Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acusação injusta

Carrefour terá que indenizar empregada por falsa acusação

Cabe indenização por dano moral quando houver prejuízo à reputação, à honra, ao decoro e à dignidade pessoal do empregado. O entendimento é da 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que condenou o Carrefour a pagar R$ 10 mil de indenização a uma empregada acusada injustamente de furto.

Segundo o relato do juiz convocado Luiz Antonio Lazarim, a empregada foi submetida a imenso constrangimento, “acusada de improbidade, presa, respondendo a inquérito e ação criminal, da qual veio a ser absolvida”. Lazarim ressaltou que o ato do supermercado ao acusar a empregada “denegriu a sua honra e a sua imagem”.

A trabalhadora foi contratada como assistente de caixa-patinadora. Ela era responsável pelos cancelamentos de compras, além de outros serviços junto ao caixa. A patinadora já havia sido premiada diversas vezes como funcionária exemplar.

Acusada de furto qualificado pelo gerente, foi conduzida no “chiqueirinho” da viatura policial ao 26º Distrito Policial de São Paulo, onde ficou presa por seis dias. O processo criminal durou dois anos, período em que permaneceu desempregada.

Absolvida, pediu a reparação pelos danos morais e materiais sofridos, além do pagamento das verbas rescisórias a que tinha direito. A 58ª Vara do Trabalho de São Paulo acatou o pedido e considerou que não foi provada a participação da patinadora no furto ocorrido no supermercado, inclusive pela sua absolvição do processo criminal. O juiz condenou o supermercado em R$ 10 mil, além dos valores da rescisão contratual.

O Carrefour recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, insistindo na tese de que a empregada facilitou a passagem de compras sem o devido pagamento e que a sua absolvição “não invalida a justa dispensa”. Segundo a defesa do supermercado, “a empregada não foi ofendida material ou moralmente”. Os argumentos foram rejeitados.

No TST, o supermercado persistiu no argumento de que não havia provas do dano moral. Em vão. O relator, juiz Luiz Antonio Lazarim, afirmou que “com âncora na prova e nos fatos que permeiam a lide que o TRT de São Paulo chegou à conclusão que chegou”.

Quanto ao valor da indenização, Lazarim afirmou que foram analisados os três elementos essenciais: ocorrência de dano, culpa da empregadora e o nexo de causalidade entre o dano e o ato ilícito praticado pelo empregador. E manteve a quantia fixada.

AIRR 2812/2002-058-02-40.0

Revista Consultor Jurídico, 5 de dezembro de 2006, 13h37

Comentários de leitores

5 comentários

JB - MG. Em época destas vergonhas chamadas de...

JB (Outros)

JB - MG. Em época destas vergonhas chamadas de eleições para presidente, governador, deputado etc. a justiça eleitoral julga em até uma dia alguma irregularidade de algum suposto candidato e porque não pode ser seguido pelas outras instâncias judiciais? Demorar dois anos para reparar uma injustiça desta, cometida pelo Carrefour, se esta empregada dependeu deste resultado para sobreviver, Ela já deve estar morta, e no final dar uma indenização somente de dez mil reais, é uma vergonha, duas vezes para a justiça, uma pela demora e outra pela quantia tão pouca.

EU QUERIA VER SE FOSSE COM A FILHA DE UM JUIZ, ...

CELO (Estagiário - Criminal)

EU QUERIA VER SE FOSSE COM A FILHA DE UM JUIZ, SERÁ QUE O VALOR SERIA SOMENTE 10 MIL?

...bem feito e foi pouco. judiciário vamos bala...

Robespierre (Outros)

...bem feito e foi pouco. judiciário vamos balancear melhor essas punições. cnj, taí um bom assunto para vocês: indenizações por notório desrespeito aos fundamentos constitucionais.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.