Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova tentativa

Juiz Casem Mazloum pede para Supremo anular sua condenação

O juiz federal afastado Casem Mazloum recorreu ao Supremo Tribunal Federal para pedir a anulação de sua condenação. Mazloum foi condenado, pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, por formação de quadrilha, depois das investigações da Operação Anaconda. O Superior Tribunal de Justiça negou o mesmo pedido, em maio.

De acordo com a denúncia feita pelo Ministério Público, o juiz tinha sob sua jurisdição processos de interesse dos mentores de uma quadrilha e usou a função para proteger atos ilícitos. Em troca, recebia vantagens ou favores.

A defesa alega “vagueza absoluta na acusação, pois não apontou, quando, como, em qual processo e em que base empírica estava amparada a afirmação de prática de atos jurisdicionais de proteção aos interesses da quadrilha”.

Os advogados sustentam que o juiz está sofrendo constrangimento ilegal. Segundo eles, a falta de clareza das informações causou grave dano ao juiz Casem Mazloum, pois impediu o exercício de seu direito de ampla defesa. Ressaltaram, ainda, que o juiz foi condenado apenas por ter processos sob sua jurisdição.

O STJ rejeitou o pedido por entender que a denúncia atende perfeitamente às exigências do artigo 41 do Código de Processo Penal. O STJ também entendeu que não procede a falta de definição temporal do ingresso do juiz nos desígnios da quadrilha.

A defesa quer a concessão da ordem para determinar a nulidade absoluta da denúncia e do acórdão condenatório, com o conseqüente trancamento da ação penal, por inépcia da denúncia e atipicidade da conduta. O processo foi distribuído por prevenção ao ministro Joaquim Barbosa.

Histórico

A Operação Anaconda foi deflagrada, em 2002, pelo Ministério Público e pela Polícia Federal para investigar um suposto esquema de falsificação de documentos, corrupção e venda de sentenças judiciais. A organização criminosa foi identificada e seus integrantes denunciados e condenados por acusações que vão desde crimes contra a ordem tributária até formação de quadrilha.

Casem Mazloum foi afastado do cargo e condenado a quatro anos de detenção. Sua pena foi transformada em prestação de serviços.

Revista Consultor Jurídico, 21 de julho de 2006, 17h10

Comentários de leitores

4 comentários

Cara Cecília, A independência das cortes é inv...

Marco (Engenheiro)

Cara Cecília, A independência das cortes é inversamente proporcional ao seu grau de jurisdição.

Quem conhece o caso e, principalmente, os autos...

Cecília. (Outros)

Quem conhece o caso e, principalmente, os autos, sabe da injustiça feita a alguns dos acusados, incluindo o juiz Casem. A Corte Constitucional, do alto de sua autoridade e independência, certamente saberá decidir o caso à luz dos direitos e garantias fundamentais. O subterfúgio do corporativismo não pode jamais se prestar a legitimar qualquer injustiça ou erro judiciário apenas para "dar exemplo".

A Sociedade Brasileira espera que à Suprema Cor...

Zito (Consultor)

A Sociedade Brasileira espera que à Suprema Corte Federal do País, não anule a sentença. E que ela sirva de exemplos para infratores de Leis. Que todo Cidadão respeitem a quem quer que seja e a legislação. Afirmo, que ainda ACREDITAMOS NOS VERDADEIROS HOMENS QUE FAZEM A JUSTIÇA. E não o CORPORATIVISMO. Não importando qual a sua área de atuação (Execultivo, Legislativo, Judiciários e outras autarquias) deste BRASIL.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/07/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.