Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Atitude suspeita

Advogados dos pilotos do Legacy criticam atitude de delegado

Os advogados José Carlos Dias e Theo Dias, responsáveis pela defesa dos pilotos americanos Joe Lepore e Jan Paladino, divulgaram nota de esclarecimento contra as afirmações do delegado Ramon Almeida da Silva, responsável pelo inquérito do acidente entre o jato Legacy e o Boeing da Gol, de que os pilotos desligaram o transponder momentos antes do acidente.

A afirmação dos advogados é de que “o transponder jamais foi desligado pelos pilotos e, até o momento, não é possível afirmar se o mesmo estava ou não funcionando. O fato é que, não se sabe por qual razão, o radar em solo não recebeu o sinal do transponder emitido pela aeronave.”

“O delegado aventura-se em um universo técnico que desconhece, antecipando-se às conclusões dos especialistas, o que contribui somente para tumultuar o processo de investigação do acidente, que deve ser profissional, cauteloso e imparcial”, dizem os advogados.

Na última terça-feira (8/12), Joe Lepore e Jan Paladino foram indiciados com base no artigo 261 do Código Penal: “expor a perigo embarcação ou aeronave, própria ou alheia, ou praticar qualquer ato tendente a impedir ou dificultar navegação marítima, fluvial ou aérea”. A pena para o crime varia de dois a cinco anos de reclusão e é agravada para até 12 anos de reclusão.

A Polícia Federal entendeu que os pilotos tiveram responsabilidade no choque entre o jato Legacy, que eles pilotavam, e o Boeing da Gol, em 29 de setembro. O acidente resultou na morte dos 154 ocupantes do vôo 1907. Os sete passageiros do Legacy sobreviveram. Os pilotos responderão em liberdade. Na semana passada os dois pilotos tiveram de volta os passaportes, que haviam sido recolhidos por ordem judicial, e regressaram aos Estados Unidos.

Leia a nota de esclarecimento

Sobre as últimas declarações do delegado Ramon Almeida da Silva, responsável pelo inquérito do acidente entre o jato Legacy e o Boeing da Gol, veiculadas pela imprensa, gostaríamos de ressaltar:

“Em investigação altamente complexa, como um acidente aéreo, é preocupante ver um delegado de polícia, que assumiu o caso há poucos dias, fazer acusações a partir de análises incorretas sobre procedimentos e regras de aviação, bem como sobre as condutas dos pilotos.

O transponder jamais foi desligado pelos pilotos e, até o momento, não é possível afirmar se o mesmo estava ou não funcionando. O fato é que, não se sabe por qual razão, o radar em solo não recebeu o sinal do transponder emitido pela aeronave.

Os pilotos não tinham como ter acesso a tal informação. Conforme disposto no IMA 100-12 (Regras do Ar e Serviços de Tráfego Aéreo do Ministério da Aeronática), é o controlador que deverá informar ao piloto ou à posição de controle seguinte quando o transponder da aeronave estiver inoperante ou operando com deficiência.

O delegado aventura-se em um universo técnico que desconhece, antecipando-se às conclusões dos especialistas, o que contribui somente para tumultuar o processo de investigação do acidente, que deve ser profissional, cauteloso e imparcial.”

Revista Consultor Jurídico, 14 de dezembro de 2006, 20h20

Comentários de leitores

3 comentários

Toda a culpa é do Governo que não supriu os Órg...

A.G. Moreira (Consultor)

Toda a culpa é do Governo que não supriu os Órgãos de Controle de Tráfego Aéreo, de recursos para substituir equipamentos e capacitar maior número de pessoal, para garantir a segurança espacial . O Legacy foi autorizado, pelo controle aéreo, a voar na altitude e rota em que voaram .- Está escrito ! ! ! Todo o resto é : "fugir do pau" !!!

caro colegas fajutos, vcs. são mentirosos, não ...

advogado curioso (Advogado Autônomo)

caro colegas fajutos, vcs. são mentirosos, não entendem nada de transponder, não tem curso, nem competentencia, ora, se estava desligado, vcs. não estavam lá. agora vem com baboseira, igual a todos os advogados que trabalharam nos sanguessugas, nos dossies, nas camaras com os colegas do mensalão, ninguem foi condenado, nem ao mesno acusado ? ora advogados farsantes iguais aos advogados dos politicos, algume dúvida ? safados, sem vergonhasm, sem moral, iguais aos advogados que defendem os PCCS.,`Pimenta da Costa Neves, Lula, Collor, João de Paula, Janene, e mais todos os politicos, Maluf, Quercia, Pita, Zé Portugues, Erundina, Zé Dirceu, Valdomiro, etc, etc e muitos mais;..............., os advogados José Carlos Dias e Theo Dias, vão receber dolares, sem nada a declarar, igual os advogados famosos de SP e do Brasil, quando os policitos pagam e não tem comprovante, são sem vergonha, safados e sonegadores, igual ao que recebeu do dossie e não declarou, alguma dúvida, perguntem a vcs. mesmo, são ou não são, defendem, bandidos (politicos, pilotos e ainda mentem e quem pagar mais, duvidam, ora, quando vem numa roda de conversa, um pergunta ao outro, vamos toma algo amanhã, os outros respondem, de quem ? DUVIDAM ?????????????? OAB E ADVOGADOS SAFADOS, SEM VERGONHA, IGUAIS A MIM, PELO HONRA E PELA SOBREVIVENCIA, MINTAM, MINTAM, MINTAM, SEMPREM, PARA GANHAREM DINHEIRO, QUE VERGONHA,................ EU TAMBÉM TENHO, QUE PENA.......

Srs. Advogados. Pelo menos em respeito ao sofri...

Geguima (Outros)

Srs. Advogados. Pelo menos em respeito ao sofrimento das famílias das vítimas, permaneça calados e cumpram seus deveres. Se julgam que a mídia e o proselitismo irão dar-lhe fama ou notoriedade ou ainda ganho de causa, creio que estão atirando pela culatra. A postura e ética são bem vindas em respeito às decisões superiores e às lágrimas daquelas que sofrem. O silência fala mais alto por vezes. É simplesmente lamentável a nota divulgada. Minha crítica à conduta pessoal de Vs. Sas. nada envolvente às dignas e respeitáveis personalidades e muito menos aos cidadãos. Abraços,

Comentários encerrados em 22/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.