Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mera desconfiança

Suspeito de fraude em medidor não pode ter luz cortada

Companhia de fornecimento de energia elétrica não pode cortar energia de acusado, sem provas, de alterar o relógio medidor. O entendimento, unânime, é da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Goiás que manteve sentença da Justiça de Rio Verde.

A decisão concedeu a Nelson Guimarães Borges o direito de não ter a energia elétrica de sua residência cortada pela Celg — Companhia Energética de Goiás pelo não-pagamento de uma dívida de R$ 3,7 mil, desencadeada, segundo a empresa, por violação do relógio.

O desembargador Zacarias Neves Coelho observou que não há provas nos autos de que a suposta violação tenha sido causada pelo cliente e de que a ele tenha sido oferecida ampla defesa no procedimento administrativo instaurado para apurar a fraude.

Segundo os autos, Nelson foi autuado pela companhia por violação de medidor de energia, com suspeita de fraude, apurado em levantamento feito pela própria empresa, sem a presença do impetrante, que constatou o gasto 13.566 KWH, num período de 69 meses. Nelson alegou não ser o devedor, pois quando comprou o imóvel, em 1997, o relógio já havia sido violado e que não tinha conhecimento da fraude.

Para o relator, a constatação da fraude requer um detalhamento técnico e devidamente comprovado, proporcionando à parte oportunidade de se defender, em atenção aos princípios do contraditório e ampla defesa. Caso contrário, observou Coelho, o corte no serviço de fornecimento de energia elétrica por parte da concessionária, sem dúvida alguma, configura medida arbitrária e ilegal, com o intuito de coagir o devedor ao pagamento da suposta dívida.

Leia a ementa:

"Apelação em Mandado de Segurança. Corte no Fornecimento de Energia Elétrica. Ilegitimidade Passiva. Autoridade Coatora. Suposta Fraude no Medidor de Consumo.

I- Considera-se autoridade coatora, figurando como parte legítima no pólo passivo do mandado de segurança, o chefe do escritório regional da Companhia Energética de Goiás - Celg, posto que ordenara a execução do ato impugnado, dispondo de atribuição para responder por suas conseqüências administrativas.

II - No mandado de segurança é suficiente a notificação da autoriade apontada como coatora, tornando-se desnecessária a citação da pessoa jurídica a que o impetrado está vinculado. Todavia, se o presidente da pessoa jurídica, pessoalmente, comparece aos autos e defende a legalidade e legitimidade do ato questionado, torna-se, também, parte legítima para responder à ação.

III - Ante a ausência de prova inequívoca que atribua ao impetrante a prática de fraude no medidor de consumo, a ameaça ou o corte do fornecimento de energia elétrica verifica-se medida arbitrária e ilegal, com o escopo de coagir o devedor ao pagamento de dívida apurada unilateralmente pela empresa concessionária. Remessa e apelo conhecidos e desprovidos".

Duplo Grau de Jurisdição nº 11097-2/195 - 200500956205, publicado no Diário da Justiça em 24 de janeiro de 2006.

Revista Consultor Jurídico, 15 de fevereiro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 23/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.