Consultor Jurídico

Futuro da advocacia

Exame de Ordem no Distrito Federal reprova 67,97%

O último Exame de Ordem da seccional do Distrito Federal, da Ordem dos Advogados do Brasil, reprovou 67,97% dos bacharéis em Direito. Ao todo, 1.708 candidatos prestaram a prova, mas apenas 547 vão poder exercer a profissão.

A Universidade de Brasília foi a que teve o melhor aproveitamento: aprovou 28 dos 31 inscritos. O Centro Universitário de Brasília, UniCeub, aprovou 236 candidatos, mas concorreu com 529 bacharéis. Em terceiro lugar está o Centro Universitário do Distrito Federal, que aprovou 54 dos 155 inscritos.

O próximo Exame será nos dias 20 de agosto e 24 de setembro (primeira e segunda etapas).

Veja o percentual de aprovação, por instituição de ensino:

Universidade de Brasília (UnB): 90,32%

Centro de Ensino Universitário de Brasília (UniCeub): 44,61%

Centro Universitário do Distrito Federal (UNIDF): 34,84%

Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb): 34,51%

Universidade Católica de Brasília: 31,03%

Faculdades Integradas da UPIS: 24,49%

Centro Universitário Planalto do DF (Uniplan): 20%

Universidade Paulista: 18,18%

Centro Universitário Euro-Americana (Unieuro): 16,86%




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 6 de julho de 2006, 7h00

Comentários de leitores

5 comentários

Sr. Smith : quem usa, cuida !! acdinamarco@adv...

A.C.Dinamarco (Advogado Autônomo)

Sr. Smith : quem usa, cuida !! acdinamarco@adv.oabsp.org.br

Segundo o dr. Luís Flávio D'Urso (Jornal Nacion...

denorie (Estudante de Direito)

Segundo o dr. Luís Flávio D'Urso (Jornal Nacional de 05.07.06), a reprovação maciça se deve à precária formação básica dos candidatos, ou seja, não sabem língua portuguesa. Se for assim, na primeira fase, onde só se marca cruzinha, o índice de reprovação não deve ser tão alto. Contudo, se a situação se repetir, também nesta fase, de duas uma, ou as faculdades são péssimas ou vigora a reserva de mercado. Esta situação é meio nebulosa, para mim, porque comparo todo o processo de exame da Ordem a um judicial, no qual o juiz da causa não deve ter interesse pessoal algum, sobretudo na sentença. Não faço juízo de valor, apenas reflito. (Márcia de Noriê - de.norie@terra.com.br)

Acredito que a seleção é necessária, a advocaci...

Felipe Boaventura (Estagiário)

Acredito que a seleção é necessária, a advocacia demanda profissionalismo, precisão e acima de tudo confiança. Não que eu que defenda a criação de óbices à militância causídica, não é isso, defendo com veemência é a proteção da sociedade contra os sérios riscos que incorre com o exercício impreciso da advocacia. Em nossa profissão um deslize pode destruir vidas, desconstruir histórias, dilapidar patrimônios e até mesmo obstar o desenvolvimento do país, é necessária cautela da OAB, o Ordenamento Jurídico é um instrumento de autocontrole da sociedade, seus operadores têm de ser habilitados, têm de ser seus profundos conhecedores. Eventualmente, o que poderia ser revisto seria o modo de exercer esta seleção, acredito que uma intervenção maior da Ordem no decurso da academia, provavelmente repercutiria melhor efeito, quem sabe seleções seriadas ao longo dos períodos, ou até mesmo controle do curso dividido entre o Ministério da Educação e a Ordem. De qualquer jeito, ainda não fiz o exame, sou suspeito em qualquer posição. Abraços” Felipe Boaventura (f_boaventura@yahoo.com.br)

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/07/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.