Consultor Jurídico

Execução milionária

BB não consegue suspender execução de R$ 14 milhões

O Banco do Brasil não conseguiu suspender a execução de uma sentença da 1ª Vara Cível de Ilhéus (BA) que impôs ao banco condenação de mais de R$ 14 milhões. O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Edson Vidigal, decidiu não apreciar o pedido de liminar em Medida Cautelar do BB, por entender que o caso não é urgente.

O banco perdeu uma ação de execução de título extrajudicial e foi condenando a pagar os honorários advocatícios fixados em 20% do valor da causa, o que resultou no montante de mais de R$ 14 milhões. Inconformado com a penhora em dinheiro, o BB fez uso de todos os recursos disponíveis, até chegar a um Agravo de Instrumento em Recurso Especial, que foi negado. O banco, então, ajuizou Ação Rescisória, sobre a qual incidiu o pedido de Medida Cautelar.

O ministro Vidigal sustentou que a concessão de efeito suspensivo à ação rescisória se admite apenas em situações excepcionais. No caso, o presidente entendeu que não há urgência de apreciar a liminar na ausência do relator da Ação Rescisória, ministro Jorge Scartezzini, que já havia negado seguimento ao pedido. Assim, o ministro Vidigal determinou que, ao término do recesso forense, os autos sejam remetidos ao relator.

MC 11.035




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de janeiro de 2006, 11h35

Comentários de leitores

1 comentário

O ministro Vidigal, assim como o ministro Scart...

Fernando Lima (Advogado Assalariado)

O ministro Vidigal, assim como o ministro Scartezzini, preservam, assim, os direito da advocacia. Se os honorários são altos, é porque o êxito foi grande. Não se pode punir o advogado pelo excesso de competência.

Comentários encerrados em 21/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.