Consultor Jurídico

Comentários de leitores

12 comentários

A lei anti-racismo limita a manifestação de con...

Wellington Carneiro (Professor Universitário - Internacional)

A lei anti-racismo limita a manifestação de consciência, determinados valores da sociedade democraticas, merecem proteção legal qualificada. Ele pode pensar o que quisér mais a lei limita a possibilidade de manifestação pública de determinadas idéias que ferem a dignidade de determinados grupos, incitam a discórdia e ao ódio, protegendo o princípio da igualdade. Tão simples como isso. Diante de fanáticos e racistas anti-democráticos a democracia se defende. Bom dia a todos,

CONCORDO PLENAMENTE COM O PROFESSOR ARMANDO DO ...

CELO (Estagiário - Criminal)

CONCORDO PLENAMENTE COM O PROFESSOR ARMANDO DO PRADO,AO CONTRÁRIO DO QUE DISSE MARCELO POIS DE NADA ADIANTA APENAS ELE RESPONDER UM PROCESSO E NÃO SER PUNIDO COM NENHUMA MEDIDA, ISSO NÃO FARÁ MUDAR SEU PENSAMENTO RACISTA.

Sinto-me punido por não ter lido há mais tempo ...

araujocavalcanti (Advogado Autônomo - Família)

Sinto-me punido por não ter lido há mais tempo o artigo do articulista Richard Smith. Parabéns Smith, há muito que não leio algo tão interessante, e sem grandes voltas. Nos agracie com sua presença, e caso venha a publicar um livro seguindo o mesmos raciocínio e dinâmica, pretendo ser o primeiro a adquirí-lo, caso não seja muita pretensão. Parabéns, a realidade, nua e crua!

Bom dia a todos! O "garotinho" conseguiu...

Ivan Dario (Advogado Sócio de Escritório)

Bom dia a todos! O "garotinho" conseguiu o que queria: atenção. Não sou em quem o diz, mas sim o próprio: "Afirmou pertencer à uma comunidade no Orkut chamada “Semeadores da Discórdia” e que seu objetivo como membro dessa comunidade era o de se tornar conhecido, criando inimigos no mundo virtual. “Queria criar mil inimigos para atingir a popularidade”, declarou." Bonito. Muito bonito. Agora, com a exemplar educação, galgada nos princípios de ética, moral e moralidade, fornecida a todos pelo nosso governo, imaginemos quantos outros "garotinhos" com TDAH mal tratada verão nesta "notícia do orkut" uma sensacional oportunidade para "tornarem-se conhecidos". Bem, como nada há mais importante para ser tutelado, acionemos a tutela jurisdicional. Para nada. Antes que perguntem, digo: o racismo não é trivialidade. E, justamente por isso, também digo, consubstanciado nas informações constantes no artigo em comento, que no presente caso não se concretiza a hipótese de racismo, mas tão somente a de injúria racial, vide artigo 140, § 3º, do Código Penal. (para continuarmos no cotejo ludopólico, remeto ao caso Grafite, ex São Paulo F.C.). Entendo que a concretização da hipótese de racismo somente ocorre quando o agente manifesta a conduta que resulte em impedimento a outrem, titular de relação jurídica, de exercer suas responsabilidades; direitos, deveres e obrigações, em virtude de raça, credo, condição social e demais comtempladas pela Carta Magna. Prevendo qualquer réplica antitética, aduzindo que houve preconceito em virtude de raça e portanto configurou-se o racismo, antecipo-me e refuto tal sofisma, vez que o preconceito é manifestação de consciência, ainda que de forma ignorante. Sendo a consciência inviolável, conforme nossa Carta Política, esta não poderá ser tolhida, limitada e sancionada. Assim sendo, atribuindo à tal manifestação a condição de manifestação racista, criaria-se o paradoxo, pois não poderia ser punida por se tratar de manifestação de consciência. O entinema que nos leva a conclusão do silogismo para a questão é representado pela soma do argumento apresentado, revelando que o preconceito é diverso do racismo, sendo um ininputável, eis que manifestação de consciência, liberdade interior do indivíduo e o outro um crime, passível de sanção. Atribuir à injúria racial cometida o status de racismo é o mesmo que banalizá-lo. É o entendimento. S.m.j. Abraços.

Palavras geram causa e efeito. A palavra é pun...

Bira (Industrial)

Palavras geram causa e efeito. A palavra é punida, a agressão não. Hummmmmm

Caro Marcelo (Funcionário público), Também c...

Comentarista (Outros)

Caro Marcelo (Funcionário público), Também concordo contigo no sentido de que o simples processo já seja o suficiente para "botar medo" no acusado, mesmo por que, segundo inclusive consta da notícia, ele se retratou em seu depoimento. No entanto, esse mal do racismo deve ser mesmo combatido com afinco e seriedade por toda a sociedade. Inclusive eu, como simpatizante do Corinthians, tenho sentido na pele o que é a discriminação contra o meu time. E estou pensando seriamente em processar alguém por isso. Só não decidi ainda onde exatamente a ação deve ser proposta, se no Brasil ou na Argentina! :-[

Não concordo com o Armando com respeito à pena....

Marcelo (Funcionário público)

Não concordo com o Armando com respeito à pena. Se a justiça o puser numa comunidade humilde ou prestando serviços em locais pobres, o rapaz ficará ainda com mais ódio dos negros. Acho que o processo já foi o suficiente para botar medo nele. E, afinal, ele não feriu nenhum indivíduo em particular. Ocorre racismo e discriminação contra evangélicos, judeus e nordestinos o tempo todo, inclusive na TV. Não dá para processar todo o mundo. A moda agora é os gays e negros (e o PT também) processarem qualquer um por "dá cá aquela palha".

Uma pena interessante para esse estudante seria...

Armando do Prado (Professor)

Uma pena interessante para esse estudante seria prestar serviços comunitários em locais de extrema pobreza; trabalhos como limpeza, dar aulas de literatura, ajudar a arrumar as casas dos menos favorecidso, ou talvez, ser obrigado a residir por 1 ou 2 meses numa comunidade humilde. Seria didático e serviria como exemplo para outros fascistas de plantão.

Meu caro amigo Comentarista: Agradeço a sua ...

Richard Smith (Consultor)

Meu caro amigo Comentarista: Agradeço a sua consideração. Eu geralmente não gosto de rótulos, porque quem rotula, "massifica" a sua opinião, correndo com isto o risco de cair na pasteurização das idéias e de perder a minúcia da coisa. Infelizmente o que temos visto hoje em dia é, realmente, a "massificação" da opinião. Despejam-se chavões aqui e acolá e...bingo! Respostas prontas para quaisquer ocasiões. Creio que o famoso episódio do plebiscito do desarmamento é bastante ilustrador do que eu estou dizendo. No caso da Pena de Morte, a desinformação e o "acho que..." é que predomina. A pena de morte é admitida até pelo "novo" Catecismo da Igreja Católica, respeitando bi-milenar orientação. E por quê? Porque existe e sempre existiu, efetivamente, uma classe de crimes que, pelo seu potencial ofensivo, a Deus e à Sociedade (organização de pessoas, desejada por Deus, para o mútuo suporte e engrandecimento) exige também punição exemplar e diferenciada. E ao contrário do que muitos pregam, sem raciocinar adequadamente, esta pena além de servir à Justiça, também serve à Misericórdia. A uma porque dá ao condenado a chance de se arrepender e se colocar em paza com Deus e com a Sociedade; A duas, porque também evita o agravamento da sua condição com a perpetração de novos crimes, da mesma ou de assemelhada natureza. Essa é parte da visão teológica da Igreja acerca da pena de morte. Agora muitos dizem: "Não Matarás! É o mandamento." Esqueçendo-se apenas de que o indicativo do verbo é "TÚ". "[Tú] não matarás". Ou seja, a pessoa privada. Não se pode esquecer que os dez Mandamentos foram dados pela Misericórdia de Deus, para o nosso proveito e bem. Os primeiros para normatizar o culto e o respeito devido a Deus e os últimos, para regulamentar a nossa vida em comum. Dai a sua razão, porque se fosse dado mentir, roubar, cobiçar as coisas e, principalmente, a mulher do próximo, abandonar os país e, MATAR livremente, simplesmente seria impossível a cosntituição de uma Sociedade viável, pois o convívio seria impossível. Agora, o governante e as autoridades a ele subordinadas, TEM SIM, o poder de matar, na defesa desta sociedade. O próprio Cristo reconhece isto. Quando Pilatos lhe diz: "Não sabeis que tenho o poder de condená-lo à morte?" Cristo não o contesta, mas sim afirma "Não terieis este poder, SE NÃO LHE FOSSEIS DADO DO ALTO.". Adiante, na cruz, não desmente o "bom ladrão", São Dimas, quando este censura a Gestas dizendo; "Merecemos esta condenação". E no Apocalipse (13:5)lemos: "Importa que quem mate pela espada, seja morto pela espada." Como se pode ver, a pena de morte não tem nada de absurda ou imoral ou irreligiosa, tratando-se de JUSTO CASTIGO para quem incidiu nos crimes por ela puníveis. Simples assim. Agora, consideremos que ela não existe no nosso atual ordenamento jurídico. O que fazer ante a situação presente? Pergunto uma vez mais. Quando o Sr. Marcola tem a ousadia inominável de dizer ao diretor do DEIC: "Eu POSSO entrar em uma delegacia e matar quem eu quiser e vocês não podem entrar na minha cela e me matar." o que fazer? Qual deve ser a resposta a esse celerado que escolhe e manda qualquer zé- mané a seu soldo emboscar pais-de-família na frente dos seus filhos, na porta de casa? Se os senhores comentaristas todos puderem me dar uma solução viável (não- utópica) e condizente com o grau de desgoverno e "bunda-molice" que estamos vivendo, estou disposto a escutar e considerar. Na ausência... Aproveito para contar uma outra historinha: Nos idos do fim da década de 50, quando Janio Quadros era governador, um estelionatário foi preso pelo DI (Departamento de Investigações, atual DEIC). Quando observou que todos os presos, para investigação ou averiguação, eram interrogados "à cabocla", simulou escruciantes dores e foi levado ao PS do Hospital das Clínicas. Lá, aproveitando-se do sensacionalismo de um repórter setorista policial, de apelido "Reche-Reche", "denunciou" que estava todo quebrado por dentro, quase para morrer, vítima de um novo tipo de tortura inventado no DEIC, "que não deixava marcas". Houve uma grande repercussão. Jânio Quadros, que se preparava para disputar as próximas eleições presidenciais, correu até o leito do "171" e solidarizando-se em lágrimas com a pobre "vítima", exigiu, pelos jornais, que o Delegado-Geral removesse o diretor do D.I. Imediatamente, e por um sentimento de "união de classe", a Polícia CIvil PAROU na Capital. Em função desta parada, houve um verdadeiro loteamento ("A natureza odeia o vácuo") dos bairros da cidade entre as quadrilhas de bandidos ("Praga-de-Mãe", "Bidula Branco", "Bidula Prêto", "Sete Dedos", etc.) com um aumento vertiginoso dos casos mais escabrosos da paróquia. E assim foi, por quase dois meses. A situação somente se regularizou quando o Sr. Governador detrminou a recondução do afastado ao cargo. Imediatamente foi formado o "setor de assaltos" no D.I. Com poucos homens - mas trabalhando em média 18 horas por dia - em um mês houve uma "limpa" na cidade. Quem não fugiu, "deitou". E o porque desta história? Primeiro: solução existe, basta culhão; Segundo: a Polícia é a "grade do bueiro" da Sociedade, todo o lixo pára alí. Ninguém gosta da Polícia, mas é para lá que correm quando coisa ruins (crimes)acontecem, razão peal qual ela deve ser altamente profissionalizada, equipada, remunerada e, principalmente, apoiada, coisa a qual não vem acontecendo faz muito tempo; terceiro: Os próprios policiais devem ter dignidade e "espírito de corpo" (o bom, não o ruim), ou seja, jamais a Polícia devia ter permitido ser afrontada por um governador equivocado. Os governos passam, mas a Polícia, como intituição permanente, fica; Volto então a perguntar: o que fazer no momento presente quando se sabe que o Emmo. e MM. Superior Tribunal de Justiça julga que o porte de celular nos presídio não é falta grave, por exemplo. LEGITIMA DEFESA SOCIAL? Sim, absolutamente. E atenção, não sou nenhum brucutu troglodita, mas simplesmente não suporto "abraços" em Lagoa e nem no Ibirapuera. Quanto ao Sr. "Picolé de Chuchu", pondere-se que ele foi o candidato escolhido "para perder". Ninguém acreditava na sua candidatura. Acredito que, por este motivo e por outros mais, ele possa surpreender num eventual governo. As opções diretas são: O Nefasto - que deverá ser exorcizado do Palácio do Planalto no dia 15 de novembro próximo, se Deus quiser - e a D. Lula Antiga - com a mesma cara de quem usa cueca apertada, que o Nefasto tinha na eleição de 1990 antes da fase "paz e amor". De D. Helena somente podemos esperar o mesmo tipo de medida que o PT propugnava então. Para quem gosta...

Meu caro Marcelo. Essa é velha. Como de fat...

Richard Smith (Consultor)

Meu caro Marcelo. Essa é velha. Como de fato não passou despercebido aos seus olhos, essa canalha petista, obedecendo à sua orientação marxista sempre procurou explorar crises da Sociedade para incentivar a "luta de classes". Uma das vertentes mais poderosas desse permanente incentivo á confrontação vem, justamente, da exploração das surradas teses do racismo. Hoje mesmo no Estadão tem a declaração de um comerciante estabelecido há 35 anos no Líbano e que morou no Brasil antes disso. Ele disse: "Vou voltar para a MINHA TERRA (ele é Libanês!). "Nunca vi povo igual ao brasileiro. Eles tem um coração diferente." E esses filhos de uma p... querem "cagar" em uma coisa maravilhosa como essa, insuflando a discórdia e o enfrentamento de grupos de pessoas e de classes sociais. Racismo é extrema mediocridade! Acompanho o assunto há muito tempo e pude ver que as pessoas que tem essa postura infeliz são muitissimo pouco numerosas. Não existe no nosso País espaço nenhum para manifestações de menoscabo e desprezo a outros seres humanos, por qualquer razão que seja. O resto é um papo furado só. São fantasias que nem os "milhões" de pessoas que a Inquisição teria matado (despovoando a Europa toda, é claro); os "milhões" de índios que teriam sido mortos pelos colonizadores portuguêses (e essa côrzinha bronzeada da maioria do pessoal no Brasil é do sol, né?) e também as "centenas de milhares" de mulheres que morrem por ano no Brasil de abortos mal-feitos(haja IML e cemitérios para essas multidões anuais, não?). "A inguinorânça é que astravanca o pogrésso". Um abraço.

Ô Comentarista, essa foi boa, hein? Se formo...

Richard Smith (Consultor)

Ô Comentarista, essa foi boa, hein? Se formos levar em conta o Kia e o Berezowski, mais o atual estado de perseguição sofrido pela "nação corintiana" essa sua ação deveria ser proposta perante a Corte Internacional de Haia. Um abraço.

Caçamba! Essa é boa! Ainda bem que faltam as...

Richard Smith (Consultor)

Caçamba! Essa é boa! Ainda bem que faltam assuntos de maior importância neste nosso Pindorama aqui. Ainda bem que o problema da criminalidade e da impunidade absoluta (e relativa também) já foram resolvidos e que o brioso Ministério Público e o MM. Juízo Criminal podem se haver com os demais problemas desta Nação, inclusive o tremebundo problema do racismo que tantas e tantas vítimas faz no nosso seio. Quantos judeus chacinados! Quantos negros pregados em cruzes ardentes pelos nossos campos! Quantos indígenas perseguidos! E os anões então? Nem se fala! Evoé! Ainda bem que só falta isto para sermos um País feliz! QUANTO CARTAZ PARA UM IMBECILÓIDE INFANTIL!

Comentar

Comentários encerrados em 18/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.