Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Passagem de fios

Concessionária não tem de pagar pelo uso de bens públicos

Concessionárias de serviço público de energia elétrica não devem pagar ao município pela utilização de bens públicos. O entendimento é da 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça que acolheu ao recurso da RGE — Rio Grande Energia para afastar a cobrança de “retribuição pecuniária” instituída pelo município de Parobé (RS).

A RGE entrou com pedido de Mandado de Segurança para afastar a incidência da Lei Municipal 1.912/02 que instituiu a cobrança pela utilização do bem público pela concessionária ao fazer a passagem de cabos e fios.

Para o ministro Castro Meira, relator, a “remuneração pecuniária” não se encaixa no conceito de taxa ou preço, pois não há serviço prestado pelo município ou exercício de poder de polícia. Também, destacou o ministro, ao “ceder” o espaço aéreo e o solo para a instalação de postes e passagens de cabos transmissores de energia elétrica, não desenvolve atividade empresarial, seja de natureza comercial ou industrial.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul havia considerado legítima a cobrança de remuneração pelo uso de bem público, ainda que de uso comum, do povo.

No STJ, a RGE argumentou que é vedada a cobrança de quaisquer valores dos concessionários de serviços públicos de energia elétrica para a utilização das faixas de domínio de rodovias e de terrenos de domínio público por linhas de transmissão, subtransmissão e distribuição de energia elétrica.

Resp 694.684

Revista Consultor Jurídico, 20 de fevereiro de 2006, 11h40

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.