Consultor Jurídico

Vácuo legislativo

Contratação de defensores sem concurso é inconstitucional

O Plenário do Supremo Tribunal Federal declarou a inconstitucionalidade de parte da lei capixaba que permitia a contratação de defensores públicos após a instalação da Assembléia Nacional Constituinte. Os ministros confirmaram a liminar concedida em 1995, na Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo governo do Espírito Santo.

Na ação, o governador do estado contestou atos da Assembléia Legislativa estadual e do próprio governo do estado que culminaram na entrada em vigor da Lei Complementar 55/94. O ponto questionado na ação era o artigo 64, que garantia a permanência no cargo dos defensores públicos admitidos sem concurso após a instalação da Assembléia Nacional Constituinte e até a publicação da lei complementar.

Tal dispositivo estabelecia que os defensores públicos naquela situação ficariam em quadro especial, recebendo os mesmos salários, vencimentos e vantagens do defensor público do quadro permanente, até aprovação em concurso público, no qual seriam inscritos de ofício.

O relator, ministro Joaquim Babosa, acolheu parecer da Procuradoria-Geral da República, considerando que a lei era ofensiva aos princípios constitucionais da isonomia, da impessoalidade e da acessibilidade à função administrativa, contrariando os incisos I e II, do artigo 37, da Constituição Federal, além da exceção de dispensa de concurso público constante do artigo 22, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

ADI 1.199




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 6 de abril de 2006, 7h00

Comentários de leitores

4 comentários

Mas que festa é este pais. À partir da eleição ...

Bira (Industrial)

Mas que festa é este pais. À partir da eleição de um presidente de boa vontade, mas com formação educacional nula, querem importar medicos meia boca e para toda sorte de atividade enfiar profissionais sem a minima formação academica. Para que existem as centenas da faculdades neste pais?. Para que necessitamos aprender sobre macroeconomia, direito penal, pedagogia infantil, fisiologia humana, cadeias de carbono, resistencia dos materiais e teoria do campo magnetico, se basta ter vontade....quanta abobrinha para entrar pela porta do fundo e na mais pura cara de pau da boquinha.

Paulo, mais uma vez, por apego a transparência ...

Amélia Soares da Rocha (Defensor Público Estadual)

Paulo, mais uma vez, por apego a transparência e verdade e ao bom debate, ratifico que a sua identificação é muito importante!

A Constituição Federal, para dar efetividade ao...

Amélia Soares da Rocha (Defensor Público Estadual)

A Constituição Federal, para dar efetividade aos objetivos da República, institui a Defensoria Publica como carreira de Estado autonoma, permanente, una e indivisivel, composta por orgaos de execucao selecionados por concurso publico de provas e títulos e dotados das garantias e prerrogativas inerentes ao cargo. Defensoria Pública forte e efetiva é indispensável ao Estado Democrático de Direito.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/04/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.