Consultor Jurídico

Notícias

Sem arrependimento

Leia decisão da prisão preventiva dos irmãos Cravinhos

Comentários de leitores

12 comentários

É, Homerão Ottoni, não é fácil não! E o pior é...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

É, Homerão Ottoni, não é fácil não! E o pior é que insistem em atribuir a culpa a nós, os advogados, taxados inclusive de protetores dos criminosos. Devemos arcar com esse ônus para viver em uma democracia! Agora, Homerão, tem hora que a paciência esgota, vindo à mente, à lembrança, o perfil do advogado americano, altamente mercantilista, para quem, O MELHOR PARA O ADVOGADO É TER UMA LEI DURA, POLÍCIA E MINISTÉRIO PÚBLICO VIOLENTOS E JUIZ ARBITRÁRIO, TUDO A VALORIZAR O TRABALHO DO ADVOGADO. E aí, Homerão, vamos mudar de estilo?

Homicídio é homicídio. Os detalhes de hedionde...

Ottoni (Advogado Sócio de Escritório)

Homicídio é homicídio. Os detalhes de hediondez, crueldade e outros não essenciais ao objetivo de tirar a vida, são matéria cuja apreciação é privativa do juiz leigo, o jurado, que irá aferir as razões morais de tais detalhes. Já se reconheceu em julgamentos feitos pelo tribunal do Júri que a quantidade de facadas desnecessárias, desferidas num corpo já sem vida, é sinal de privação dos sentidos, pois, a criminoso perde tempo precioso para iniciar a fuga, desferindo golpes inúteis num cadáver. Há, como esse, inúmeros fatores que podem modificar a idéia inicial da ação humana que se chama crime, mormente nos crimes de sangue. Os adjetivos que a imprensa utiliza, em matéria de crime de morte, para vender jornal aos ignorantes, geralmente não encontram eco por ocasião do julgamento pelos jurados, representantes da sociedade e pares do acusado. Isso provoca um choque na opinião pública ignorante que, esperando um veredicto final extremo, vê uma absolvição, ou mesmo uma pena mínima. Os “julgadores amadores” que opinaram neste fórum não estão habilitados a formar juízo de valor sobre o ocorrido e os não amadores, sem o conhecimento do processo e invadindo competência privativa dos jurados, também deveriam controlar suas emoções, mormente quando sabem que não há pena de prisão perpétua no Brasil. Os irmãos foram presos em razão de uma infeliz entrevista não compreendida pela soberba dos donos da verdade. Vamos esperar a reação do júri diante da alegação vazada de que a ré sofria abusos sexuais por parte de seu pai. É o melhor que se pode fazer para evitar desapontamentos e desilusões com respeito à administração da Justiça. Data vênia, é claro. E ai, Chiquinho? A luta é árdua, mas um dia eles hão de entender.

Caro Dr. Francisco Lobo da Costa Ruiz, O seu...

Comentarista (Outros)

Caro Dr. Francisco Lobo da Costa Ruiz, O seu comentário sintetizou, de forma clara e elucidativa, a triste realizada hoje vivida. Em pleno ano de 2005, porém na republiqueta das bananas, é deprimente nos sentirmos ainda na Roma antiga, o que somente aumenta a vergonha de ser brasileiro. Talvez esteja aí um dos motivos de sermos discriminados e menosprezados pelo habitantes do dito "primeiro mundo", pois, afinal de contas, parece que fazemos por merecer! Parabéns pelo comentário, pois ele dá a certeza de que ainda existe luz no fim do túnel e algo de lúcido e cristão no meio de tanta insanidade e falta de bom senso comum...

PARECE PIADA ? MAS NÃO É. ORA, OS IRMÃOS CRAV...

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

PARECE PIADA ? MAS NÃO É. ORA, OS IRMÃOS CRAVINHO DEMONSTRARAM FRIEZA E TOTAL AUSÊNCIA DE ARREPENDIMENTO , AO DAREM A INFAUSTA ENTREVISTA A UMA EMISSORA DE RÁDIO ? E O QUE SE DIRÁ DA SUZANE ? ESTARIA ELA ARREPENDIDA ? DEMONSTRA MENOR FRIEZA DO QUE OS POBRETÕES LEVADOS NOVAMENTE AO CÁRCERE ? OU SERIA ATÉ MAIS NOCIVA, SOCIALMENTE FALANDO, DO QUE OS CRAVINHOS, POSTO QUE OS PAIS ASSASSINADOS SÓ O FORAM PORQUE COM O SEU CONSENTIMENTO (OU MELHOR A SEU PEDIDO). TERIAM, OS IRMÃOS CRAVINHOS, MAIS CULPA DO QUE SUZANE ? (AFINAL NÃO ERAM OS PAIS DELES) MAIS SIM DELA QUE FRANQUEOU A ENTRADA NA CASA; PROCUROU CERTIFICAR-SE DE QUE AMBAS AS VÍTIMAS (SEUS GENITORES) ESTAVAM REALMENTE DORMINDO E, SERENAMENTE SINALIZOU PARA QUE A EMPREITADA TIVESSE INÍCIO, INQUIETA COM OS GEMIDOS DOS PRÓPRIOS PAIS (A QUEM ENCOMENDARA A MORTE) A PONTO DE TAPAR OS OUVIDOS COM UM TRAVESSEIRO. PELO AMOR DE DEUS. A RECONDUÇÃO DOS DOIS ASSECLAS FOI EXTREMAMENTE ACERTADA (ALIÁS NEM DEVERIAM TER DEIXADO O C.D.P -UMA PALHAÇADA-), PORÉM A EXCLUSÃO DE SUZANE AO MESMO DESTINO SÓ TEM UMA EXPLICAÇÃO. A FAMA DO SEU ILUSTRE PATRONO , SEMPRE SOB OS HOLOFOTES DA MÍDIA EM CASOS DE CLAMOR PÚBLICO SOMADA , CERTAMENTE, AS CONDIÇÕES FINANCEIRAS DA "CAPETINHA" , SEGUNDO CONSTA , INFINITAMENTE SUPERIORES AS DOS IRMÃOS CELERADOS. A JUSTIÇA BRASILEIRA CONTINUA DANDO UM PÉSSIMO EXEMPLO DE "IGUALDADE DE TODOS PERANTE A LEI" . É....COM PEIXE GRANDE MELHOR NÃO USAR ANZOL.

A justificativa para o pedido de prisão dos men...

Andrade Filho (Advogado Autônomo)

A justificativa para o pedido de prisão dos meninos tem um paralelo com o clamor publico, ou coisa que o valha, cujas motivações têm interpretação extensiva, com julgamento em instância superior que garantiu a liberdade provisória, perdida por conta de prisão preventiva, decretada em primeira instância. Razão, tenha ou não os meninos, a serpente aqui fez seu efeito venenoso, e com outro anti-virus, eles caíram numa armadilha - fascínio da comunicação - que os profissionais de imprensa sabem farejar, fazendo-o com muita competência, traduzindo-se, na consciência coletiva, como quarto poder. Essa estória de poder de imprensa parece com a história da raposa que foi incendiada e direcionada para o meio do milharal, em época de palha seca, ou colheita, incendiando o sustento do inimigo, matando-os de fome. As vítimas contam suas histórias para alguns repórteres, não sabendo das consequências servidoras de provas para o incendiário, o que não pode ser assim, caso contrário como prevalecer o direito de manifestação dignificada pelo inciso IV, da CF. Apesar desta aparente autorização de manifestação da expressão verbal, sem saber como tirar proveito da comunicação, mas servindo de prova para o chamariz do notório clamor público, ou paralelo que o valha, a verdade é que os exemplos negativos de vida são iníquos, e a conseqüência é uma coletividade reproduzindo o que achar como digna uma iniqüidade iniciada em Caim, reproduzindo-se em seus descendentes, por eras afora. Como este preferiu fugir do arrependimento, fugindo da presença digna do próprio Deus – Gen 4:14,16 - como toda uma casta costuma dizer, que “não se arrepende do que faz”. Diante de tal empirismo, presume-se que tem muita gente utilizando esta frase como princípio, sem saber a verdadeira origem, atraindo multiplicidades de maldições sociais, forçando a rigidez da lei, cada vez maior, claro que nunca de forma eficaz, mas equilibra em parte, motivo pelo qual é de se perceber que os verdadeiros homens de boa vontade – portadores do cajado da justiça, ainda que perfectível - detém os melhores princípios, os quais estão depositados na eternidade, empiricamente, ipsis literis, é o que se constata na motivação de Lameque quando se orgulha, na presença de suas duas mulheres, de ter matado um homem porque lhe feriu e um rapaz porque lhe pisou – Gen 4:23 – Sem domínio próprio quando Deus julgava, sem domínio próprio quando o Estado assume; mas o controle estatal justifica melhor a justiça entre os homens, afinal a própria palavra dá o melhor comando: “O homem foi feito para dominar até sôbre seus próprios sentimentos”, seus prazeres pessoais; isto é domínio próprio, e quando isto não acontece, apesar da utilidade que oferece, termina sendo manipulado pelo espírito dos interesses pessoais, traduzido pela vantagem, esperteza, empiricamente concentrados no conceito iniqüidade, iniciado com a semente da serpente, resultando no efeito dragão, socialmente é um princípio para comparação e avaliação de como escolher valores para o cuidado de nossos filhos, nossos pares próximos ou distantes. A piedade não seria uma medida inicial, como valor inverso da iniqüidade para se evitar o efeito dragão? É uma proposta a ser viabilizada - anjoandradefilho@hotmail.com

Por que na decisão promotor está com a inicial ...

Matheus Couto (Advogado Autônomo)

Por que na decisão promotor está com a inicial maiúscula e defensor minúscula?

Infelizmente, não consegui entender os motivos ...

Evandro Camilo Vieira (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Infelizmente, não consegui entender os motivos que levaram a decretação da prisão. Não gostaria de vê-los na rua, mas com uma fundamentação destas acho difícil a sua manutenção. Ora, aplicação da lei penal??? Será que a réu confesso é proibido sonhar com seu futuro em liberdade??? Realmente, gostaria que a prisão preventiva fosse decretada com outros fundamentos mais concretos. Tudo passa de muito imaginação!!!

O Estado manda o cidadão para a cadeia na esper...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

O Estado manda o cidadão para a cadeia na esperança de que ele, ou morra lá dentro, ou saia não servindo para mais nada. Os irmãos ficaram um tempo no corredor da morte, no matadouro público de suinos e, milagrosamente, sairam com um pouco de esperança no futuro, vindo a cair na armadilha da imprensa, acabando por exteriorizar seus sonhos, que receberam a interpretação das mais deturpadas, a ponto de servirem para o retorno à destruição. Na Roma antiga, das galerias ouviríamos o mata, mata, mata, eco que chega até nós e tem aumentado o coro, mata, acaba, mata acaba...Parabéns, foi feita a necessária vingança, a turma do mata mata pode ficar tranquila, pois para onde o Estado mandou-os o mata mata é bem devagarinho, aos poucos, um pouquinho por dia. Fiquem tranquilos. E tem mais, os pais dos rapazes também vão pagando aos poucos, o que se afirma para tranquilizá-los, senhores mata mata.

Caro Dr. Rossi Vieira, Além da arrogância, é...

Comentarista (Outros)

Caro Dr. Rossi Vieira, Além da arrogância, é indiscutível que a entrevista foi de "péssimo gosto". Porém, vale a pena lembrar que arrogância e péssimo gosto não são tipos penais no Brasil. Fosse assim, não haveria cadeia para tanta gente... Por outro lado, para finalizar e seguindo a mesma linha de raciocínio, para se fazer justiça (!), ter-se-ia então que prender também o repórter que os entrevistou por conduzí-los a uma entrevista tão mesquinha do ponto de vista jornalístico e da boa-fé do povo que sintonizava a tal rádio. Quiçá, o proprietário da rádio também haveria de responder por co-autoria do "péssimo gosto" jornalístico... Tirando isso, o resto é cerceamento de um direito básico do cidadão (muitas vezes suprimidos por diversas e inumeráveis razões no mundo todo e durante toda a história da humanidade), ou seja, a liberdade de expressão.

Evidentemente é cabível a ação mandamental de h...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

Evidentemente é cabível a ação mandamental de habeas corpus. O menino não deixou o país. Deu uma entrevista de péssimo gosto, corroborada pelo repórter da jóvem pan. Pagará o preço com a prisão. Nunca vi isso no mundo jurídico. De qualquer forma parabéns ao Ministério Público, está fazendo um trabalho atento e limpo. Quanto a decisão, é assustadora, tal qual aquela que colocou os meninos na rua. Não gosto de palpitar em casos alheios, tampouco conheço os advogados...mas cabe um habeas ou até uma reclamação no STJ. E se presos estão preventivamente, pergunta-se: e o julgamento ? quando será ?

Tirando-se, obviamente, a hediondez do crime, e...

Comentarista (Outros)

Tirando-se, obviamente, a hediondez do crime, esse é - talvez - o primeiro caso pátrio em que se determinou a prisão de alguém por causa de uma simples entrevista no rádio. Do ponto de vista da liberdade de expressão (já que dar entrevista não é considerado crime no país), é um retrocesso inominável...

O que o juiz percebeu agora é o que qualquer ou...

Dalben (Advogado Autônomo)

O que o juiz percebeu agora é o que qualquer outra pessoa, com o mínimo de conhecimento jurídico já sabia de antemão. Sem dúvida alguma, foi a maior aberração jurídica, um verdadeiro crime contra a lei penal, a liberaçao do trio para que esperassem o julgamento em liberdade. A liberaçao do trio apenas demonstrou como é falho o sistema judiciário quando na apreciação de algum caso concreto. Matou-se o pai; matou-se a mãe, com requinte de perversidade a toda prova. Só pelo assassinado dos pais, por si só, já seria um crime diabólico. Como expedir Alvará de Soltura para essas pessoas? Já disse aqui e volto a reiterar: Não é preciso ser excelente advogado para advogar na área penal. A maioria dos juizes já agem como se advogado de defesa fossem. No mesmo período em que o trio matou os pais uma senhora ficou presa, sem possibilidade de responder em liberdade, por ter coemtido um furto simples de produto de higine. Ou seja, pode-se matar. Furtar, em hipótese alguma. O que estamos assistindo hoje no judiciário, não chegou ainda no estágio da brincadeira de julgar, mas logo, logo, chegaremos. Vale lembrar há quantos anos atrás um jornalista (se não me engano do "Joarnal o Estado" matou sua namorada?. Até hoje, nada de concreto foi feito pela justiça. Os únicos que pagaram pelo crime foi a que morreu e seus familiares. É como se ela nunca estivesse existido. Tudo isso nos faz ver porque se mata com tanta facilidade neste pobre país, onde as leis sao ignoradas, até em caso de homicidio e latrocínio. Quem sabe um dia a justiça mostre para que serve. Essa contemporanea, certamente nao serve. Pelo menos às pessoas honestas.

Comentar

Comentários encerrados em 1/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.