Consultor Jurídico

Comentários de leitores

13 comentários

Realmente há bons e maus profissionais em qualq...

Alan (Procurador Autárquico)

Realmente há bons e maus profissionais em qualquer atividade e carreiras públicas, inclusive no MP e Magistratura, de modo que alguns privilégios não podem ser aceitos ao argumento de independência funcional ou algo semelhante. Ao se permitir que supeitos de crimes sejam investigados pelos próprios colegas de instituição e não por um outro órgão imparcial, no meu entender, já está a se preparar a massa da pizza. Tal escrecência, por mais que se argumente ser pequena e restrita a alguns casos isolados, prescisa ser imediatamente revista. O câncer também começa pequeno e imperceptível e de repente pouco pode se fazer para evitar a morte.

E ainda há quem tenha coragem de erigir o Minis...

BARROS (Delegado de Polícia Estadual)

E ainda há quem tenha coragem de erigir o Ministério Público, como o "salvador da pátria". Pois é, defeitos, todas as instituições tem, umas com defeitos mais graves, outras com defeitos menos graves. Já é passada a hora de se extirpar do nosso pais, legislações protecionistas, como as do M.P. que impede, por exemplo, que seus membros sejam investigados pela Polícia, como todo mortal, que seus membros sejam demitidos, observadas as formalidades legais, também como qualquer outro funcionário público pode ser. A quem interessa esconder a verdade . . . No episódio em destaque, o próprio Conselho Nacional do M.P. deveria investigar, a Assembléia Legislativa também, o Judiciário, idem e a Polícia, se pudesse, já deveria ter aberto inquérito policial, tudo no afã de se apurar se tais indícios levam a alguém ou a alguma coisa.

Acato, "in totum", a manifestação da Associação...

Luís da Velosa (Advogado Autônomo)

Acato, "in totum", a manifestação da Associação Paulista do Ministério Público. A sociedade há de separar o joio do trigo. O Ministério Público presta relevantíssimos serviços à democracia, à justiça, ao país. Devemos venerar o "parquet". A ingratidão é o pior vício do caráter humano, portanto, inaceitável.

Se o que a revista Veja publicou é verdade, est...

Rodrigo Moura Soares (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Se o que a revista Veja publicou é verdade, está provado que o MP é tão corporativista quanto as outras entidades contra as quais o próprio MP luta, o que não me espanta nem um pouco, em face das espalhafatosas ações praticadas por seus membros, sempre na presença da imprensa. O MP deveria, para limpar a mancha que recaiu sobre ele neste momento, chamar a imprensa para participar das investigações e depoimentos que envolvem o caso Blat. Mas, lógico, isso jamais irá acontecer, e o "nobre" promotor, continuará livre, leve e solto.

Acredito, pessoalmente, que uma instituição sér...

Sandra Paulino (Advogado Autônomo)

Acredito, pessoalmente, que uma instituição séria, como a Polícia Militar, por exemplo, havendo suspeita contra um de seus integrantes, posta em termos, MANDA INVESTIGAR TUDO! Quando se fica 'ao sabor da onda' corre-se o risco de ter que agüentar o disse-me-disse exatamente igual ao gerado e noticiado pela revista. Que esse periódico é revanchista e lhe falta isenção, toda a molecada da escola da esquina já sabe. Mas, contra fatos... não há argumentos. Deva ou não deva, o promotor em questão acabou arranhando TODA a Instituição e sabemos, como TODAS as demais, têm na sua maioria, gente séria e muito trabalhadora. Agora, que há distinções no tratamento de determinadas questões, isso é inegável, fato óbvio e notório, dispensável a prova. Sandra Paulino

O problema não é o MP, nem de São Paulo, nem o ...

Luciana (Advogado Autônomo)

O problema não é o MP, nem de São Paulo, nem o Federal e nem de qualquer outro Estado, o problema são aqueles que utilizam a nobre função pública como escada para ambições políticas. Quem trabalha seriamente não precisa de palanque, de holofote e os promotores/procuradores que vivem atrás da atenção da mídia não passam de políticos rastaqueras travestidos de membros do MP, uma lástima e uma vergonha para a maioria que cumpre seu papel com afinco e dedicação, sem lançar mão de expedientes escusos ou favorecimentos para ficar em evidência. Quando vejo um desses procuradores/promotores dando entrevista na televisão, nos jornais e nas rádios por qualquer mínima coisa que façam, comparecendo até em batizado de boneca, fico com o pé atrás, cinte que, dentro em pouco, ele se candidatará a algo. A questão é: por que o sujeito não entra logo para a política sem antes usar o MP como trampolim?

É no mínimo curioso que os ilustres defensores ...

Willson (Bacharel)

É no mínimo curioso que os ilustres defensores do MP paulista não toquem naquilo que para a sociedade é crucial: Se há ou nao indícios suficientes para que se aprofundem as investigações a respeito do caso Blat. Afinal, o ministério público tem-se colocado como o último bastião da moralidade e da transparência, buscando apurar todas e quaisquer irregularidades ocorridas no seio das demais instituições. Deveria, então dar o exemplo que realmente o dignificará, apurando a verdade até as últimas conseqüências, mesmo que para isso tenha que cortar na própria carne. É isso que o dignificará, e não essas tentativas inócuas e corporativistas, de eliminar os holofotes impiedosos, porém necessários, da imprensa. Coerência, já!

A reportagem da revista Veja é um absurdo. Não ...

José Cláudio (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

A reportagem da revista Veja é um absurdo. Não tem o a revista o direito de macular a imagem do Ministério Público de São Paulo, instituição série e que serve de paradgma para muitas outras. No mínimo, irresponsável a tentativa de se colocar em dúvida a integridade e honestidade do Procurador Geral de Justiça. (Advogado Criminal)

A revista Veja cumpriu seu papel Constitucional...

Carlos José Marciéri (Advogado Autárquico)

A revista Veja cumpriu seu papel Constitucional. Pela nota da APMP não é possível extrair se o Procurador Geral é ou não associado e qual atitude a APMP irá adotar, de defesa dos associados ou de busca da apuração dos fatos noticiados pelo semanário.

Ainda não consigo entender como a revista Veja ...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

Ainda não consigo entender como a revista Veja sobrevive. Há anos não assino Veja. As reportagens policialescas são um abuso à democracia do Brasil. Não se trata de calar a imprensa. Trata-se de colocar com transparência ou não uma notícia. Manchar a vida de um cidadão, sem o devido processo legal, além de crime é imoral. Quebre-se o sigilo da editora e não dos cidadãos honestos e trabalhadores. Invadir a vida, a privacidade e intimidade de um ser humano não é tão simples como fazer receita de bolo e reportagens desse nível. O Ministério Público Paulista é a instituição mais séria desse país, apesar de algumas falhas materiais e humanas concebidas pelos holofotes de alguns de seus integrantes, a colaborar, inclusive, com a revista Veja. Fora isso, o MP paulista tem feito seu trabalho com segurança e combatividade, no dia a dia da lide forense. Otavio Augusto Rossi Vieira advogado criminal em São Paulo

O MP é uma instituição e não pode ser responsab...

Alexander Soares Luvizetto (Advogado Autônomo - Empresarial)

O MP é uma instituição e não pode ser responsabilizado genericamente por atos de um membro de seus quadros, mesmo que seja o Procurador-geral. Nesse ponto, apóio a manifestação da APMP. Contudo, o Brasil sofre gradativamente com a cristalização das instituições. Atribuem-se poderes e regalias anômalas ao algumas classe de servidores, como os juízes, promotores e delegados, estes que deveria justamente dar o exemplo de isenção.

E.T.: Coitado de outros que cometessem "eventua...

olhovivo (Outros)

E.T.: Coitado de outros que cometessem "eventuais deslizes": ação penal, improbidade, barulho na mídia e tudo que tem ou não tem direito.

Esse caso me faz lembrar de dois conhecidos pro...

olhovivo (Outros)

Esse caso me faz lembrar de dois conhecidos provérbios populares:primeiro, "quem com ferro fere, com ferro será ferido"; segundo, "pimenta nos olhos dos outros é refresco".

Comentar

Comentários encerrados em 23/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.