Consultor Jurídico

Artigos

Garantias constitucionais

Celso de Mello é o guardião das prerrogativas dos advogados

Comentários de leitores

4 comentários

Francamente, fico impressionado com a capacidad...

João Bosco Ferrara (Outros)

Francamente, fico impressionado com a capacidade de algumas pessoas em compreender um texto pelo avesso, enxergando nele o que não está escrito. Acho que isso deve designar-se por interpretação criativa, pois o intérprete sai do texto para afirmar que transmite algo que somente seus olhos são capazes de ver. Exemplo vibrante desse fenômeno, ou melhor, dessa extravagância, está no comentário do Procurador 'dbistene'. Das duas uma: ou não tem sérios problemas com a língua portuguesa e não sabe ler, ou sabe, mas não entende o que lê. Qualquer das duas opções traduzem um vício crônico observável atualmente em todas as camadas sociais. Parece até que estamos num Torre de Babel. O comentário da marina transporta uma idéia completamente diferente daquela que foi ‘captada’ pelo ‘dbistene’. Com a palavra a própria marina... Agora, como será que um Procurador, que dá mostras de não entender o que lê, irá defender os interesses de qualquer pessoa, quanto mais de um Estado federado? O mundo está de cabeça para baixo...

Marina, será que você já cogitou da hipótese de...

dbistene (Procurador do Estado)

Marina, será que você já cogitou da hipótese de que, no mínimo às vezes, pode ser que o direito que você queria ver reconhecido talvez não exista? Um processo tem pelo menos dois lados, cada cada qual com seu advogado, que, em tese, acha que o seu cliente tem razão, mas um dos dois vai ter que perder... É hora de baixar um pouco a neura e achar que sempre que o seu cliente perdeu é porque o juiz é vendido ou covarde!

"Um juiz não pode viver escondido nas sombras d...

Marin Tizzi (Professor)

"Um juiz não pode viver escondido nas sombras da pusilanimidade". Bela frase, mas a infeliz realidade mostra que a maioria dos juízes, inclusive de tribunais, sofre dessa mazela. Entre reconhecer um direito e manter-se imune à crítica midiática, a maioria opta pela pela segunda opção. É mais cômodo.

Ilustríssimo Dr. Paulo Sérgio Leite Fernandes, ...

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Ilustríssimo Dr. Paulo Sérgio Leite Fernandes, “Permissa venia” faço minhas as vossas palavras. O emérito Ministro, saído das fileiras do Ministério Público, nunca perdeu de vista a importância secular da advocacia. Por isso encarna a atitude de guardião da nobre classe. Mas não tenho dúvida, os mais vigorosos bastiões somos nós mesmos, os advogados que exercemos a advocacia com idealismo, norteados por um desejo de construir uma terra e uma sociedade melhor para as gerações futuras, onde não medrem arbitrariedades, excessos, abusos de poder ou de autoridade, em que os advogados sejam encarados como necessários pelo lavor que desenvolvem e pelas lutas empenhadas em prol da democracia, da liberdade, na defesa dos direitos individuais e coletivos fundamentais, em que juízes e promotores não tenham o vezo de transformar as questões que se lhes são postas, em questões pessoais, não encarem o advogado como seu mais feroz inimigo, não nutram sentimentos rebaixados de vindita ou retaliações contra advogados só porque a razão às vezes se manifesta de modo candente no debate forense, que saibam discernir quão majestoso é a advocacia, e não se desviem do compromisso ético de aplicar a lei, evitando a todo custo praticar o terrorismo de prejudicar o cliente do advogado para atingir a este. Infelizmente alguns magistrados ingressaram na profissão e nela se perderam. É lastimável ligar a televisão e assistir um Desembargador afirmar para o apresentador Jô Soares que há muitos juízes acometidos de juizite. Não poderia haver nada mais sintomático. Aliás, o próprio Ministro Marco Aurélio Mello, colega do preclaro Ministro Celso de Mello, reconheceu o mesmo vício em sessão solene do Excelso Pretório. Eminente Professor Paulo Sérgio, permita chamá-lo assim, pois é o nosso professor de todos os dias, máxime no que atina com a defesa das prerrogativas do advogado, alinho-me ao seu lado, na sanha em favor da advocacia, pois infelizmente alguns colegas não sabem exatamente o que é ser ADVOGADO. Devem ser perdoados, pois não é culpa deles, pelo menos não totalmente. A história há de exaltar com panegíricos frondosos quem é o Dr. Paulo Sérgio Leite Fernandes, sempre preocupado com o bom exercício do direito, das liberdades civis, e a importância do Advogado em todo contexto social. Presto, pois, publicamente, minhas veementes reverências ao nobre Advogado, e afirmo serem pessoas como V.Sa. que me inspiram o orgulho de também ser advogado. (a) Sérgio Niemeyer Advogado - Mestre em Direito pela USP - Professor de Direito - Palestrante - Parecerista sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Comentar

Comentários encerrados em 29/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.