Consultor Jurídico

Notícias

Comparação proibida

Mensaleiros não podem ser chamados de animais, decide juiz

Comentários de leitores

8 comentários

Afinal de contas ANIMAIS RACIONAIS é tambem o j...

Luiz P. Carlos (((ô''ô))) (Comerciante)

Afinal de contas ANIMAIS RACIONAIS é tambem o juiz que proferiu tal sentença, e todos nós. A diferença é que os mensaleiros são ANIMAIS RACIONAIS de QI muito elevado, e provavelmente de NOTÓRIO SABER JURIDICO.

Faz bem o juiz em preservar a imagem dos animai...

Bira (Industrial)

Faz bem o juiz em preservar a imagem dos animais. Agora como descrever alguém que recebe o voto popular e o coloca a venda junto ao governo?.

Decerto, o Juiz quis preservar a boa imagem dos...

Ruberval, de Apiacás, MT (Engenheiro)

Decerto, o Juiz quis preservar a boa imagem dos animais. De fato, se eu fosse um animal jamais gostaria de ser comparado a um mensaleiro ou vampiro ou sanguessuga. Esses dois animais, aquele oriundo do morcego e este parasita (?) possuem relevância e importância dentro de seu habitat, muito ao contrário daqueles “chupa-cabras”. Juridicamente, o TRE deveria ter extinguido e arquivado o processo por ilegitimidade ativa, pois quem defende os animais é o Greenpeace, o WWF, o Ibama etc.

Tem razão o juiz ao proferir sentença dizendo q...

Landel (Outro)

Tem razão o juiz ao proferir sentença dizendo que os mensaleiros não podem ser chamados de animais. Ainda mais em meios de expressão de grande alcance. Mesmo que isso seja escrito com toda a vêemencia da indignação cívica de uma sociedade atingida por eles. Por linhas tortas o juiz escreve certo. Dispara na direção de um alvo e atinge outro, mas está certo. Pareço agora estar do lado dos chamados mensaleiros? Não, mas me permito escrever mais algumas linhas a respeito do acerto da decisão do juiz. Pensemos em como dói a comparação de um desses nominados mensaleiros ser chamado de animal. Ou a todos eles, como é infamante colocá-los no mesmo nível de animais caninos, que viram latas por aí. Ou dos que roncam e fuçam procurando comida em meio a dejetos e lavagens. Ou daqueles que usualmente são chamados de burros. Por acaso o leitor não consegue imaginar como tal coisa pode atentar contra os mais elementares princípios de civilidade, de humanismo mesmo? Senão vejamos alguns aspectos do reino animal. Tomemos como exemplo o mais comum dos cachorros, que sossegadamente dorme no quintal de uma casa, numa simples casinha de madeira, com o pratinho de ração do lado. Nada mais pede do que isso. E por tão pouco transforma-se em fera a rilhar os dentes contra qualquer invasor que tente pular o muro da casa com a intençào de roubar alguma coisa. Tendo salvo o patrimônio do seu dono, volta a dormir sossegado, pedindo apenas que este lhe passe a mão na cabeça ao chegar, em demonstração de carinho. Pensemos no animal do campo, que chamamos de burro, quase sempre a carregar pesadas cargas no lombo, quilometros a fio sem descanso, levando para seu dono coisas úteis na fazenda e lá chegando pede apenas água e forragem, com o que se dá por satisfeito, com a mansidão dos justos. E depois se retira para a cocheira, onde descansa de mais uma jornada sob um sol causticante. Imaginemos a vida dos suínos, usualmente chamados de porcos, a se refocilar em charcos imundos, a fuçar no meio de lavagem para o alimento do dia e vivendo assim até que o açougueiro do matadouro o leve para seu triste fim. Poderíamos, se ainda temos algum senso de justiça e humanidade chamar os mensaleiros de animais? Claro que não! Isso atenta contra os mais elementares princípios de humanidade, no sentido de sermos humanos o suficiente para não enxovalharmos uma nobre classe. A nobre classe desses animais. Pois o que pode existir de mais degradante para um cachorro, o mesmo que defende a nossa casa contra um ladrão, do que ser colocado no mesmo nível de um mensaleiro? Há milhares de anos esses caninos se agregaram às comunidades humanas, prestando ao ser humano inestimáveis serviços, sendo desde amigos fiéis, guias de cegos e até salvadores de crianças, conforme muitos relatos ao longo da história. O que pode existir de mais degradante para burros e jumentos, os mesmos que há milhares de anos ajudam o ser humano na sua estafante tarefa de construir uma sociedade melhor, muitas vezes morrendo de exaustão tal o peso da carga que carregavam do que serem colocados no mesmo estábulo dos mensaleiros? O que pode degradar mais os chamados suínos ou porcos, que mergulhados na lama do chiqueiro a farejarem a lavagem, terem o pressentimento da presença entre eles dos mensaleiros, o que então contamina de forma irremediável a lama do charco onde vivem? Pela Natureza o cachorro foi feito guarda para o ser humano. Pela Natureza o burro foi feito auxiliar para o ser humano. Pela Natureza o porco foi feito alimento para o ser humano. Degrada e humilha profundamente esses animais tão nobres e corretos serem comparados aos mensaleiros, serem rebaixados de suas impolutas naturezas animais para a tão avltante condição de mensaleiros. Assim, se temos mesmo algum senso de humanidade e de reconhecimento para com esses animais, evitemos compará-los aos mensaleiros. Mensaleiros, homens que renunciaram de sua humanidade e decidiram de livre e espontânea vontade portarem-se como cães raivosos, atacando tudo o que os eleitores tinham confiado à sua guarda. Mensaleiros, que deram as costas à sua humanidade e fugiram com a carga de deveres e recursos dadas a eles pelos eleitores, tornados subitamente em bestas de carga da pirataria, à qual servem felizes. Mensaleiros, que tornaram sua humanidade indistingüivel da lama dos chiqueiros políticos e morais, onde se refocilam felizes e sentindo como perfume o cheiro de podridão das coisas que fazem como meio de vida. Assim tem razão o juiz em dizer que os chamados mensaleiros não podem ser comparados aos animais, pois isso é altamente ofensivo e degradante. Altamente ofensivo e degradante, é claro, para os animais que até hoje nos serviram com tão nobres atitudes, ao contrários desses humanos, por ora nominados de mensaleiros, assim chamados porque ainda não foi encontrado um termo que expresse de forma contundente a sua premeditada baixeza. Landel ( http://vellker.blog.terra.com.br )

Corrigindo, PT e a direitA, tudo a ver.

André Afonso de André (Advogado Autônomo - Criminal)

Corrigindo, PT e a direitA, tudo a ver.

PT e a direito, tudo a ver.

André Afonso de André (Advogado Autônomo - Criminal)

PT e a direito, tudo a ver.

São piores que animais... Paulo F. (aposenta...

Paulo (Bancário)

São piores que animais... Paulo F. (aposentado)

É uma ofensa aos animais serem comparados a men...

Roselane (Advogado Autônomo - Família)

É uma ofensa aos animais serem comparados a mensaleiros e vampiros. Em tempos áureos, o PT "limpo", "espinafrava" os outros políticos. Hoje, eles não aguentam as pedradas, e nós, pobres eleitores, ficamos inertes assistindo o circo.

Comentar

Comentários encerrados em 29/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.