Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Títulos do Papatudo

Artur Falk contesta perigo de fuga e pede liberdade ao STJ

O empresário Artur Falk, acionista da Corretora Interunion, quer ser solto. Ele entrou com pedido de liminar em Habeas Corpus no Superior Tribunal de Justiça para pedir a imediata expedição de alvará de soltura.

A prisão preventiva do empresário foi decretada, na quarta-feira (26/7), pelo desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio de Janeiro e Espírito Santo). O relator afirmou que houve a necessidade da prisão por conveniência da instrução criminal para assegurar a aplicação da lei.

Na decisão, ele ressaltou que o acusado “é uma pessoa que viaja constantemente para o exterior, possuindo negócios lá fora e dupla nacionalidade, o que convida à fuga e facilita a permanência no estrangeiro”.

Histórico

Artur Falk foi condenado em primeira instância por gestão fraudulenta e crimes financeiros. De acordo com denúncia do Ministério Público Federal, o empresário causou prejuízos ao sistema financeiro nacional, de modo especial a milhões de investidores que adquiriram os títulos de capitalização do Papatudo, conhecido pela razão social Interunion Capitalização S/A.

A defesa do empresário contesta a decisão judicial. Alega que a instrução criminal já se encerrou, pois todas as provas foram produzidas. Assim, segundo a defesa, não há mais qualquer risco de interferência do acusado na busca da verdade. Contesta também o temor de fuga, já que todas as vezes que o empresário se ausentou foi a trabalho e com autorização judicial.

Além do alvará de soltura, o empresário também solicitou ao STJ que seja assegurado o direito de apenas iniciar o cumprimento da pena após o trânsito em julgado de eventual condenação.

O pedido do empresário deverá ser decidido pelo STJ nos próximos dias. A relatora do caso será a ministra Laurita Vaz, da 5º Turma.

HC 63.111

Revista Consultor Jurídico, 28 de julho de 2006, 10h19

Comentários de leitores

2 comentários

A sociedade espera que desta vez não se repita ...

Paulo Roberto Vieira Camargo (Advogado Autônomo - Civil)

A sociedade espera que desta vez não se repita o conhecidíssimo caso daquele senhor italiano condenado pela Justiça Criminal Federal do RJ ,que de posse de uma liminar conseguida no STF escafedeu-se para sua terra natal e de lá vive vida de grão-duque !!! A sociedade espera também que o MP faça o seu papel "como manda o figurino", para não nos surpreendermos com uma decisão liberatória fundamentada em libelo mal formulado !!!! Brasil, mostra a tua cara !!!!

A prisão está mesmo banalizada. Somente serve p...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

A prisão está mesmo banalizada. Somente serve para exteriorzar poder, força. Enquanto isso, taca loby prá cá e prá lá.

Comentários encerrados em 05/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.