Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime insignificante

Justiça tranca ação de acusada de tentar furtar xampu

Por 

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu suspender a ação penal que tramita contra uma acusada de tentar furtar um frasco de xampu e outro de condicionador, avaliados em R$ 11,98. A decisão, liminar, é do desembargador Luiz Carlos Ribeiro dos Santos, presidente da Seção Criminal do TJ paulista.

Segundo os autos, Viviane Liborio de Moraes foi denunciada nos artigos 14 e 155 do Código Penal, em agosto de 2005. Presa e autuada em flagrante, Viviane foi colocada em liberdade depois de três dias da prisão.

A denúncia foi oferecida e aceita em outubro de 2005 e a audiência marcada para 6 de março deste ano. Para suspender o andamento da ação, o advogado da acusada, Luiz Ronaldo Silva, ingressou com pedido de Habeas Corpus.

Alegou que “o contexto dos autos revela que não há necessidade, razoabilidade ou utilidade para prosseguimento da ação”, por se tratar de crime de bagatela. “Não houve agressão, emprego de arma e tampouco violência contra a pessoa, além de que a paciente negou veementemente a prática delituosa”, sustentou.

Luiz Ronaldo Silva ainda afirmou não ser “justo que a paciente responda a uma ação penal que, fatalmente, culminará com sua absolvição. Não há necessidade para que o Poder Judiciário se movimente para apurar um crime tão insignificante, valendo dizer que a Justiça tem muito mais a se ocupar do que cuidar de coisas de tal espécie”.

O desembargador Luiz Carlos Ribeiro dos Santos acolheu o argumento e suspendeu a ação, até julgamento final do pedido de Habeas Corpus. Cabe recurso da decisão.

Precedentes

De acordo com o advogado criminalista Eduardo Mahon, a grande briga no processo penal atualmente é sobre a desproporção com que o acusador trata os fatos tipificados por ele mesmo. Ou seja, o Ministério Público oferece denúncia quando sabe que o delito se enquadra no princípio da bagatela.

“Este tipo de oferecimento de denúncia já é desproporcional por três razões: ausência de potencial lesivo, retirando a culpabilidade do fato narrado; eventual estado de necessidade da família e aplicação do princípio da insignificância; inexigibilidade de conduta diversa — frente às circunstâncias de uma família necessitada”, explica.

No entendimento do juiz Olavo de Oliveira Neto, no julgamento de um dos processos que envolvia a matéria, “o pequeno valor dos bens subtraídos e a ausência de qualquer prejuízo para a vítima autoriza o reconhecimento e aplicação do denominado princípio da insignificância”.

Chegaram até o Superior Tribunal de Justiça e o Supremo Tribunal Federal casos de furto de frangos, bicicleta, bonés, fita de vídeo game, sandálias, frascos de desodorantes e xampu. O que se vê é que o STJ e o Supremo cada vez mais aplicam o princípio da bagatela nos julgamentos de furtos que não causam danos. Assim, a Justiça Estadual vem seguindo a orientação.

Exemplo é o caso do juiz Wilson Safatle Fayad, da 11ª Vara Criminal de Goiânia (GO), que rejeitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público contra um preso em flagrante tentado furtar meio quilo de fios de cobres avaliados em R$ 12. O mesmo juiz concedeu liberdade a um acusado de furtar algumas barras de chocolate em um supermercado.

Num outro caso, o Superior Tribunal de Justiça concedeu Habeas Corpus a um condenado a dois anos de detenção pelo furto de R$ 0,15. No mesmo sentido, a 6ª Turma, em outro julgamento, concedeu liberdade a dois homens que respondiam processo pelo furto de seis frangos congelados de um frigorífico no interior de São Paulo.

Também chegou até o Supremo o pedido de HC de um condenado a dois anos de prisão por ter furtado um boné. A ação foi suspensa pelo ministro Celso de Mello. O furto de 21 abóboras também chegou a Justiça gaúcha. No caso, os desembargadores do Rio Grande do Sul absolveram os homens acusados.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 27 de fevereiro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

7 comentários

Eu gostaria de tirar uma dúvida, por curiosidad...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

Eu gostaria de tirar uma dúvida, por curiosidade, já que não sou da área criminal. ´Quando há um furto famélico ou crime de bagatela, qual seria o fundamento para não prender ou processar o indivíduo? Pode se sustentar que há constrangimento ilegal por falta de justa causa? Pq é valor ínfimo? Ou estado de necessidade, se for para comer? Mas e se não for pra comer, como um xampu? Onde está o fundamento ou qual seria o fundamento? Aliás, qual é o fundamento para o principio da insignificância? Alguém pode me ajudar?

Delegar à vitima, o direito de representação, n...

Silvio Venâncio (Estudante de Direito - Criminal)

Delegar à vitima, o direito de representação, nos casos em que pode-se aplicar o principio da insignificância ou bagatela, seria uma boa solução, pois não abriria precedentes para impunidade e crueldade, de uma condenação por conta de delitos considerados "leves". Que as prisões hoje em dia são consideradas Universidades do crime, isso não nos resta dúvida, mas podemos considerar também que se uma pessoa furta, por mais que insignificante seu objeto, furtou, se assim não for penalizada de alguma forma, há grandes proporções de cometer outros delitos, uma vez que esse determinado agente se "acostumará" em não ser punido, por esses e outros motivos, reforço minha opinião, que a persecução penal, nesses casos deve ser transferida à vitima, ou seja, mediante a sua representação ou não.

A repressão às infrações penais mediante a impo...

BARROS (Delegado de Polícia Estadual)

A repressão às infrações penais mediante a imposição de pena, em qualquer uma de suas modalidades, em nosso país, vai muito além de reprimir o condenado pelo gesto anti-social e servir de profilaxia. Na verdade, ao Judiciário brasileiro também está sendo reservada a tarefa de analisar se a imposição da pena não trará, ao condenado, malefícios capazes de o conduzirem a um estágio pior àquele em que se encontrava antes do cumprimento da pena imposta. É cediço que a aplicação das penas alternativas em nosso país é uma falácia, especialmente quando não temos sequer meios para exigirmos o cumprimento das penas mais graves (prisão, p.ex.). Ainda milito na tese de que se reservassemos à vítima o direito de deflagrar a persecução penal em situações do gênero, seria o início de um caminho. Já tive oportunidades que ser obrigado a lavrar autos de prisões em flagrante delito contra a vontade de vítimas, que as vezes, abandonaram a Delegacia ou se recusaram a depor.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/03/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.