Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Regra segura

Lei ambiental não será flexibilizada, diz ministra

Não existe a possibilidade de flexibilizar a legislação ambiental. A afirmação é da ministra do Meio Ambiente, Marina da Silva. “A legislação ambiental. A legislação ambiental é excelente e o Brasil é exemplo para a América Latina nessa questão”, afirmou.

A ministra participou de reunião na sede da Abdib — Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base, em São Paulo, para analisar os avanços e desafios da agenda ambiental e da infra-estrutura dos últimos quatro anos. A informação é da agência Ambiente Brasil.

Segundo Marina Silva, questões como a regulamentação do artigo 23 da Constituição — que define de quem é a competência para conceder licenças ambientais — foram discutidas pelo ministério e empresários.

Ela informou que um projeto de lei foi encaminhado para a Casa Civil, regulamentando a questão. “O texto final já está pronto e está sendo avaliado pela Casa Civil desde fevereiro. Aguardamos a avaliação deles”, disse. A ministra acredita que o projeto poderá ser enviado na próxima semana.

A ministra negou que o ministério leve questões políticas e ideológicas em consideração no processo de concessão de licenças ambientais. “A concessão de licenças não é uma questão política ou ideológica. São processos objetivos e que podem, inclusive, ser questionados pelo empreendedor”, explicou.

A ministra declarou ainda que o Brasil tem 166 mil quilômetros quadrados de áreas desflorestadas e não é necessário aumentar o desmatamento na Amazônia para expandir a agricultura e a pecuária. “Não precisamos desmatar para plantar grãos nem criar gado”, afirmou.

Segundo ela, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi muito corajoso ao levar a discussão sobre o desmatamento da Amazônia para dentro do Palácio do Planalto. Antes, na avaliação dela, a questão era de responsabilidade exclusiva do Ministério do Meio Ambiente.

Na avaliação da ministra, conciliar desenvolvimento econômico e respeito às questões ambientais é a “equação do século”. “A China, por exemplo, cresce muito, mas há quem diga que pelo menos 5 pontos porcentuais nesse crescimento podem ser subtraídos, devido aos danos ambientais”, disse. “Não queremos que empresas e agricultores sejam acusados de praticar dumping ambiental”, afirmou.

Revista Consultor Jurídico, 9 de dezembro de 2006, 12h10

Comentários de leitores

2 comentários

FLEXIBILIDADE JAMAIS, PORÉM CONCORDO COM "EQUAÇ...

de (Outros)

FLEXIBILIDADE JAMAIS, PORÉM CONCORDO COM "EQUAÇÃO DO SÉCULO", MAS VEJO QUE EM MINHA CIDADE PERUIBE - S.P.(POR EXEMPLO), PORTAL DA JURÉIA, LICENÇA PARA DRAGAGEM DE RIO PRETO, LIBERADA ATÉ 2012 (COMO PREVER AS CONSEQUENCIAS À TÃO LONGO PRAZO), MURETAS DE CONTENÇÃO QUE CAIRAM EM AGOSTO VIRANDO RUÍNAS NA PRAIA DO CENTRO, ATERRAMENTO DE MANGUEZAIS, "ENTRE OUTROS", VEEM SENDO DENUNCIADOS INTENSIVAMENTE, E MESMO ASSIM PODE-SE VER QUE EXISTE A "FLEXIBILIDADE", OU AS PESSOAS DOS ORGÃOS COMPETENTES ESTÃO UM POUCO DISTRAIDAS...

...é isso aí ministra. que os espertalhões flex...

Robespierre (Outros)

...é isso aí ministra. que os espertalhões flexibilizem as mãezinhas deles...

Comentários encerrados em 17/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.