Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ofensa racista

Colunista gaúcho é condenado por racismo contra índios

O colunista Paulo Gilberto da Silva Corrêa e o Jornal Cassino, de Rio Grande (RS) foram condenados a pagar R$ 20 mil, por danos morais, à comunidade de índios caingangues. A decisão é da 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Cabe recurso.

Corrêa é julgado por crime de racismo contra indígenas. Ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal, que o acusa de ofender índios daquela comunidade em sua coluna.

Entre março e junho de 2003, o colunista escreveu textos contra a ida dos índios ao balneário de Cassino, na cidade de Rio Grande, durante o verão. Corrêa afirmou que é um erro o município aceitar os indígenas. Segundo ele, muitos índios não têm hábitos de higiene e raramente tomam banho. "Chega de importar pobrezas e fedores", publicou.

Condenado nas esferas cível e penal em primeira instância, Corrêa recorreu ao TRF. Em abril, o réu foi condenado criminalmente a prestar serviços à comunidade por dois anos e quatro meses e a pagar um total de 18 salários mínimos referentes a multa e prestação pecuniária.

Na segunda-feira (10/7), foi a vez do julgamento cível. Segundo a juíza Vânia Hack de Almeida, convocada para atuar como desembargadora no TRF, ocorreu o chamado "dano moral coletivo". Aquele que se medido individualmente tem pouca relevância, mas, "frente à coletividade, assume proporções que afrontam o senso comum", concluiu.

Ela reformulou a condenação imposta em primeira instância. Aumentou a indenização de R$ 2 mil, que considerou quantia irrisória, para R$ 20 mil.

Revista Consultor Jurídico, 14 de julho de 2006, 7h00

Comentários de leitores

7 comentários

Parabéns à ex. juíza Vânia Hack de Almeida pelo...

Philip Leite (Estudante de Direito)

Parabéns à ex. juíza Vânia Hack de Almeida pelo aumento da pena. É preciso que este tipo de comportamente (por parte do jornalista) seja reprimido, e nada melhor que uma pena de cunho pecuniário, pois sabemos que, certamente, é a parte que dói de verdade no ser humano.

eita imprensa mesquinha. a liberdade de express...

Caos (Consultor)

eita imprensa mesquinha. a liberdade de expressão anda a solta e custa baratinho, num é? mais um deserviço da imprensa e um tapinha na cabeça do coitadinho do jornalisyta e do jornal. ora - imprensa(qqr serviço de comunicação) é conceção. a pena é perder a conceção e não pagar uns trocados para estragar a vida de inimigos dos anunciantes, não?

SE TIVÉSSE FALADO QUE O BALNEÁRIO NÃO DEVERIA E...

A.G. Moreira (Consultor)

SE TIVÉSSE FALADO QUE O BALNEÁRIO NÃO DEVERIA ESTAR À DISPOSIÇÃO DOS MENDIGOS DA RUA OU CATADORES DE PAPEL DAS LIXEIRAS, NADA LHE ACONTECERIA, PORQUE NÃO É CRIME EXCLUIR A SUA PRÓPRIA RAÇA .

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/07/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.