Consultor Jurídico

Subsídios vetados

Voto do ministro Carlos Britto sobre aumento de parlamentares

Aumento de salários de parlamentares depende de decreto legislativo específico, aprovado pelo plenário da Câmara e do Senado. O entendimento é do ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Aiyres Britto, relator no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade contra o Decreto 444 de 2002, que autorizava as mesas diretoras da Casa Legislativas a fixar subsídios para os parlamentares. “Com este propósito, e num juízo tenho que a denunciada equiparação salarial se fez em descompasso com a Constituição Federal”, ressalta Britto.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi proposta pelo PPS. O partido pediu a declaração de inconstitucionalidade do Decreto 444. O dispositivo autorizava as mesas diretoras das Casas Legislativas a fixar aumento de 91% aos parlamentares.

No Julgamento, por 6 votos a 4, o Pleno do STF entendeu que o Decreto Legislativo 444/2002 já havia sido revogado pela Emenda Constitucional 41/2003 e não conheceu da ADI.

Leia o voto do ministro Carlos Britto


MED. CAUT. EM AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.833-8 DISTRITO FEDERAL
RELATOR MIN. CARLOS AYRES BRITTO
REQUERENTE PARTIDO POPULAR SOCIALISTA - PPS
ADVOGADO( BRUNO VELOSO MAFFIA E OUTRO(A/S)
REQUERIDO( CONGRESSO NACIONAL


R E L A T Ó R I O

O SENHOR MINISTRO CARLOS AYRES BRITTO (Relator)

Cuida-se de ação direta de inconstitucionalidade, ajuizada pelo Partido Popular Socialista – PPS e tendo por alvo o Decreto Legislativo Federal de nº 444, de 19 de dezembro de 2002.

2. O ato legislativo sob censura está assim redigido:

DECRETO LEGISLATIVO Nº 444, DE 2002.

Dispõe sobre a remuneração dos membros do Congresso Nacional durante a 52ª Legislatura.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Até que seja aprovada a lei de iniciativa conjunta de que trata o art. 48, XV, da Constituição Federal, a remuneração dos Membros do Congresso Nacional corresponderá à maior remuneração percebida, a qualquer título, por Ministro do Supremo Tribunal Federal, incluídas as relativas ao exercício de outras atribuições constitucionais, e se constituirá de subsidio fixo, variável e adicional

§ 1º Na aplicação do disposto no caput, ficam, mantidos os critérios de pagamento e a proporção entre subsídios fixos e variáveis e adicional fixada pelo Decreto Legislativo nº 7, de 1995, cuja vigência foi prorrogada pelo Decreto Legislativo nº 7, de 1999.

§ 2º As Mesas do Senado Federal e da Câmara dos Deputados regularão, em ato conjunto, a aplicação deste Decreto Legislativo.

Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação, produzido efeitos financeiros a partir de 1º de fevereiro de 2003.

Senado Federal, 19 de dezembro de 2002. Senador Ramez Tebet, Presidente do Senador Federal.

3. Pois bem, o autor sustenta que o modelo normativo impugnado fere o inciso XIII do artigo 37 da Constituição Federal. Dispositivo, esse, que proíbe “a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público”. Acrescenta que, ao atrelar o nível de remuneração dos Deputados Federais e Senadores ao subsídio de um ministro do Supremo Tribunal Federal, paritariamente, fazendo-o sem prévia dotação orçamentária, o Decreto Legislativo nº 444/02 também ofende o inciso I do § 1º do artigo 169 da Lei Maior.

4. Prossigo para averbar que, após declinar os fundamentos jurídicos da presente ação constitucional, o Partido Popular Socialista pediu que fosse declarada a inconstitucionalidade do decreto legislativo em causa.

5. Já em sede de medida cautelar, o acionante requereu a suspensão dos efeitos do ato posto em xeque, até o julgamento de mérito deste processo. E é precisamente esse pedido prévio que trago à apreciação deste Plenário.

É o relatório.

V O T O

O SENHOR MINISTRO CARLOS AYRES BRITTO (Relator)

Começo o meu voto pela necessária lembrança de que o art. 10 da Lei nº 9.868/99 contém essa conhecida mensagem capitular: a medida liminar em ação direta de inconstitucionalidade será concedida por decisão da maioria absoluta dos membros do Supremo Tribunal Federal “após a audiência dos órgãos ou autoridades dos quais emanou a lei ou ato normativo impugnado (...)”. Audiência que ele próprio dispensa, pelo seu § 3º, “Em caso de excepcional urgência”.

8. Feito o registro, anoto que a petição inicial dá conta de que, autorizados pelo Decreto Legislativo nº 444/02, os Presidentes das Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal estão a promover um tipo de equiparação remuneratória que implica elevação de 90,70% (noventa vírgula setenta por cento) no subsídio de cada parlamentar federal. Incremento estipendiário, esse, que vigorará a partir de 1º de fevereiro de 2007 (fls. 08).

9. Sendo assim, e tendo em conta que a presente ação direta de inconstitucionalidade foi ajuizada na data de ontem (18.12.06) — véspera, portanto, desta última sessão plenária do fluente ano de 2006 —, a conclusão a que instantaneamente se chega é de que o dia de hoje é a única oportunidade para que este mesmo Tribunal Pleno possa julgar o pedido cautelar antes da efetiva produção de efeitos do ato de concreção do decreto legislativo contra cuja validade foi proposta a presente ADIN. Isto, naturalmente, pela circunstância de que este STF só retornará a oficiar de modo coletivo quando já findo o mês de janeiro do ano que se avizinha (1997).

10. Este o quadro factual que se me afigura como de urgência incomum, de modo a atrair para o presente julgamento a incidência do sobredito § 3º do art. 10 da Lei nº 9.868/99. Pelo que passo a examinar, de logo, os pressupostos da requestada medida liminar.

11. Com este propósito, e num juízo prefacial ou de mera aproximação que é próprio das decisões de natureza cautelar, tenho que a denunciada equiparação estipendiária se fez em descompasso com a Constituição Federal. Quero dizer: a equiparação remuneratória em causa implica automática majoração estipendiária e o fato é que tal majoração não é de ser feita por esse veículo formal que atende pelo nome de decreto legislativo (inciso VI do art. 59 da Constituição).

12. Com efeito, o modelo ou veículo de deliberação a que pode recorrer o Congresso Nacional para fixar os estipêndios de todo parlamentar federal é a lei ordinária. Lei formal do Congresso Nacional, que ainda se caracterize pela sua especificidade. Logo, “lei específica” ou monotemática, a se revelar como instrumento deliberativo de máxima densidade material e interesse coletivo, por isso que exigente de mais centrada atenção dos legisladores em sessão plenária e mais facilitado acompanhamento popular. É como está no inciso X do art. 37 e no § 4º do art. 40 da Magna Carta, mutuamente referidos. Tudo em sintonia com o inciso VII do art. 49 e o § 2º do art. 27 (este último a dispor sobre os subsídios dos deputados estaduais; aquele, sobre as competências exclusivas do Congresso Nacional). Confira-se:

“Art. 37.

X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem distinção de índices”.

“Art. 39.

§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI”.

“Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

(...)

VII - fixar idêntico subsídio para os Deputados Federais e os Senadores, observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I”;

(...).

“Art. 27.

§ 2º. O subsídio dos Deputados Estaduais será fixado por lei de iniciativa da Assembléia Legislativa, na razão de, no máximo, setenta e cinco por cento daquele estabelecido, em espécie, para os Deputados Federais, observado o que dispõem os arts. 39, § 4º, 57, § 7º, 150, II, l53, III, e 153, § 2º, I”.

13. Daqui se conclui, quer-me parecer, pela inconstitucionalidade formal do Decreto Legislativo nº 444/02. Com a circunstância agravante de que a indigitada equiparação também é, em si mesma, expediente atentatório de particularizado comando da Constituição: o inciso XIII do art. 37, verbis: “é vedada vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público”.

14. Deveras, ainda que o Poder Legislativo venha a sacar de lei específica, parece correto assentar que tal lei não pode veicular equiparações entre níveis ou padrões remuneratórios de diferenciados cargos públicos. A menos, claro, que essa correspondência estipendiária já conste da própria Constituição, como é o caso do § 3º do art. constitucional de nº 73, a fazer dos vencimentos e vantagens dos Ministros do Superior Tribunal de Justiça as vantagens e os vencimentos dos Ministros do Tribunal de Contas da União. Também assim a completa identidade entre os subsídios dos próprios Deputados Federais e Senadores, nos precisos termos do inciso VII do art. 73 da nossa Lei Fundamental.

15. No caso dos autos, o decreto legislativo 444/02 nem se contém nos marcos de um determinado período de vigência! Ao contrário do que faz supor a sua ementa, ele consubstancia um comando de permanente ou automático atrelamento paritário entre os subsídios dos membros do Congresso Nacional e aqueles que venham a ser fixados para os ministros do Supremo Tribunal Federal. O que já me parece traduzir um outro modo de caminhar a contrapasso da Constituição, a teor do citado inciso XIII do art. 37. Inciso que se impõe ao intérprete como expressivo de uma lógica perpassante de todo o sistema de comandos do Magno Texto, que é a lógica da autonomia entre os padrões remuneratórios dos agentes públicos (tirante as hipóteses que a própria Constituição indica, renove-se a proposição).

16. A segunda conclusão a que se pode chegar, portanto, é que o decreto legislativo sob comento padece de uma outra nódoa de inconstitucionalidade, agora da espécie material. O que envolve o pedido sob julgamento numa ambiência de plausibilidade jurídica ou relevância da fundamentação (fumus bonis iuris) a que se ajunta o perigo da demora na prestação jurisdicional (periculum in mora), como dantes enfatizado. Perigo de mora prestacional-judicante que também nos processos de índole objetiva é exigente de análise conjunta do teor da pretensão autoral e dos fatos subjacentes a tal pretensão, como serve de amostra o julgamento que se proferiu na ADI 1.750-MC (ministro Nelson Jobim), literis:

“(...)

A plausibilidade jurídica está demonstrada, não há dúvida quanto a perda de arrecadação e o desvio do atendimento às prioridades do estado.

O periculum in mora está presente eis que os carnês referentes aos impostos mencionados estão em via de serem impressos e distribuídos (fls. 13).

(...)”

17. Esse o quadro, voto pelo deferimento da medida liminar para suspender os comandos veiculados pelo Decreto Legislativo nº 444/02, até que se ultime o julgamento de mérito desta ação direta de inconstitucionalidade. Voto ainda pela atribuição de eficácia retroativa (ex tunc) a esta decisão cautelar, tendo em vista a noticiada decisão concreta de elevação do subsídio dos senadores e deputados federais já a partir de 1º de fevereiro do ano entrante.

Brasília, 19 de dezembro de 2006

Ministro Carlos Ayres Britto




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de dezembro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

2 comentários

Capaz de votarem no recesso e pagarem a passage...

Dr. Marcelo Galvão SJCampos/SP - www.marcelogalvao.com.br (Advogado Sócio de Escritório)

Capaz de votarem no recesso e pagarem a passagem áerea do próprio bolso! Rs!

Aqueles usurpadores e bandidos da nação não vão...

Ruberval, de Apiacás, MT (Engenheiro)

Aqueles usurpadores e bandidos da nação não vão deixar por menos. Vai ser igual o mensalão, sanguessugas etc... para absolver tem quorum, da mesma forma para aumentar os subsídios terão quorum e lá estarão esta semana para legislar em causa própria.

Comentários encerrados em 28/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.