Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Não a Marcola

Pedido de Marcola para sair de regime diferenciado é negado

Por 

O Tribunal de Justiça paulista negou pedido de liminar para Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. O líder da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), representado pela advogada Maria Cristina de Souza Rachado, pediu para deixar a internação de 90 dias no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), imposto em maio pelo juiz-corregedor da Vara das Execuções Criminais da Capital, Carlos Fonseca Monnerat.

A decisão foi do desembargador Borges Pereira. Ele entendeu que não há ilegalidade na decisão do juiz-corregedor. O pedido cautelar foi feito em Habeas Corpus e em um Mandado de Segurança. Depois da manifestação do Ministério Público, uma das câmaras criminais do Tribunal de Justiça vai julgar o mérito dos recursos.

A internação de Marcola em RDD foi imposta para atender pedido do então secretário da Administração Penitenciária Nagashi Furukawa, em maio, depois de ameaças feitas a autoridades do Estado. O isolamento provocou uma onda de rebeliões nas penitenciárias e de ataques a policiais e guardas civis metropolitanos.

Além do líder do PCC, a medida atingiu Marcelo Moreira Prado, o Exu, Eduardo Lapa dos Santos, o Lapa, Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue e Luiz Henrique Fernandes, o LH.

Na época, o juiz-corregedor entendeu que fora do regime especial Marcola poderia continuar as represálias e atrapalhar as investigações sobre os ataques criminosos ocorridos naquele mês.

Marcola é apontado como o mandante da série de 251 ataques a forças de segurança e de 80 rebeliões de presos que atingiu diversos pontos de São Paulo em maio.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 25 de julho de 2006, 11h13

Comentários de leitores

1 comentário

A existência do PCC e a indiscutível força de s...

Comentarista (Outros)

A existência do PCC e a indiscutível força de seu líder máximo, o Marcola, é apenas um retrato da política "responsável" implantada ao longo de 12 anos pelo PSDB/PFL em SP. Agora vamos todos votar no picolézinho de chuchu para presidente, para que o resto do país "experimente" o seu famoso "choque de gestão" e sua tão garganteada "excelência administrativa". Afinal de contas, não é justo que apenas os paulistas se beneficiem de tão "excelente" administração!

Comentários encerrados em 02/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.