual código penal Agnaldo Pires e Antônio Caetano devem cumprir no máximo 30 anos de reclusão.

Ainda falta ser julgado um quarto acusado, Paulo César da Silva Marques, conhecido como Pernambuco. Ele deve ser julgado no mês que vem.


 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 28 de julho de 2006, 21h14

Comentários de leitores

23 comentários

Sr. Perito ja que seu laudo é este para este cr...

Helena Fausta (Bacharel - Civil)

Sr. Perito ja que seu laudo é este para este criminoso, porque o sr. não faz um teste? O sr. com certeza deve ter mãe, irmã ou até mesmo uma filha de 16 anos, quem sabe, deixe-o com ela uma hora apenas, para por á prova seu comportamento...este teste seria crucial para corroborar o seu.

29/07/2006 - 11:57 Vizinhos querem Champinha ...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

29/07/2006 - 11:57 Vizinhos querem Champinha no manicômio Agência Estado Ninguém quer Champinha no Bairro Santa Rita, um vilarejo distante 18 quilômetros do centro de Embu-Guaçu, na Grande São Paulo, onde nasceu, há 19 anos. Alguns dos seus ex-vizinhos esperam que R.A.A.C., que estuprou e matou a estudante Liana Friedenbach em 2003, seja mantido em um manicômio. Outros garantem que Champinha está mais seguro na Fundação Estadual do Bem-estar do Menor (Febem), de onde deve sair em novembro. “Não dou dez dias para ele aqui. Quando menos esperar, vai ser linchado”, disse um morador, que não quer se identificar. Aliás, não dizer o nome foi a primeira condição dos moradores para dar qualquer informação à reportagem hoje. Eles temem que o adolescente volte para a vila ainda mais revoltado e se vingue de quem falou com a imprensa. Ex-vizinhos que torcem para que Champinha continue preso afirmam que, na vila, sem assistência psicológica e acompanhamento policial, ele não vai se recuperar. "Vai voltar a cometer crimes, vai voltar a conviver com as más influências”, disse outro morador. Champinha, assim como sua família, nunca deixou o Bairro Santa Rita, cercado por uma vasta floresta de mata atlântica. Estudou na Escola Municipal Belvedere, distante alguns quilômetros da vila, até a quarta série. Era considerado bom aluno e um menino bom de papo. “Para você ter uma idéia, minha filha, que era professora dele, o levou para a escola todos os dias, durante quatro anos. Ele nunca ofereceu perigo, nunca fez nenhuma ameaça a ela”, disse um ex-vizinho. E é exatamente esse comportamento - de saber conversar, respeitar pessoas próximas e ao mesmo tempo cometer um crime tão brutal - que leva esse morador a acreditar que Champinha voltará a matar. “Comentam que ele matou mais gente por aqui. Não foram só a menina e o andarilho.” Todo mundo ali sabe onde mora a família dele - a mãe, Maria, os dois irmãos e uma irmã. “É tudo gente boa, trabalhadora, educada. Mas sempre tem uma ovelha negra em toda família”, comentou um morador. http://www3.atarde.com.br/brasil/interna.jsp?xsl=noticia.xsl&xml=NOTICIA/2006/07/29/997213.xml

Dr. Francisco, quem não pode ser tratado como f...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

Dr. Francisco, quem não pode ser tratado como foi, foram as vítimas deste moleque assassino!!! Eu estou pensando nas vítimas e no que elas passaram e não mereciam ser tratadas deste jeito. Elas é que não poderiam ser tratadas deste jeito. Este laudo deste perito que queria soltar este monstro é um tapa e um murro na cara destes parentes destas vítimas!!!! É nisso que o senhor deveria estar pensando também!!! A Justiça me deu razão!!! E a nova perícia também!!! Ele não vai pra as ruas!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.