Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime de Bragança

Justiça acata denúncia contra réus de homícidios em Bragança

Joabe Severino Ribeiro e Luis Fernando Pereira, réus confessos de terem assassinado três pessoas em Bragança Paulista (SP), vão responder por roubo seguido de morte, agravado. A decisão é do juiz, Marco Mattos Sestini, da 2ª Vara Criminal de Bragança, que acatou denúncia do Ministério Público de São Paulo. O juiz manteve os dois em prisão preventiva e marcou para o dia 23 de janeiro o interrogatório dos acusados.

Na denúncia os promotores justificam o pedido da manutenção da prisão preventiva dos denunciados por presença de indícios de autoria, crime hediondo, garantia da ordem pública, conveniência da instrução criminal e aplicação da lei penal.

Ribeiro e Pereira são acusados de seqüestrar e matar o casal de comerciantes, Leandro Donizete de Oliveira, Eliana Faria da Silva, e o filho deles, Vinicius Faria de Oliveira.

O crime ocorreu em Bragança Paulista, por volta de 1 hora do dia 10 de dezembro. Os dois acusados invadiram a casa da família, dominaram as vítimas e as conduziram à casa de Luciana de Oliveira Dorta, gerente da loja Sinhá Moça, de propriedade do casal.

Em seguida foram com as vítimas à loja, obrigaram a abrir o cofre de onde retiraram R$ 20 mil. Depois do assalto, levaram os quatro reféns para a estrada velha Bragança-Atibaia, imobilizaram as vítimas dentro do carro e o incendiaram. Luciana, a única sobrevivente, ainda conseguiu retirar o garoto do carro em chamas, mas ele morreu dias depois. Ela teve 70% do corpo queimado.

Os assaltantes estão presos em cela do "seguro" na Penitenciária Doutor Antonio de Souza Neto, a P II, de Sorocaba. O presídio, localizado no bairro de Aparecidinha, a 15 km do centro, é considerado de segurança máxima.

Revista Consultor Jurídico, 21 de dezembro de 2006, 12h16

Comentários de leitores

1 comentário

Ainda reina a Justiça. Mais no caso do Jornali...

Zito (Consultor)

Ainda reina a Justiça. Mais no caso do Jornalista Pimenta Neves, ele esta mesmo solto. Graças a interpretação do STF.

Comentários encerrados em 29/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.