Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Obras continuam

Ministro mantém projeto de transposição do rio São Francisco

O ministro Sepúlveda Pertence não acolheu as ações propostas contra o Projeto de Integração do Rio São Francisco. O objetivo era paralisar as obras. As ações foram ajuizadas por representantes de organizações que protegem o meio ambiente.

Pertence levou em consideração a atual fase das obras e entendeu que não ficou comprovado “qualquer ato modificador do meio ambiente”.

O projeto de transposição do Rio São Francisco tem gerado acaloradas discussões. Através do Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional, o governo federal pretende amenizar o problema da seca que castiga boa parte do sertão nordestino.

A proposta, no entanto, é tão polêmica quanto a antiga e há décadas sofre a resistência de moradores e políticos das cidades que margeiam o São Francisco.

ACO 876

Revista Consultor Jurídico, 20 de dezembro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

5 comentários

Resta esperar que a Justiça encontre algum víci...

servidor (Funcionário público)

Resta esperar que a Justiça encontre algum vício em todo esse imbróglio da Transposição do Velho Chico. Parece que somente assim poderão ser salvos o Rio da Integração Nacional e o pobre povo brasileiro que, caso contrário, serão vítimas desse governo trapalhão e dos caprichos de políticos nordestinos, que estão vendo nesse projeto, mais uma oportunidade de levar suas vantagens inescrupulosas. Esse projeto, criticado por pessoas sérias e competentes para fazê-lo, servirá apenas para alimentar a corrupção e a politicagem que rodeiam o governo lula. As pessoas que realmente necessitam de água, as comunidades mais necessitadas, jamais receberão uma gota do líquido precioso. Pois estão espalhados numa extensão de mais 400 mil KM² e de forma pulverizada e em meia à Caatinga e montanhas, onde é impossível fazer chegar a água transposta. Quem vai tirar proveito de tudo isso são os famosos e conhecidos políticos do nordeste, dos quais parece que o resto do País se tornou refém. Mas, infelizmente, poucos têm vislumbrado esses detalhes. Por isso, teremos que engolir mais essa. A não ser que algum iluminado do Judiciário detecte algum ponto sem nó nesse projeto e consiga minar os planos escusos dessa "gentalha"

A transposição é necessária e fundamental ...

Paulo Chaves de Araujo (Consultor)

A transposição é necessária e fundamental para o desenvolvimento da região. Para evitar o esperdicio de água por evaporação, sugiro que tudo seja feito por tubulação, seja de concreto ou de aço ou ambas, o que for melhor para o país e inclusive para os grupos financeiros que tambem irão se beneficiar, desde que a tranposição aconteça , beneficie a população e principalmente economise água.

Aos ignorantes que não sabem ler, i.é, pensar, ...

M. Lima (Consultor)

Aos ignorantes que não sabem ler, i.é, pensar, i.é, verificar dados; basta olhar os índices regionais de desenvolv. humano (IDH), feitos pela ONU, basta isto p/ tornar a verdade dos fatos translúcida. O IDH dos estados das regiões Sul e Sudeste do Brasil passam de 8,0, o que já é semelhante a algumas das nações da U. Européia; já o IDH das regiões Centro-Oeste e Norte passam de 7,0 e isto se deve a abundância de água lá existente; elas não são tidas como regiões bem desenvolvidas, ainda assim, conseguem atribuir aos habitantes condições de vida razoáveis. E a região NE? Seus índices de IDH são uma lástima p/ todos nós, chegam a serem tão baixos qto. IDH = 3,5 que é o caso de S. JOSÉ DA TAPERA, AL. Mas qual a razão disto? QUAL A RAZÃO DISTO? É a simples ausência de água que poderia estimular o setor econômico primário (agropecuária) e depois os demais setores secundário e terciário. Portanto, caro ignorante, se a ficha lhe caiu trata-se de fundamental importância levar água até lá.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.